NATAL PRESS

divulgação

cortinade

Diante do expressivo aumento de explosão em agências de banco, as instituições bancárias vão passar utilizar uma nova tecnologia para minimizar a ação de criminosos especializados no manuseio de dinamites para explodir caixas eletrônicos. Trata-se da chamada “cortina de fumaça”, um sistema de segurança que será automaticamente acionado diante de tentativa de sabotagem dos terminais de autoatendimento. O sistema gera uma densa nuvem de fumaça, que tira a visão dos criminosos, impedindo a realização do assalto.

A novidade foi discutida no último sábado, em Natal, durante o “Seminário de Segurança Empresarial”, promovido pela empresa potiguar Interfort Segurança de Valores, em parceria com a Caixa Econômica Federal (CEF). O evento reuniu no auditório da Caixa Econômica, na Avenida Roberto Freire, especialistas em segurança bancária como Rosalvo Cordeiro Nogueira (Caixa Econômica), Reinaldo Santos (Interfort) e Evandro Pedro (Polícia Federal).

Até o momento, o novo sistema de segurança está em funcionamento apenas nas agências da CEF, instituição que registra um volume muito baixo de ações criminosas. Outros bancos públicos, como o Banco do Brasil, e privados, devem nos próximos meses implantar o serviço.

No seminário, o agente da PF, Edvan Pedro, destacou que a explosão caixas eletrônicos representa uma “evolução” do ataque de criminosos às instituições bancárias. “Em outras épocas, se praticava sequestro de gerentes das agências, depois surgiram os roubo à mão armada durante pleno horário de expediente, na presença de clientes. Em seguida foi a vez das “Saidinhas de Banco”, ação que vitimava os clientes. Por último, agora o que está em evidência é a utilização de artefatos explosivos, como a dinamite, para explosão das agências, preferencialmente nas madrugadas”, explica.

Para o consultor Reinaldo Santos, da Intefort, as explosões de caixa eletrônico estão migrando das capitais para cidades do interior, tendo em vista a fragilidade do aparato policial existentes nessas localidades. Segundo ele, apesar de as agências serem equipadas com central de monitoramento 24 horas, dispositivos de câmeras e sistemas de alarme, o tempo de resposta das forças policiais é demasiadamente longo para coibir a maioria das ocorrências. Além disso, os armamentos utilizados pelas forças policiais são inferiores aos que os criminosos geralmente utilizam.

O Superintendente Regional da Polícia Federal no Rio Grande do Norte, Wellington Clay Porcino Silva empossa nesta quarta-feira, 26/10, o novo chefe da Delegacia da PF em Mossoró, o delegado federal Samuel Elânio Oliveira Júnior. A solenidade, marcada para as 11h, acontece no auditório do Tribunal do Júri do Fórum Desembargador Silveira Martins, Bairro Costa e Silva, naquela cidade.

Estão sendo convidadas para participar do evento diversas autoridades civis e militares das esferas municipal, estadual e federal, membros dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, integrantes das Forças Armadas, dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, das Polícias Civil e Militar, da Procuradoria da República, da OAB, além de representantes de órgãos de imprensa, entidades, servidores e associações de classe.

Graduado pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR), com especialização em Direito e Processo Administrativo, cearense, 35 anos, Elânio exerceu a advocacia no período de 2004 a 2007 em Fortaleza/CE. No ano de 2008, ingressou na Polícia Federal como agente. Posteriormente, aprovado em novo concurso público em 2009, assumiu o cargo de delegado no Amapá, onde chefiou a delegacia de Oiapoque de 2010 a 2013 e, no mesmo período, também coordenou a operação Sentinela, cuja ação permanente na Região Norte do País é integrada pela Polícia Federal e Força Nacional.

O novo dirigente teve como última lotação a Delegacia de Juazeiro do Norte/CE, onde vinha exercendo suas atividades há três anos. Ele será o 8º delegado a chefiar a Unidade da PF em Mossoró desde que a Instituição foi instalada na cidade no ano de 2004.

g1

incendio

O Governo do Estado, por meio do Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte, confirmou, na manhã desta segunda-feira (10), que foi controlado o incêndio da Mata do Pilão, inserida na reserva ambiental da Área de Proteção Ambiental Estadual (APA) piquiri-Una formada por mais de 40 mil hectares, abrangendo cinco municípios (Goianinha, Canguaretama, Espírito Santo, Pedro Velho e Várzea).

