NATAL PRESS

Home Colunistas Minervino Wanderley
Minervino Wanderley
AddThis Social Bookmark Button


"Ich liebe dich, frau Martha Salem!". Por Minervino Wanderley

E-mail Imprimir PDF

Essa vida de meu Deus nos reserva cada surpresa! Vejam só: quis a vontade Dele que mamãe partisse ao seu encontro exatamente na véspera de completar 100 anos. Nasceu em 29 de agosto e partiu 28 de agosto. Por que não aos 100? Fiquei encucado com isso até que uma bem humorada amiga, chamada Aldair, disse que o calendário do Céu estava programado só com dois dígitos nesse dia e, por isso, Dona Martha subiu com 99 anos. Gostei disso.

Faz sete anos que não encontro mais a grande amiga, conselheira, um verdadeiro infindável poço de inteligência e, acima de tudo, a grande reserva de bondade e solidariedade que já vi por estas plagas. Ela era isso e um pouquinho mais. E que artista, hein? Que o digam suas alunas de pintura. Era poliglota e tinha o alemão como seu xodó. Ensinava alemão aos brasileiros e português aos alemães sem cobrar nada. Era sua contribuição para um mundo melhor, dizia. Para ela, a inteligência era o maior bem que uma pessoa possuía. Já o dinheiro não tinha valor e, com sabedoria, costumava dizer “Neste mundo nada regula”. Ou seja, nada segue uma regra preestabelecida.

Faz sete anos que não exista um só dia em que não pense nela! Que falta ela me faz. Sei que o ciclo da vida tem essa rotina e que mamãe, como aliada Dele, ultrapassou a média de vida dos demais. É um consolo, nada mais. Resta-me a certeza de afirmar que ela continua entre nós. A sua presença pode se sentida onde quer que haja uma manifestação cultural ou onde aconteça uma grande reunião de família. Ou, ainda, em qualquer roda de grandes amigos. Seu espírito conciliador sempre estará por perto exalando a paz tão desejada.

Faz sete anos. O tempo passa, mas é como se fosse ontem. As lembranças ainda vivas me transportam para lugares do passado. Sei que devemos olhar em frente, procurar novos horizontes e construir a cada dia o nosso futuro. Tudo isso eu sei. Sei, também, que jamais poderia encarar esse presente e esperar o futuro se não tivesse um passado vivido ao lado de minha mãe. Devo a ela a aceitação das adversidades como obstáculos da nossa caminhada sem, contanto, sucumbir ante elas. Só não aprendi alemão. Pensar que ela insistia – e muito – para que eu aprendesse e eu não me dediquei como deveria me corrói de arrependimento. Tinha dias que ela só falava comigo em alemão. “Não faça isso, menino!” “Vá estudar!” e por aí vai. Guardei muitas frases comigo, principalmente essa que está acima desse texto: “Eu amo você!”. Tem nada não. Vamos em frente.

Bem. Um dia, de acordo com a vontade Dele, estaremos juntos outra vez. E dessa vez não vou deixar escapar nenhum dos seus ensinamentos. Faremos grandes salas de pintura e estudo de línguas. Casa sempre cheia. Ela, à cabeceira, dará as coordenadas. Será uma mistura do Louvre com uma Babel organizada.

Papai assistirá a tudo sentado na sua cadeira de balanço e um jornal à mão. Emilinho, sempre de branco, continuará a visitá-la para um cafezinho e contar suas histórias engraçadas e falar de Ione e dos meninos; Maninha inventará um novo prato a cada dia e parece que dessa vez o casamento vai sair; Bebete me chamará para discutir teses sociais que ela desenvolveu e resolveremos os problemas do mundo. Vai ser bacana!

Calma. Tudo no tempo Dele! Apesar da saudade, não tenho a menor pressa de reencontrá-los. Ainda tem muita coisa boa pela frente. Igual a uma frase que ouvi sobre esse papo de idade: O melhor ainda está por vir! Se Deus quiser.

Auf wiedersehen, mein mutter!

AddThis Social Bookmark Button
 

"Brasil: um paciente terminal?". Por Minervino Wanderley*

E-mail Imprimir PDF


A Lava Jato agiu com o Brasil tal qual um cirurgião à frente de um paciente agonizante, prostrado na mesa, apresentando graves sinais de uma terrível doença.
Vejamos:
Ao fazer a incisão e abrir o corpo, o cirurgião depara-se com um quadro, no mínimo, aterrorizante. Há um tumor. Enorme, maligno e devastador e que, tudo indica, teve seu nascedouro na parte central do corpo. Pior: a julgar pelas metástases, é provável que o mal tenha se estendido às mais distantes extremidades. Ele, então, olha por sobre os óculos para seus auxiliares e transmite toda sua preocupação. Os demais também têm a mesma sensação.
Normalmente, diante da situação, fechar o corpo e deixar morrer com o auxílio de anestésicos seria o caminho mais prático para evitar dores lancinantes no tão novo e tão mal cuidado paciente. Mas, como bom médico, partiu em busca de soluções. Extirpar o tumor de uma vez, neste momento, levaria o paciente a óbito, ele sabe disso. Começa, então, a tentar evitar o crescimento do já megatumor.

