NATAL PRESS

Com a abertura da Campanha Nacional de Vacinação Contra Influenza para todos os públicos na última segunda-feira (22), mais de 10 mil pessoas já foram imunizadas na capital potiguar. A maior busca pela vacinação aconteceu no Distrito Sanitário Sul (DS Sul), onde 3.623 pessoas já foram imunizadas, seguido por: DS Oeste (3.260); DS Leste (2.407); DS Norte II (2.291); e DS Norte I (1.910). 

Fazem parte do público alvo da campanha: crianças de seis meses até cinco anos, 11 meses e 29 dias; gestantes; puérperas; idosos a partir dos 60 anos; trabalhadores da saúde; professores de escolas públicas e privadas; portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; e funcionários do sistema prisional.   

Durante a Campanha, que segue até 31 de maio, ainda está sendo feita a atualização da Caderneta de Vacinação. 

A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais e também podendo causar pandemias. A transmissão ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recémcontaminadas por secreções respiratórias pode levar o agente infeccioso direto a boca, olhos e nariz.  

Durante o tratamento de quimioterapia, as crianças passam a usar muitos medicamentos durante bastante tempo. Isso pode acarretar um desconforto no estômago, uma alteração gástrica, pela combinação de medicamentos que serão usados durante o tratamento. Os médicos costumam prescrever protetores gástricos no intuito de reduzir esse desconforto.

Esse tipo de medicamento é específico e precisa ser tomado antes das refeições, exclusivamente pela manhã. Na Casa Durval Paiva, a presença do farmacêutico se faz necessária durante todo o período de tratamento do paciente, para que este tenha a assistência plena com a dispensação das medicações prescritas e também as devidas orientações de acordo com a necessidade de cada caso. Os protetores gástricos mais prescritos são aqueles em forma de cápsulas.

Existem pacientes que têm dificuldade de engolir essas cápsulas então, muitas vezes, a prescrição já vem com a orientação médica de abertura do medicamento e diluição dos grânulos em água. Pelo fato da forma farmacêutica ter sido modificada, levará um tempo a mais para o protetor gástrico fazer efeito.

O farmacêutico orienta quanto a importância do horário a ser cumprido da medicação e a forma certa de tomar como já citado. Para que o protetor gástrico faça efeito, se faz necessário a ingestão do medicamento em jejum. Sempre que o medicamento for esquecido, deverá ser tomado assim que lembrado e nunca duas vezes, pois isso pode acarretar uma superdosagem. Quando a orientação do medicamento for a diluição é necessário que o medicamento após diluído seja ingerido imediatamente, para evitar oxidação ou contaminação do mesmo.

 

*Farmacêutica - Casa Durval Paiva

CRF 2541

A Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Norte (DPE/RN) conquistou na justiça uma decisão em tutela de urgência obrigando um plano de saúde a fornecer suplemento alimentar para uma idosa portadora de diabetes mellitus e que se encontra em regime de home care. O custo mensal da dieta enteral é de R$ 2.204,79. A decisão dá prazo de 48h para que seja feito o fornecimento, sob risco de multa diária no valor de R$ 1.000,00.

A paciente relatou no processo que é portadora de diabetes mellitus com amputação dos membros inferiores, apresenta quadro de desnutrição grave e se recupera de um AVC. Segundo os atestados médicos, o suplemento pretendido é necessário para promover a melhoria na sobrevida e qualidade de vida da cliente, além de possuir registro na ANVISA e eficácia clínica documentada.  No entanto, em fevereiro deste ano, durante assistência domiciliar, o plano de saúde negou o fornecimento da dieta enteral argumentando que estaria “em conformidade com a cobertura obrigatória do rol de procedimentos”, citando a Resolução de nº 458 da Agência Nacional de Saúde.

Na ação, a defensora pública responsável argumentou que o rol é meramente exemplificativo e não se trata de lista taxativa ou limitadora de direitos. Ainda segundo a defensora, ao ser contratada a operadora do plano de saúde se compromete a prestar os serviços médico-hospitalares para tratamento integral das doenças que não estejam literalmente excluídas em seus contratos, sobretudo no âmbito do regime de assistência domiciliar.