De acordo com o comandante do Corpo de Bombeiros, Otto Saraiva, foram apagados os últimos focos durante a manhã de hoje com ajuda do helicóptero potiguar 01 e caberá à Polícia Civil investigar o que originou o incêndio.

Por determinação do governador Robinson Faria, foi instaurado um comitê de crise que monitorou e conduziu as ações para o controle do incêndio e as medidas relacionadas ao problema. Durante o fim de semana, órgãos do Governo foram mobilizados para conter as chamas o mais rápido possível. O comitê de crise foi formado pelo Gabinete Civil; Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesed), Defesa Civil; Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh); o Governo contactou ainda a Marinha Brasileira, o Ibama, o projeto SOS Mata Atlântica e o ICMBio (órgão de conservação da biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente).

Em nome do comitê, o secretário estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Mairton França, informou que o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema) formou uma equipe para a elaboração dos projetos de recuperação da área degrada.  “Quando a equipe entrar em atividade teremos um diagnóstico mais completo sobre os impactos ambientais causados”, explicou reforçando que não há espécies endêmicas – aquelas que só existem em determinada região – na extensão de terra atingida pelo incêndio.

pf/rn

pfmossoroe

Policiais federais da Delegacia de Mossoró, em ação conjunta com policiais rodoviários federais e policiais civis, prenderam na sexta-feira, 7/10, em Serra do Mel/RN, Região Oeste Potiguar, a 250 km de Natal, um agricultor, 51 anos, acusado de receptação e posse irregular de arma de fogo.

A prisão do homem aconteceu quando da investigação de uma denúncia anônima que dava conta de uma movimentação estranha de pessoas e veículos na Zona Rural daquele município e, como recentemente, vários assaltos foram praticados contra agências dos Correios de municípios localizados na circunvizinhança, os policiais passaram a vistoriar  comunidades da área em busca de pistas de possíveis envolvidos.

O acusado, que no momento da abordagem trabalhava como caseiro de um sítio, foi detido após uma rápida entrevista. Os investigadores desconfiaram do seu comportamento visivelmente nervoso e resolveram inspecionar o local mais detalhadamente. Instantes depois, revestidos por sacos plásticos e enterrados no quintal da casa, foram encontradas e apreendidas: três espingardas, coletes balísticos, munições e balaclavas, dentre outros objetos, os quais supostamente podem ter sido utilizados para o cometimento de práticas criminosas naquela região.
De imediato, o homem recebeu voz de prisão e foi conduzido para autuação na Delegacia da PF. Durante o interrogatório, porém, ele se negou a informar quem seria o dono e como o material encontrado chegou até ali, alegando apenas que “nada tinha a declarar”.

Indiciado na forma da lei, o suspeito foi transferido para a Cadeia Pública de Mossoró onde permanecerá custodiado, à disposição da Justiça.
A Polícia Federal prosseguirá com as investigações visando identificar e prender outros suspeitos de envolvimento no caso.

pf/rn

pfmossoro

A Delegacia da Polícia Federal, com autorização da Justiça, realizou às 9h30 desta quarta-feira, 5/10, no alto-forno de uma usina de beneficiamento de castanha situada no bairro da Abolição, em Mossoró, a incineração de 445 quilos de substâncias entorpecentes.

O montante hoje destruído, composto por 362,80 quilos de maconha, 62,74 quilos de crack, 17,54 quilos de cocaína e 2 quilos de pasta base, foi resultante de diversas apreensões realizadas nos últimos anos em municípios da Região Oeste, o que motivou  a instauração de 11 inquéritos policiais.

Além dos policiais federais, o evento contou com a presença de representantes da Vigilância Sanitária e de profissionais da imprensa.

Demis Roussos

possesecsed

O governador Robinson Faria empossou na manhã desta quarta-feira (28) o novo secretário de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), Caio César Marques Bezerra, que ocupava o cargo de secretario adjunto desde o início da atual gestão.