Na sua avaliação, é preciso afastar uma célula que, embora não seja responsável pelo surgimento do mal, deu-lhe alimentação para que ele chegasse a tal proporção. Trata-se de uma dilmaesceupt. Trabalho foi bem sucedido. Mas, essa era uma célula-mãe do corpo e, como tal, precisava de reposição. Substituição bem sucedida. Implantaram-lhe uma temerospmdb. Agora, é necessário eliminar as células malignas menores e substituir por outras sadias. É uma árdua missão. Os esforços até agora não deixam ver boas perspectivas. Algumas já foram substituídas, mas as que vieram estavam também doentes. Situação preocupante.

Para piorar o quadro, a nova célula-mãe – temerospmdb - perdeu o controle e ordenou uma transferência de sangue para outras partes do corpo que não precisavam disso. É assim mesmo. Às vezes a célula-mãe tem uma espécie de receio de perder o comando do corpo e libera esses “mimos” para partes da engrenagem que lhe dão sustentação. Foi uma ação perigosa, pois o sangue vem sendo tirado há muito tempo e é preciso recompor e não fazer doações.

O paciente agoniza. Seus milhões de filhos, principalmente os saudáveis, fazem preces e pedem para Deus ajudá-lo a sair dessa situação moribunda. É difícil, já que dentro dos seus dois mais importantes órgãos, células completamente cheias de mazelas se unem para, num gesto desesperado, salvarem-se uns aos outros, nem que para isso o pior aconteça. Segundo um boletim, parece que uma das mais importantes já se foi, a edcunha171. Resta outra, fortíssima, a calheirospropinus. O quadro é de septicemia. Cogita-se que seja necessária a busca por uma nova célula-mãe saudável para salvar o quase-morto. Ouvi numa fila de banco que uma tal de generalis estava sendo procurada. Se não me engano, essa já esteve por aqui. Hummm.

Não sei como vai ficar, mas, por precaução, estou procurando meu passaporte. Sei lá, pode ser que precise dele para não ser contaminado. Igual a uma vacina.
Ora, em terra de Zika, quem tem gripe é sortudo. Fui!

*Jornalista

AddThis Social Bookmark Button
 

"A culpa é dos outros(?)". Por Minervino Wanderley

E-mail Imprimir PDF

Esse foi um lema que adotei durante grande parte da vida. A qualquer insucesso, qualquer tropeço, mais que depressa, atribuía a culpa a alguém. Não importava o que fosse, sempre era mais cômodo tirar a minha da seringa.

Se acontecesse no trabalho, a culpa era do chefe que “Não sabe de nada. Só sabe cobrar!” Partisse para o campo sentimental, usava o chavão: “Aquela mulher era chata demais! Uma incompreensiva!” No esporte, diante de qualquer fracasso, disparava: “O treinador não entende de porra nenhuma!”. Nos estudos, olhando um boletim que mais parecia um guarda-roupa de torcedor do América, dizia: “Meus Deus, até onde vai parar esse baixo nível de ensino?”, esbravejava. Assim era eu. Nem minha família escapou. Também pus culpa: “São uns ultrapassados. Não acompanham minha evolução”, me gabava. E por aí, ia.

Até que um dia, num raro momento de inteligência, pensei: “Porra, bicho, será há uma conspiração mundial contra você? Ou será que essa terrível culpa está em você?” Difícil de aceitar, mas havia uma brecha.

Pensando nisso, mas, ainda com certa relutância, resolvi mudar a estratégia. Procurei olhar para dentro de mim (sem ser endoscopista) e vi que talvez o caminho a seguir fosse outro. Assumir os erros, por que não? Conviver com as limitações? Posso. Admitir não ser o melhor numa porrada de coisas? Claro! Nem bonito, nem feio. Nem gênio, nem burro. Um cara normal, simplesmente.