 

“A negativa do plano de saúde em custear o tratamento necessário ao restabelecimento da saúde da autora revela verdadeiro abuso de direito, na medida em que contraria a função social do contrato, frustrando a legítima expectativa da paciente de não ficar desamparada de procedimento essencial à preservação de sua vida”, registra a decisão judicial.

carla vieira

Compreender a importância e uso seguro das plantas medicinais e Fitoterápicos com suas aplicações na cura das doenças seguindo as novas normas de prescrição, esse será o tema do Curso de Fitoterapia Brasileira que será ministrado pela Mestre em Ciências Farmacêuticas (UFPE) e Pesquisadora em Química de Produtos Naturais com conhecimento em Legislação e Especialista em Farmacognosia, Maria da Paz Ferreira do Nascimento. O evento será realizado nos dias 27 e 28 de abril, das 8h às 18h, no Espaço Nutre. No dia 27 também haverá a exposição de Ilustração Científica “Plantas Medicinais” do biólogo e artista plástico, Dyego Costa, às 17h.

Direcionado para profissionais e estudantes da área da saúde como medicina, enfermagem, nutrição e farmácia, o curso é uma oportunidade para iniciar ou aprofundar o conhecimento na prescrição de fitoterápicos e contribuir para a correta aplicação de acordo com a nova legislação, da forma mais segura para o paciente. 

“A importância do curso não está apenas na questão legal, o entendimento das aplicações da fitoterapia é um conhecimento para o bem da saúde pública, já que a população utiliza costumeiramente e culturalmente plantas para tratarem das mais diversas enfermidades. Os profissionais da área da saúde já estão se adequando e Cursos de Fitoterapia estão sendo inseridos em Departamentos de Medicina. Devemos conhecer mais profundamente implicações no uso de Fitoterápicos do ponto de vista químico.  A legislação sobre o tema é recente e com o tempo de execução sofrerá ajustes, mas também é importante que estes profissionais possam contribuir de forma científica e embasada para fomentar e executar esses ajustes. Por exemplo, que sejam consideradas interações medicamentosas envolvendo fitoterápicos desde as conversas com o paciente e que o farmacêutico possa compreender esta nova legislação junto com quem a prescreveu”, afirma Maria Nascimento.  

A exposição de Ilustração Científica “Plantas Medicinais” do artista plástico e biólogo Dyego Costa, será parte do curso no estudo de quimiotaxonomia, e mostrará aos presentes nove ilustrações de flores e plantas. 

O curso e a exposição tem vagas limitadas e estão com inscrições abertas na plataforma Outgo - https://www.outgo.com.br/fitoterapiabrasileiraquimicaprescricao. O investimento para o curso é de R$ 378,00. Terão bônus de 10% de desconto os dez primeiros estudantes de graduação na área de saúde ou profissionais filiados aos Conselhos de Medicina, Farmácia, Nutrição ou Enfermagem que se inscreverem. O Curso é certificado pelo Espaço Terapêutico de Teresópolis e pela Universidade Federal do Paraná. Já a exposição tem entrada gratuita, porém limitada à 20 vagas.

O que é fitoterapia?

O termo fitoterapia é relativo a utilização de plantas para o tratamento de doenças. Todo produto farmacêutico, seja extrato, tintura, pomada, ou cápsula, que utiliza como matéria-prima qualquer parte de uma planta com conhecido efeito farmacológico e sem composto isolado, pode ser considerado um medicamento fitoterápico.

Sobre Maria Nascimento

Maria da Paz Ferreira do Nascimento é graduada em Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Possui experiência de ensino e pesquisa nas áreas de Fitoquímica, Farmacognosia, Planejamento e Síntese de fármacos.
Ministrou cursos de Fitoterapia desde início dos anos 1990 como Auxiliar de Ensino e Pesquisa e já como Professora na Universidade Tiradentes-SE  e na Universidade Federal de Sergipe-SE.

Em 2016, foi convidada pela Universidade Federal de Tocantins (UTF) para escrever a ementa do primeiro curso de pós- graduação em Fitoterapia para a Escola de Medicina. Durante quatro anos, foi professora e pesquisadora de Farmacognosia e Fitoquímica em universidades de Sergipe com publicações na área. Curriculo Lattes de Maria Nascimento: http://lattes.cnpq.br/0946116788223210

Serviço:
Curso de Fitoterapia Brasileira
Local: Espaço Nutre – AV. Senador Salgado Filho, 2021
Data: 27 e 28 de abril
Horário: 8h às 18h

 

A importância da terapia nutricional na criança com câncer está baseada na ideia de que o consumo de alimentos benéficos pode melhorar os efeitos colaterais da doença. Tem-se comentado muito hodiernamente, entre os pacientes, a dificuldade em melhorar os transtornos gastrointestinais, seja em virtude de uma distensão abdominal (constipação) ou desarranjo intestinal. É primordial, a partir da ocorrência dessas situações, conhecer melhor os alimentos e suas funcionalidades. Com isso, surgem discussões relevantes como: Quais alimentos são ditos fibras solúveis e quais aqueles insolúveis.