No ato de posse, na sala de reuniões da Governadoria, Robinson Faria destacou que a segurança pública é um desafio para o Governo do Estado e para todo o país e o momento exige muito trabalho e superação. “Caio já integrava nossa equipe e agora aceita a missão de comandar a Sesed. Ele tem conhecimento e capacidade para exercer a função, já demonstrou isso como secretário adjunto quando atuou de forma eficaz para superar as crises que enfrentamos desde o início da administração. Ele conhece a área da segurança e o objetivo do Governo que é atingirmos o padrão de segurança pública que a população deseja”, afirmou o Governador.


Caio César disse que assume a secretaria com três desafios principais. O primeiro é ampliar a polícia de proximidade, a Ronda Cidadã, que atua integrada à população nos bairros. Ele explicou que este é um modelo vitorioso em outros estados e outros países e o mais eficiente na prestação do serviço à população.


O segundo desafio é o combate ao tráfico de drogas que é a motivação de 60% dos homicídios no RN. O terceiro desafio é o investimento em recursos humanos, com a continuidade dos programas de aperfeiçoamento de pessoal e contratação de novos servidores para completar os quadros da Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar e do Itep. “Agradeço a confiança do Governador e vamos honrá-la com muito trabalho e empenho”, declarou Caio César, destacando “a competência e a dedicação das forças policiais do RN, já comprovadas, inclusive no enfrentamento de crises”.


PERFIL


O novo secretário estadual da Segurança Pública e da Defesa Social tem 42 anos, é natalense e é delegado da Polícia Federal desde 2003. Antes da Polícia, foi servidor público federal por 10 anos. Já na PF, foi chefe da Delegacia de Crimes Previdenciários em Belém (PA); chefe da Delegacia de Crimes Fazendários, em Natal e Delegado Regional de Combate ao Crime Organizado da Superintendência Regional da Polícia Federal, em Brasília.


O secretário foi também professor da Academia Nacional de Polícia nas disciplinas Investigação de Crimes Previdenciários e Investigação de Desvios de Recursos Públicos. É pós-graduado pela Escola da Magistratura do Rio Grande do Norte (Esmarn) e atualmente é aluno de Especialização em Criminologia, Política Criminal e Segurança Pública.

Há 33 anos, uma mulher nascida no Nordeste brasileiro, farmacêutica se tornou vítima. Hoje, sentada em cadeira de rodas por violência doméstica, ‘ela’ ficou paraplégica, mas lutou pelos próprios direitos e se tornou a Lei. A Lei Maria da Penha.  Como Maria, a cada quinze segundos no Brasil uma mulher é agredida. É para falar sobre isso que acontece o 10° Encontro Anual do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), em Brasília (DF), onde o Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal do Rio Grande do Norte – SINPEF/RN participa desde quarta-feira (21).

Com o tema principal “Violência contra a Mulher, Acesso à Justiça e o Papel das Instituições Policias” em alusão aos 10 anos da Lei Maria da Penha (Lei 11.340) e um ano da Lei do Feminicídio (Lei 13.104), o evento acontece até esta sexta-feira (23). Entre pesquisadores, representantes da sociedade civil organizada e do setor privado; policias e membros do sistema de justiça criminal está o Agente Federal, Sérgio Luiz Paiva Guimarães representando o SINPEF/RN durante o três dias.

O evento conta com uma série de atividades sobre homicídios, vitimização policial, audiências de custódia, formação dos profissionais de segurança, além de uma plenária com a presença de representantes das instituições policiais na qual são debatidas propostas de modernização para o campo da segurança pública.