Essa mudança de comportamento trouxe-me uma visão mais clara do mundo. Principalmente a de que eu não era o único a carregar esse transtorno. Percebi que muitas pessoas faziam uso dessa fuga. Uns, assim como eu, por pura ignorância. Outros, por esperteza. Esses, infelizmente, são aqueles que passam pela vida sem vivê-la, já que o erro nos transforma ou nos mantém como pessoas perfeitamente normais.

Cansamos de ver pessoas dizerem: “Porra, se não fosse Beltrano eu não estaria nessa situação”. Ou: “Se dependesse de mim a coisa seria outra, mas Siclano esculhambou tudo”. E por aí vai.

Melhor seria, para todos nós, que seguíssemos os ensinamentos de Jesus que nos mostrou a nunca omitir nossos erros nem muito menos negar nossos defeitos. Acreditem: são exatamente essas coisas que nos tornam mais humanos, mais pacientes, mais solidários e nos coloca, cada vez mais, perto Dele!

Jornalista

AddThis Social Bookmark Button
 

"Doce Veneno". Por Minervino Wanderley

E-mail Imprimir PDF

Ah! Como seria bom a morte!

Não, não falo dessa morte causada por um infarto, AVC, ou coisa que o valha.

Quero morrer do veneno que você, meu amor, destila através dos olhos e de seus beijos.

E, e assim acontecer, pedirei a Ele que me traga de volta

Somente para morrer desse veneno outra vez!

AddThis Social Bookmark Button
 

"Tolerância Zero!". Artigo de Minervino Wanderley*

E-mail Imprimir PDF
É inconteste o fato de que a violência cresce a passos largos no Brasil e no mundo. É cristalino, também, que nós, neste antes tranquilo pedaço de província, passamos por uma situação de criminalidade que já chegou ao descontrole. Casos de verdadeira barbárie tornaram-se rotina, desenhando os contornos de um quadro verdadeiramente aterrador, além de doloroso e revoltante para aqueles que perderam parentes ou amigos pelas mãos insensíveis e cruéis dos assassinos. Para os que sofrem, só em Deus encontram um bálsamo de conforto para amenizar a dor que lhes rasga a alma. Fora isto, resta – até agora - a vã esperança da ação da Justiça na captura e punição dos culpados. Seria, pelo menos, um consolo.
Creio que a falta de uma segurança ostensiva, estudada, em muito tem contribuído para o aumento dessa situação. A realidade é que a violência, devagar e sem alarde, se instalou entre nós. Hoje, assaltos, arrastões, assassinatos, tráfico, tudo está banalizado. Passaram a fazer parte do nosso cotidiano. Chegamos até a achar bom quando uma pessoa é assaltada e o marginal surrupia “apenas” seus pertences. Não. Isto não é bom. Isto é péssimo! É sinal de que a indignação está dando lugar ao “deixa pra lá”. Quase que dizendo: “Não foi comigo, tá bom demais”.
É, amigos, estamos praticamente entregues aos marginais. Não temos gabinetes a nos proteger, nem moramos em locais cercados por atentos vigilantes. Se nada for feito, viraremos presos nas nossas casas. Temo muito que a situação chegue ao ponto em que a população comece a pensar que a solução deverá ser a justiça com as próprias mãos. Dr. Henrique Baltazar defende o porte de arma. Não sei se é a solução. Porque, se assim for, as ruas virarão campos de batalha. Cada um por si! Triste, isso.
O governador mexeu nas cabeças da Segurança. Agiu e isto é bom. Mas, no atual momento, é pouco. Não creio que nossas polícias consigam dar um basta nisso. Talvez fosse o momento de colocar-se verdadeiramente na batalha e pedir ajuda às forças armadas. Exército, Marinha e Aeronáutica, Polícia Milita e Civil. Todas juntas nessa guerra que, não se pode esconder, foi deflagrada.
Enxergo no Governo Federal uma grande dosagem de responsabilidade. Essa história de distribuir bolsa disso, bolsa daquilo, auxílio daqui, ajuda dacolá, nunca trouxe nada de bom para o país. Podem prestar atenção que esse “tsunami” de violência vem se formando há uns cinco, seis anos. Ora, quem quer trabalhar se tem quem lhe dê uma “mesada”? Fica a frase que todos nós ouvimos desde crianças: “Cabeça vazia é oficina do Diabo”.
E pior: se já não bastavam os adultos pintando e bordando, surge a verdadeira “integração” dos menores de idade à rede criminosa. Está evidente que a falta de uma legislação que trate bandidos - tenham eles a idade que tiverem – como bandidos, motiva o crime e os “menores” agem com toda crueldade sempre protegidos pelo falso escudo da maioridade.
Diante desse quadro, repito: defendo a adoção de uma medida radical! Tipo assim: TOLERÂNCIA ZERO! Como? Matou? Joga numa prisão de vergonha e deixa ele quebrando pedras e apodrecer. É o que merecem. Assim, talvez um dia, possamos dizer, outra vez, ao tomarmos conhecimento de casos de violência: “Ainda bem que não é por aqui”.
*Jornalista (morrendo de medo de sair de casa).
AddThis Social Bookmark Button
 