Todo esse cenário é notório para aqueles pacientes que apresentam desconfortos gastrointestinais quando submetidos à quimioterapia, radioterapia e uso de medicamentos constantes. Com todos esses aspectos, estratégias nutricionais podem subsidiar e melhorar significativamente o estado nutricional do paciente.

Quando traduzimos o conceito de distensão abdominal (constipação), essa é qualificada como um sintoma comum em pacientes oncológicos, devido à síndrome de anorexia-caquexia, caracterizada como uma complicação frequente no paciente portador de uma neoplasia maligna em estado avançado. Essa síndrome configura-se por um intenso consumo dos tecidos muscular e adiposo, com consequente perda involuntária de peso (não-intencional), além de anemia e astenia (diminuição da força física).

Sua frequência é mais elevada nos pacientes com a doença em estágio avançado e que fazem uso de drogas para tratamento da dor. Diversos fatores, além da dor e da terapia medicamentosa, contribuem para a lentificação da mobilidade intestinal que torna o movimento do alimento mais lento no aparelho digestivo, tais como: redução do conteúdo intestinal pelo jejum para exames, cirurgias, inadequação dietética, distúrbios metabólicos e emocionais.

Assim, de acordo com o exposto, os alimentos classificados em solúveis encontram-se principalmente nos frutos, hortícolas, leguminosas e alimentos contendo aveia, cevada ou centeio, incluem as pectinas (frutas, vegetais, legumes, batata, resíduo de beterraba obtido na produção de açúcar), as gomas, encontradas também em produtos de panificação, lácteos, molhos, misturas de gelatina e geleias; as mucilagens, encontradas nas babas do quiabo e inhame e ainda algumas hemiceluloses, disponíveis em grãos de cereais, farelo de trigo, soja e centeio. Esses alimentos formam um gel quando misturadas com água, influenciando o tempo de digestão no estômago e no intestino delgado, beneficiando os pacientes com desarranjo intestinal.

Quando temos casos de pacientes com distensão abdominal (constipação), partimos para o consumo das fibras insolúveis encontradas, principalmente, nos produtos hortícolas, cereais e seus derivados integrais, incluem a celulose, a maioria das hemiceluloses e lignina (fibras insolúveis, as quais têm como ação fundamental a aceleração da passagem do alimento pelo aparelho digestivo), contribuindo para o aumento do volume e fluidez das fezes e da mobilidade intestinal (atuando como laxantes naturais); são encontradas nos grãos (feijão, soja, lentilha), cereais integrais (arroz, centeio, trigo e farelos), vegetais e talos de vegetais (brócolis, couve-flor), verduras folhosas, cascas e bagaços de frutas.

Com essa visão, percebemos o quanto esses alimentos estão inseridos no contexto da alimentação fornecida pela Casa Durval Paiva, e como as dúvidas trazidas pelos pais e pacientes, quanto à alimentação que deverá ser fornecida em decorrência dessa alteração metabólica, são solucionadas com a simples introdução de alimentos funcionais.

É importante destacar dados da Organização Mundial da Saúde, a qual recomenda a ingestão de 25 gramas de fibras diariamente. Para aqueles que não costumam consumir fibras, o ideal é que o processo seja gradual para adaptação do organismo. De acordo com o aumento do consumo, beber água pode ajudar a equilibrar a absorção das fibras.

Portanto, o nutricionista tem um papel primordial no aconselhamento e acompanhamento de situações que conferem problemas no sistema digestório, já que essas situações conferem menor qualidade de vida aos indivíduos em tratamento oncológico e o objetivo primordial é sempre proporcionar meios para amenizar esse sofrimento.

 

*Nutricionista - Casa Durval Paiva

CRN-6:24206/P

Com o período chuvoso em Natal, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), tem fortalecido as ações de combate as arboviroses, em destaque para as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.  

Na capital potiguar, a Secretaria Municipal de Saúde utiliza dois programas de reconhecimento nacional que mapeia toda a cidade semanalmente, identificando os pontos de risco. O Vigiadengue, que já foi apresentado, inclusive, em feiras internacionais; e as Estações Disseminadoras de Larvicidas, técnica desenvolvida pela Fiocruz do Amazonas.  

