NATAL PRESS

Reconhecer e valorizar o trabalho desenvolvido pelos profissionais de Enfermagem que atuam nas unidades de saúde pertencentes ao Distrito Sanitário Oeste de Natal. Com esse intuito, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) promoveu o I Encontro de Enfermagem do Distrito Oeste, nesta quinta-feira (27), no auditório do Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPS i), em Cidade da Esperança.  

 

A diretora do Distrito Oeste, Francisca Francinete, explicou que a ideia de realizar o evento surgiu diante da necessidade de se promover um momento de reconhecimento e valorização aos profissionais que dedicam suas vidas ao cuidado com a saúde das pessoas. 

 

“O trabalho do enfermeiro é muito pesado, principalmente nesse momento que atravessamos, com muitas demandas que acabam exigindo muito deles enquanto pessoas e profissionais. Tudo passa pela Enfermagem, já que é ela quem coordena o programa Saúde da Família. Então, nos preocupamos em mostrar aos nossos profissionais a importância do trabalho desenvolvido por eles”.   

 

Durante o evento, foram promovidos momentos como a apresentação de um vídeo produzido pela equipe do Setor de Educação do Distrito Sanitário, com mini-entrevistas feitas com os próprios profissionais, além de intervalo cultural com literatura de cordel e a Tenda do Conto, quando os participantes puderam dividir suas vivências e experiências pessoais e de trabalho uns com os outros.  

 

“Foi um momento muito rico para todos nós, porque a missão de vida deles é cuidar das pessoas e muitas vezes, não encontram alguém que possa cuidar deles. Então, nosso objetivo foi reconhecer e valorizar todos os nossos profissionais de Enfermagem com um encontro dinâmico, descontraído e de interação”. 

 

 A Prefeitura do Natal, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), promove neste sábado (22) mais uma edição do projeto “Mulher 365: Cuidar passa por todas as estações” em cinco unidades de saúde do município. A programação começa às 8h, com diversas ações preventivas e educativas em saúde, com foco principal na prevenção ao câncer de colo de útero.

 

As atividades serão desenvolvidas pelas unidades de saúde da família de Gramoré (Distrito Sanitário Norte 2), Igapó (Norte 1), KM 6 (Oeste), Passo da Pátria (Leste) e Pitimbu (Sul). Serão realizados exames preventivos feminino (papanicolau ou citológico), atualização do cartão de vacinas, consultas médicas e de enfermagem, aferição de pressão arterial e taxa glicêmica, testes rápidos de HIV/Aids, Sífilis e Hepatite, odontologia, entre outros.

 

Também serão promovidas palestras e rodas de conversa sobre saúde e qualidade de vida, alimentação saudável, prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti, distribuição de hipoclorito de sódio a 2,5% para a prevenção de doenças transmitidas por ingestão de alimentos e de água contaminados e orientações nutricionais.

A parte lúdica, cultural e de beleza será trabalhada de forma diferenciada por cada unidade, sempre no intuito de atrair a atenção dos usuários presentes e levar informações de saúde de forma simples e didática. O objetivo do projeto é oferecer cuidados de saúde especialmente para quem tem dificuldades de procurar assistência nas unidades durante a semana.

Inaugurado em 2015 para preencher uma lacuna na rede de atendimento à saúde, o Hospital Municipal de Natal Doutor Newton Azevedo (HMN) – o primeiro na história da cidade – segue sendo referência para os natalenses e apenas no primeiro semestre deste ano realizou mais de 250 mil procedimentos.

Ao todo, foram 267.966 procedimentos de janeiro até junho deste ano, sendo os serviços mais utilizados os seguintes: laboratório (80.037); consulta por profissional de nível superior (49.670); administração de medicamentos (45.138); nebulização (17.183); raio-x (14.443); e consulta com especialista (11.856).

Se levarmos em consideração também o número de atendimentos, esse número sobe ainda mais. Nos seis primeiros meses, foram 64.175, com 23.564 na pediatria, 30.612 no setor de adultos e 9.999 na ortopedia. Além disso, as internações somaram 1.099.

Para a senhora Maria Antônia, que está com o filho internado na unidade, o HMN tem desempenhado um papel importante no atendimento médico da população. “Foi um investimento muito bom feito pela Prefeitura. Já utilizei o hospital em outras oportunidades e não tenho do que reclamar. Os profissionais que trabalham aqui também são muito atenciosos”, afirmou.