'Cuidado com papai!'. Artigo de Minervino Wanderley

E-mail Imprimir PDF

Saudade desse aviso. É verdade. Isso lembra os primeiros namoros, primeiros beijos e primeiras aventuras na busca pelo então desconhecido e tão imaginado. Ave Maria, como era bom! Pois bem, vou tentar contar mais ou menos como era. Antes, porém, um aviso: QUALQUER SEMELHANÇA COM FATOS ACONTECIDOS É MERA COINCIDÊNCIA!

Quando começava o namoro de adolescência, o cara tinha uns 14, 15 anos e menina era sempre um pouco mais moça. Diziam que elas amadureciam mais rápido. Deve ser. Toda fruta boa é assim. Se bem que tem umas que o cidadão come quando ainda estão “inchadas” ou “de vez”. Deixa pra lá. Continuando, por volta das sete, sete e meia da noite, cigarro no bico pra impressionar a girl, o playboy chegava na casa da menina. Nervoso, mas sem querer demonstrar, é claro. Afinal, macho é macho! (Eita!) De longe, já na calçada, ela já estava lá a esperar. Bem bonitinha, vestido novo, cheirosa, coisa de deixar o cara doido.

Como o papo era minguado, o negócio era partir para o ataque. Pegava na mãozinha gelada dela com mais força e puxava para um beijo. Os dois corações pareciam a bateria da Mocidade. Só que descompassados de amor, como cantou Elis Regina num bolero de lascar o cano. Olhos fechados e pegue beijo. Cada um querendo mostrar mais “experiência”. Adquirida por ele nas revistas de sacanagem. Por ela, na Querida mais nova. Coisa linda! Com um detalhe: essa fase só de beijos às vezes demorava bem pouquinho. Não que eles enjoassem, é que tinha mais coisa pela frente.

E aí, meus caros, começava a verdadeira Guerra dos Sexos. Ou das mãos. Nessa fase, o banquinho já tinha ficado pra trás. O negócio era em pé. Tinha que ser. Um beijo molhado e lá vai mão em busca de um peito, de uma perna, etc. E lá vem mão tirando a atrevida. Tentava de um jeito, nada. De outro, nada. Então o cara, muito do sem-vergonha, olhava nos olhinhos dela e soltava: “Você não me ama? Se me amasse como eu lhe amo, deixava pelo menos eu dar uma pegadinha” (O safado já tinha mais coisa em mente). Ela, aflita, dizia: “Você sabe que lhe amo. Você é tudo que importa nessa vida. Mas papai disse para eu ter muito cuidado com essas coisas”.

Era nesse momento que o tarado começava a odiar o “sogro”. “Esse velho deve ter feito muita sacanagem na vida pra ter esse cuidado todo”, pensava ele indignado. Mas, com tempo e persistência, ela cedia. A carne era, e é, fraca. O cara apaixonado pela menina se refestelava todo. Pegava aqui, pegava acolá, ela se defendia aqui, aliviava acolá e negócio pegava fogo. E aí, amigos, chegava um dos melhores e saborosos momentos do romance. O cara, completamente “pronto”, encostava nela. Ficavam coladinhos dos pés à cabeça. E ia prum lado, ia pro outro e os olhos revirando, quando, de repente, vem a porra do aviso: “Cuidado com papai!”. Acabava tudo. O “circo” se desarmava ela se recompunha.

E essa novela se prolongava até que ela não resistia mais e – pensava ele – se entregava. De corpo e alma. No caso aí era bem mais corpo do que alma. E a coisa ia. Às vezes prosperava e havia noivado e casamento. Às vezes, ficava pelo meio do caminho. Só restavam as lembranças que cada um carregava. Essa parte está muito bem resumida em “Detalhes”, música que até hoje arrepia muita gente. Vige!

Hoje, aquele adolescente já virou cinquentão ou sessentão e algumas coisas continuam no mesmo formato. Se estiver solteiro, que fique claro! O mesmo ritual só que mais light. Assim, nas noites dos primeiros encontros na casa da dama, algumas coisas lembram os antigos romances. Porém, um determinado aviso mudou e é duro de ouvir, penso eu: “Cuidado com meu filho!”.