Como exemplo do fortalecimento das ações por parte do CCZ, no último sábado (23), foi feita a coleta de sangue de um grupo de pessoas de uma determinada região do Tirol que têm apresentado sintomas clássicos das arboviroses que já circulam no município (dengue, zika e chikungunya).  

“Vamos ter a confirmação da enfermidade ainda esta semana. Mas, mesmo apenas com a suspeita, estamos fazendo um trabalho no local de mobilização da população, visitas de agentes nas residências, além de operações de UBV portátil e carro fumacê”, destacou Alessandre Medeiros, chefe do CCZ Natal.  

Em 2019, um total de 653 casos de arboviroses ocorreram na capital potiguar, uma redução de 14,2% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 761. 

A Prefeitura do Natal, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, está convocando 12 novos profissionais agentes administrativos de vagas remanescentes do Processo Seletivo Simplificado Nº 001/2015, para contratação temporária. A convocação atende a uma necessidade temporária de excepcional interesse público de não interromper a prestação dos serviços da Rede de Atenção à Saúde.

Os candidatos deverão comparecer ao Setor de Acolhimento da Secretaria Municipal de Saúde de Natal, localizada na Rua Fabrício Pedrosa, 915, Areia Preta, Natal, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, a contar os dias úteis, a partir da publicação do Diário Oficial do Município (DOM) desta sexta-feira,  15 de março de 2019, no horário das 8h às 14h.

Os interessados devem ficar atentos ao Diário Oficial do Município (DOM), no site da prefeitura, e na imprensa, porque em caso do não comparecimento, dentro do prazo de 72 horas dos dias úteis, os imediatamente próximos, classificados da lista serão chamados.

 

Documentos e exames necessários

a) Diploma ou de declaração de conclusão do Curso para o cargo pretendido; b) 02 (duas) fotografias 3 x 4 (iguais). Não serão aceitas fotografias reproduzidas por scanners ou qualquer meio eletrônico semelhante; c) Carteira do respectivo Conselho; d) Comprovante de regularidade junto ao Conselho Regional de sua categoria; e) Carteira de identidade; f) CPF; g) Título de Eleitor com declaração de quitação eleitoral; h) PIS; i) Carteira de Trabalho (CTPS); j) Certificado Militar (para candidatos do sexo masculino); k) Comprovante de Residência; I) Termo de Ciência, Concordância com o Edital e Declarações Negativas (Anexo I) e Declaração de Vínculo Empregatício (Anexo II).

 

Trazer os seguintes exames de saúde: hemograma completo, sumário de urina e VDRL, dosagens bioquímicas de glicose, triglicerídeos, colesterol total, HDL, LDL e RX de tórax, todos com validade de até 90 dias. A critério da avaliação da junta médica do Município do Natal, poderá ser solicitado exames complementares e avaliação de especialistas da área.

Mesmo com a chegada do período chuvoso, Natal tem conseguido diminuir o número de casos de arboviroses - doenças transmitidas por insetos e incluem Zika vírus e dengue - registrados em toda a capital, de acordo com dados divulgados pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ).  

No total, 653 casos de arboviroses ocorreram na capital potiguar em 2019, uma redução de 14,2% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 761. A maior queda foi de zika, que passou de 54 para 17. A dengue caiu de 65 para 39 e chikungunya passou de 642 para 597 este ano. 

Mesmo com os índices apresentando resultados melhores, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) reafirma a necessidade de a população continuar os cuidados para que os mosquito Aedes aegypti, transmissor dessas doenças, não se prolifere, principalmente com a continuidade do período chuvoso na capital potiguar.  

   

Confira algumas dicas:  

- Mantenha a caixa d’água fechada  

- Mantenha tampados tonéis e barris d’água   

- Lave com semanalmente com escova e sabão os tanques utilizados para armazenar água  

- Encha de areia até a borda os vasos das plantas  

- Coloque no lixo todo objetivo que não será mais utilizado e que possa acumular água (latas, garrafas.. 

- Coloque o lixo em sacos plásticos e mantenha a lixeira bem fechada  

- Mantenha as calhas das casas limpas  

- Não deixe água acumulada sobre a laje 

Na próxima sexta-feira, 15, estudantes do curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) lançam o Website/Aplicativo de Pediatria denominado PedAjuda. O lançamento acontece às 19h na Associação Médica do Rio Grande do Norte. Na mesma ocasião, também será promovido o lançamento do livro Manual de Urgências e Emergências em Pediatria, da Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN (LAPED).
 