O HMN absorveu os atendimentos que antes eram realizados no Pronto Atendimento Infantil Sandra Celeste e o Hospital dos Pescadores. São mais de 500 profissionais, divididos em médicos, enfermeiros, nutricionistas, assistentes sociais, terapeuta, fisioterapeutas, pediatras, além dos profissionais terceirizados.

Nos últimos meses, o Hospital Municipal tem conseguido grandes avanços. Os dez leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) foram habilitados pelo Ministério da Saúde. Com isso, a unidade passou a receber verbas federais para o custeio dos procedimentos realizados. Além disso, o setor de ortopedia, que antes era ofertado das 7h até as 19h, agora se estende até a meia-noite.

Os médicos do município de Natal anunciam mais uma paralisação em suas atividades nos dias 17 e 18 de julho.  O motivo da paralisação é o não cumprimento da implementação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV).

A categoria que já decretou estado de greve faz paralisação total dos serviços de ambulatório e do Programa Saúde da Família (PSF). Nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e no Hospital Municipal só serão atendidos os casos de emergência. Já as maternidades devem encaminhar os pacientes para unidades de saúde do estado.

Além da paralisação, a categoria está organizando um ato público para amanhã (18). O ato será uma caminhada com concentração no Sinmed RN, na Rua Apodi, a partir das 8h, seguindo até a sede da Prefeitura de Natal.

 

Grito da Saúde em Natal: "FORA BARROS!"

 A Confederação Nacional dos Médicos (CNM) se junta aos médicos de Natal e realiza ato único na capital Potiguar, com o Primeiro Grito “Fora Barros!”, em Natal.

O evento é uma resposta às repetidas agressões que a categoria médica vem recebendo do Ministro da Saúde, Ricardo Barros, como forma de desviar a atenção dos brasileiros para os graves problemas de financiamento, corrupção e gestão que tornaram a prestação de assistência à saúde um martírio e uma ofensa aos cidadãos brasileiros.

Sendo essa uma das razões da falta de profissionais no serviço público, além das condições de trabalho absolutamente precárias, o Presidente do Sindicato, Geraldo Ferreira, que também preside a Confederação Nacional dos Médicos, optou por transformar a manifestação em um evento maior, fazendo o Primeiro Grito Fora Barros.

 

PRIMEIRO GRITO FORA BARROS!

Data: 18 de julho

Concentração: Sinmed RN a partir das 8 h

Caminhada até a praça sete de Setembro

Realização: Confederação Nacional dos Médicos e Sinmed RN

 

Por Juliana Holanda

“Usar repelente, não acumular lixo e tampar vasilhas com água”. Os ensinamentos fazem parte das campanhas de combate ao mosquito Aedes aegypti. Mas, desta vez, foram ditas por um garoto de seis anos de idade, aluno do 1º ano da Escola Estadual Isabel Oscarlina Marques, localizada na cidade de Santa Cruz, no Rio Grande do Norte.

A turma do 1º ano foi uma das que receberam o projeto de extensão Controle do Aedes aegypti através de ações educativas em saúde, da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairí (Facisa) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

A iniciativa da Facisa utiliza práticas de educação e de saúde para intensificar o enfrentamento ao mosquito transmissor da dengue, do vírus da zika, da chikungunya e da febre amarela no município de Santa Cruz. “Em anos anteriores, a cidade apresentou altos índices de doenças causadas pelo mosquito”, explica o professor da Facisa e coordenador do projeto Dany Geraldo Kramer Cavalcanti e Silva.

Para auxiliar a luta da comunidade contra o Aedes aegypti, professores e alunos da Facisa estão há um ano trabalhando com um público amplo, que inclui crianças de cinco anos de idade a adultos. “O foco é o combate ao mosquito. O que muda é a forma como transmitimos o tema, adaptando as informações às diferentes faixas etárias”, explica Dany Kramer.

“Queremos ampliar o atendimento à população. O combate ao mosquito Aedes aegypti precisa ser constante e amplo”, afirma o coordenador do projeto Dany Kramer

 

Na Escola Estadual Isabel Oscarlina Marques, por exemplo, os alunos do 1º ano passaram uma manhã  se divertindo com teatro de bonecos, jogos e brincadeiras. Ferramentas encontradas pela equipe da Facisa para ensinar as crianças sobre as formas de combate ao mosquito Aedes aegypti e sobre as doenças transmitidas por ele.