Em pauta, estão as mais diversas formas de violência contra a mulher, dentre elas a doméstica, sexual e psicológica. Segundo a  ActionAid Brasil, o país ocupa a 12ª posição no ranking mundial de homicídios de mulheres. E o objetivo do FBSP é qualificar o debate sobre violência contra a mulher com a apresentação de diagnósticos, estratégias de intervenção e propostas de investigação, prevenção e repressão a partir do diálogo entre diferentes segmentos.

divulgação

pmusa

 
O policial brasileiro Marcos Bonfim, que atua na Carolina do Norte - EUA como Chefe de Polícia na King Special Police e diretor da King Special Police Academy, esteve visitando o Rio Grande do norte e fez palestras em Caicó e Natal, na quinta-feira e sexta-feira, respectivamente, sobre: 'Violência e necessidade de reestruturar as Polícias Brasileiras'; PEC 361 e Ciclo Completo de Polícia (comparativo Brasil - EUA).
 
Durante cada palestra, Marcos Bonfim ratificou o que há muito falam os líderes sindicais e de associações dos operadores de segurança pública: "Só resta uma alternativa ao Brasil, reformular suas polícias seguindo os mesmos moldes dos Países desenvolvidos".
 
Ainda segundo Bonfim, um bom início seria a aprovação da PEC 361 - PEC FBI, que visa instalar na Polícia Federal a mesma carreira que existe no órgão americano; Carreira única, desburocratização da investigação e tornar as investigações mais científicas.
 
Por fim, reforçou a importância dos gestores públicos em modernizar de forma urgente o ciclo completo de polícia em todos os estados e na união.
Os dois eventos teve o apoio do Conselho Comunitário de Cooperação para Defesa Social de Caicó e do SINPEF/RN.  

pf/rn

tresedemais

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (23/9) em Natal e São José de Mipibu, Região Metropolitana, a operação TRÊS É DEMAIS destinada a apurar fraudes em licitações realizadas por autarquias e órgãos públicos federais quando da contratação de mão de obra terceirizada.

Cerca de 54 policiais federais estão cumprindo 12 mandados judiciais de busca e apreensão.
Na ação, a PF busca apurar o cometimento de crimes de falsificação e de uso de documento falso, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

No decorrer da investigação, iniciada há 4 anos, verificou-se que um principal suspeito controlava diversas empresas sendo o fato ocultado pela participação de “laranjas”, o que permitia que ele as utilizasse para participar de inúmeros processos licitatórios, simulando, assim, a existência de uma disputa que, na verdade, era fictícia.

Durante a investigação, não foram encontrados indícios da participação de servidores públicos nas supostas ações criminosas.
A PF não concederá entrevista coletiva.


(*) Três é demais faz referência a um conhecido adágio popular e se ampara no fato de que esse mesmo tipo de crime, em anos anteriores, já havia sido combatido através de duas outras operações realizadas pela PF no RN.

O governador Robinson Faria anuncia a nomeação do delegado Caio César Marques Bezerra como novo Secretário de Segurança Pública e Defesa Social do RN. Caio Bezerra vinha exercendo a função de secretário-adjunto de Segurança desde o início do atual governo, acompanhando a implantação e atuando na coordenação conjunta das políticas públicas da área.

Caio Bezerra tem 42 anos, é natalense e é delegado da Polícia Federal desde 2003. Antes da polícia, foi servidor público federal por 10 anos. Já na PF, foi chefe da Delegacia de Crimes Previdenciários em Belém (PA); chefe da Delegacia de Crimes Fazendários, em Natal e Delegado Regional de Combate ao Crime Organizado da Superintendência Regional da Polícia Federal, em Brasília.

O novo secretário foi também professor da Academia Nacional de Polícia nas disciplinas Investigação de Crimes Previdenciários e Investigação de Desvios de Recursos Públicos. É pós-graduado pela Escola da Magistratura do Rio Grande do Norte (Esmarn) e atualmente é aluno de Especialização em Criminologia, Política Criminal e Segurança Pública.

O governador Robinson Faria destacou a confiança em Caio Bezerra. “Caio conhece em profundidade a segurança pública e as políticas adotadas pelo nosso governo para esta área. Estou certo que dará continuidade às ações exitosas que temos conseguido no combate à criminalidade”, declarou.

Robinson agradeceu ao General Ronaldo Lundgren, que se afastou da função por questões familiares. “O general vinha fazendo um grande trabalho, que conta com nosso reconhecimento, e não pôde permanecer conosco por questões familiares. Agradeço a ele todo o empenho à frente da pasta”, afirmou.



Twitter