PedAjuda é uma ferramenta digital que oferece suporte na prática clínica pediátrica. Ela será disponibilizada para toda a comunidade acadêmica e profissionais médicos e, tem o objetivo, de auxiliar na prescrição dos principais medicamentos utilizados em Pediatria. Além disso, traz no seu conteúdo tópicos importantes da Puericultura e, também, algumas das principais condutas em urgências e emergências em pediatria (asma, diarréia, cetoacidose diabética).
 
O aplicativo é um projeto vinculado à disciplina Internato em Pediatria I, sendo desenvolvido pelos estudantes Jailson Regis, Jaime Diógenes, Lucas de Medeiros, Mateus Silva e Yan Junqueira, sob a orientação do professor Leonardo Moura Ferreira de Souza.
 
Durante o evento, também será publicado Manual de Urgências e Emergências em Pediatria, da Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN. Na ocasião, o professor Kleber Giovanni Luz ministrará a palestra Sarampo: desvendando essa ameaça.

Por Lady Kelly Farias da Silva*

 

 

O câncer é o nome dado a um conjunto de mais de cem doenças que tem como manifestação o crescimento desordenado de células, que invadem tecidos e órgãos e que pode chegar até a se propagar para outros locais do corpo. Os tratamentos incluem cirurgia, quimioterapia, radioterapia, transplante de medula óssea e em alguns casos, há necessidade de associar mais de uma modalidade de tratamento.

De acordo com essa realidade, percebe-se que muitas pessoas vivenciam o câncer sem perspectiva de cura, neste caso, passam a necessitar de cuidados que não seja necessariamente a cura, mas sim a busca por redução de conflitos emocionais, melhora na adequação da rotina, de acordo com sua especificidade, acolhimento e atenção que se estende à família, a fim de proporcionar o mínimo de qualidade durante a vida que também envolve a morte sem grandes sofrimentos.

Nesse contexto, existem os cuidados paliativos que tem como princípio o alívio da dor e de sintomas estressores, que considera os aspectos psicossociais e espirituais ao cuidado, trata-se de uma assistência que auxilia o paciente a viver de forma ativa como um suporte durante todo o processo da doença.

Considera-se que pacientes que se encontram vivenciando um processo de finitude frente a uma doença e que não possui possibilidades terapêuticas de cura podem vir a perder o sentido de viver e de realização. Nesse caso, diminuem consideravelmente a participação em ocupações. Um dos objetivos do profissional de terapia ocupacional em cuidados paliativos é o de favorecer a permanência de forma significativa diante das ocupações dos pacientes, adaptando a execução dos fazeres às suas dificuldades.

A ocupação está relacionada a atividade diária, com seus valores e significados e, quando se fala em cuidados paliativos, é necessário que o profissional tenha sensibilidade e vise o paciente como ser único, considere sua subjetividade e singularidade. Na Casa Durval Paiva, é possível vivenciar algumas destas experiências e, geralmente, com a abordagem terapêutica ocupacional centrada no cliente, que é onde o paciente participa ativamente durante a negociação de objetivos, considerando como prioritárias suas necessidades e metas.

Como na instituição o público é composto por crianças e adolescestes, o lúdico, as atividades expressivas e criativas são as que mais desejam executar durante a fase de cuidados paliativos. Durante essa fase, muitos fatores estão envolvidos como a dor, por exemplo, que está relacionada ao físico, ao emocional, a perda da autonomia, momentos de ansiedade, dependência, isolamento social, dentre outros.

Nesse caso, o terapeuta considera que o cuidar deve ter prioridade sobre a cura e que a partir da perspectiva ocupacional, o sentimento de bem estar precisa estar relacionado com as atividades que proporcionem satisfação, plenitude, propósito e sentido de vida. Mesmo para os pacientes em processo de finitude, o objetivo terapêutico é o de proporcionar vida ativa, quando possível, até sua partida, visto que o ser humano vive em uma incessante busca de novos fazeres.

Na prática clínica, o terapeuta ocupacional deve possuir sensibilidade e respeito com relação a todos os sentimentos e objetivos de vida do paciente, cuidando e acolhendo na sua integralidade, enfatizando as ocupações significativas, em busca do cuidado paliativo de qualidade.

 

*Terapeuta Ocupacional da Casa Durval Paiva

Crefito 14295-TO



Twitter