O professor da turma, Francisco Ivanilson da Costa Confessor, acredita que a ação da Facisa ultrapassa a sala de aula e tem alcance em toda a comunidade. “Nessa idade, as crianças dividem tudo com os pais e ajudam a disseminar a importância de combater o mosquito”, destaca.

Uma das voluntárias do projeto, a aluna de Fisioterapia da Facisa Elissa Stephanie de Oliveira Torres defende que a educação permanente em saúde e o aprendizado participativo são essenciais para erradicar o mosquito da região. “As atividades precisam acontecer o ano todo e incluir o maior número possível de pessoas para ter um efeito mais significativo”, enfatiza.

A estudante de Nutrição Rosiane Leite dos Santos Soares, também voluntária do projeto, destaca a importância do trabalho para a saúde da população. “Muitas pessoas da região tiveram alguma doença transmitida pelo Aedes aegypti e por isso têm muito interesse em ajudar. A Facisa está cumprindo um importante papel social ao contribuir com a educação da comunidade”,  ressalta.

O coordenador do projeto garante que as ações de extensão vão continuar enquanto a saúde dos moradores de Santa Cruz estiver em risco. “Queremos ampliar o atendimento à população. O combate ao mosquito Aedes aegypti  precisa ser constante e amplo”, afirma Dany Kramer.

O governador Robinson Faria afirma veementemente que não permitirá o fechamento de hospitais regionais no seu governo e esclarece quais são as determinações da assinatura do Termo de Ajustamento de Conduta entre Governo do Estado e Ministério Público. "O TAC não determina o fechamento, mas um estudo de redefinição do perfil das unidades. Não vamos fechar", disse.

 

 

Ele explica que, ao contrário, trabalha para recuperar e reabilitar os hospitais dentro da estratégia de regionalização do atendimento à saúde. "Estamos destinando mais de R$ 40 milhões para a reforma e reequipamento de sete hospitais regionais. Instalamos tomógrafo em Mossoró e Caicó e vamos instalar em Pau dos Ferros. Vamos investir R$ 100 milhões na construção do Hospital da Mulher em Mossoró, já em licitação. E estamos recuperando e reequipando 21 maternidades em diversos municípios. Isso tudo com recursos que conseguimos junto ao Banco Mundial", explica o governador.

 

 

O chefe do Executivo estadual informa ainda que acabou de conseguir R$ 150 milhões junto ao Ministério da Saúde, o que vai permitir reabastecer e regularizar o funcionamento de toda a rede de saúde do Estado e implantar novos serviços como os mutirões de ortopedia e de cirurgias eletivas - e as policlínicas para agilizar exames.

 

 

O governo afirma também que o documento assinado com o Ministério Público tem por objetivo avaliar o sistema de atendimento e promover ajustes no perfil das unidades hospitalares do estado dando a elas funções que melhor couberem na sistemática do SUS. "Não haverá fechamento de hospitais", assegura.

Moradores da zona Sul de Natal tiveram, nesse final de semana, a oportunidade de utilizar uma série de serviços de saúde. O Distrito Sanitário Sul (DS Sul), em parceria com o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e a Unidade Básica de Saúde Jiqui (UBS Jiqui), realizaram uma ação na Igreja Batista, bairro de Neópolis.

Foram realizados testes glicêmicos, aferição de pressão, orientação nutricional, testes rápidos de HIV e sífilis e orientação sobre as arboviroses, feitas pelo setor de educação do CCZ. Além disso, a população ainda teve a oportunidade de fazer agendamento em consulta médica na UBS Jiqui e também com o ginecologista da unidade. Ao todo, foram mais de 200 atendimentos.

O evento tem como objetivo levar para o 'extra-muro' os serviços oferecidos pelas unidades de saúde, principalmente para aquelas pessoas que não têm tempo durante a semana para buscar atendimento médico.

Como forma de intensificar as informações à população quanto a importância do diagnóstico precoce, a Unidade Básica de Saúde de Candelária está realizando durante este mês, atividades de prevenção às hepatites virais em alusão a Campanha Julho Amarelo.

A equipe composta por enfermeiros, técnicos de enfermagem e enfermeirandos da Faculdade Maurício de Nassau, está ofertando nas quartas, quintas e sextas-feiras no período da tarde, os testes rápidos de Hepatite B, C, HIV/Sífilis. Além de distribuição de preservativos, vacinação, orientações sobre a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, focando as hepatites virais e distribuição do laço amarelo simbolizando a campanha.

A enfermeira Andresa Xavier explica a importância das atividades de prevenção na unidade de saúde. “É de grande relevância a estratégia traçada pela Secretaria de conscientizar a população sobre o diagnóstico precoce das hepatites e assegurar o encaminhamento do paciente ao tratamento gratuito. Quanto antes, melhor para o paciente, porque diminui as formas de transmissão sexual, sanguínea ou vertical (de mãe para o bebê durante a gestação). Quando detectamos exames positivos, que é entregue com cerca de 30 minutos, já solicitamos os exames confirmatórios e encaminhamos ao tratamento médico na unidade de Candelária”.

Apenas nesta quarta-feira, foram realizados mais de 100 exames de teste rápido na unidade.

 

JULHO AMARELO
Julho foi adotado pelo Ministério da Saúde e pelo Comitê Estadual de Hepatites Virais como o mês de luta e prevenção das hepatites virais. Isso não significa que a prevenção à doença deva ser menor nos demais meses do ano, muito pelo contrário, a cada dia deve-se aumentar a atenção porque as hepatites virais são as principais causas de câncer no fígado. Todos os anos, o mês de julho é marcado por mais uma mobilização da sociedade, com ações voltadas à prevenção dos diversos casos de hepatites. 

A Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço – SBCCP preparou mais uma Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço - “Julho Verde”, visando conscientizar a população sobre a doença, seus principais fatores de risco e como preveni-la. No Rio Grande do Norte, a campanha é coordenada pelo vice-presidente da SBCCP, Dr. Luís Eduardo Barbalho de Mello.

 

A programação do “Julho Verde” no Rio Grande do Norte contará com palestras, seminário, audiência pública e um evento no Parque das Dunas, que deverá envolver a população sobre os cuidados da prevenção através de palestras e ginástica laboral. 
 

O dia 27 de julho foi definido como o Dia Mundial do Câncer de Cabeça e Pescoço no congresso mundial da especialidade, realizado em 2014, pela Federação Internacional das Sociedades Oncológicas de Cabeça e Pescoço, e a SBCCP, que em 2017 comemorará o seu Jubileu de Ouro, realiza este ano a 3ª edição da Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço - “Julho Verde”, visando conscientizar a população sobre a doença, seus principais fatores de risco e como preveni-la.

 
Programação do JULHO VERDE no RN:

08/07 – 9h – Ação no Parque das Dunas
10/07 – 14h – Audiência Pública na AL/RN
14/07 – 14h - Seminário na UERN em Mossoró/RN

Mais cinco obras realizadas pela Prefeitura do Natal, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), entraram na reta final e devem ficar à disposição da população nas próximas semanas e meses.

Nesta segunda-feira (19), o secretário de saúde do município, Luiz Roberto Fonseca, acompanhado pela secretária adjunta de Atenção Integral à Saúde da SMS, Saudade Azevedo, visitaram a Unidade de Pronto Atendimento da Zona Sul (UPA Zona Sul), as Unidades Básicas (UBS) de Santa Beatriz e Artur Veiga, que ficam no Planalto, o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) e o Hospital dos Pescadores.

A expectativa é que a UPA e a UBS Santa Beatriz sejam entregues para a população já em julho. Em relação ao Cerest e a UBS Artur Veiga, embora os serviços já se encontrem bastante adiantados, precisarão de um pouco mais de tempo – expectativa de entrega é entre agosto e outubro.

A situação mais adiantada de todas é o Hospital dos Pescadores, que passa a ser chamado de Centro Integrado de Serviços em Saúde – Unidade Pescadores. Fechado desde 2015, quando as atividades foram transferidas para o Hospital Municipal de Natal, o espaço passa por uma reforma desde então. Com previsão de entrega até o final do mês e a primeira quinzena de julho, o prédio abrigará diversos serviços, como o ProSUS, centro de convivência de saúde mental e a Central do Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD).

Somente com essas obras, estão sendo investidos mais de R$ 3 milhões, dentre recursos do próprio municipal e do Governo Federal.



Twitter