AddThis Social Bookmark Button
 

‘Agora é tarde, Gisela é morta!’. Artigo de Minervino Wanderley*

E-mail Imprimir PDF

A bala disparada contra Gisela, de forma cruel, covarde, desumana, ceifou a sua vida. Tirou do nosso convívio uma criatura doce, semblante de paz, exalando bondade. Mas, amigos, essa bala também nos atingiu. Não conheço uma pessoa que tenha visto a cena que não ficou emocionada. Há, em todos, um sentimento de revolta e de lamento dentro do peito. Imagino, meu Deus, como estão as pessoas da família de Gisela. Filho ou filhos à procura da mãe que nunca mais virá. O marido olhando pelos lados à espera de que, a qualquer momento, ela apareça. Todos ainda incrédulos com o fato. A irmã, Andréa, é um poço de tristeza. Seus amigos ainda devem estar procurando explicações para o inexplicável.

Tenho a nítida sensação é de que essas balas estão cada vez mais próximas de nós. Deixaram de ser histórias que ouvíamos contar e se transformaram no nosso cotidiano. Basta ver os programas do gênero. Pergunto: será que a bala que matou Gisela pegou apenas de raspão nas autoridades? Por quanto tempo vamos resistir até sermos obrigados a ficar trancafiados em nossas casas enquanto os bandidos passeiam impunemente pelas ruas? Ir a um restaurante, um bar, ou dar uma caminhada virou uma corrida entre a saída e a volta para casa. Quando se chega em casa, uma sensação de alívio invade a alma.

O que é isso, amigos? Perdemos a briga para os marginais? Quantas “Giselas” serão necessárias para que se adote uma postura eficaz contra a bandidagem? O que diz o comandante da Polícia? “Vamos capturar esses bandidos.”? Tem que pegar antes do crime, comandante. Não me pergunte como, pois não sou policial nem aceitei ser o famoso “Chefe de Polícia”. Não digo que é fácil, de forma alguma. Mas, isso só chegou a esse ponto em razão da ineficiência do poder público.

Ninguém quer mais festejos, fogos, pontes, estradas. Queremos festejar o fim dessa verdadeira barbárie. Queremos soltar fogos a cada criminoso preso e condenado. Queremos atravessar a ponte que nos conduz à paz. Queremos, isso sim, poder andar pelas estradas alegres e fagueiros em busca da nossa Cidadania. Essa mesma Cidadania que, aos poucos, vão retirando de nós. Governador, isso virou guerra! E, numa guerra, só há vencidos e vencedores.
Por enquanto, estamos perdendo feio. Vamos reagir, embora agora seja tarde, já que Gisela é morta.

*Jornalista e amigo de Andréa Mousinho.

AddThis Social Bookmark Button
 

'O meu (re) nascimento'. Por Minervino Wanderley*

E-mail Imprimir PDF


Quando nasci, meu pai, ansioso, perguntou ao médico:
- É macho?
O doutor, coitado, não pôde responder na hora. Primeiro ele queria saber o que era aquilo. Depois de muito analisar, disse:
- Acredito que sim, ‘seu’ Emílio.
E assim foi o meu, digamos, nascimento.

Quando as visitas chegavam, minha mãe pegava aquele troço magro, seco, parecendo uma lambisgóia e perguntava às amigas:
- Ele não é uma gracinha?
As senhoras, muito educadas, olhavam-se e, com o mesmo pensamento (que bicho feio danado!), concordavam. Afinal, elas se queriam muito bem, embora ao saírem da Maternidade Januário Cicco conversassem entre si:
- Até agora eu não sei quando o menino tá de costas ou de frente! - Dizia uma.
- De que será que ele se alimenta? - Perguntava outra. E tome gargalhadas.

O tempo passou e a coisa nada de melhorar. Começava pelo nome: Minervino. Isso não é um nome, isso é marca de remédio ou de sabão em pó, me disseram uma vez. E eu calado. Também, o que é que eu ia dizer? Eu mesmo me olhava no espelho e pensava:
- Valha-me Deus, tô lascado. Qual vai ser a mulher que vai querer um xamego com cara feio desses? Só me restava fazer promessas. E não era para um santo só, não. Era para TODOS OS SANTOS.

Mas, como toda promessa que se faz com fé se alcança, um dia, já tinha uns 15, 16 anos, quando aconteceu o fenômeno Ojuara, aquele herói que nos foi apresentado por Nei Leandro. Eu tava na fila do cinema Rex, quando um engraçadinho disse:
- Ei, galera, tem um ET aqui fora. - E isso na frente das meninas, que deram aquele risinho de canto de boca. Foi a última coisa que o engraçadinho falou na sua vida, tamanha foi a porrada que lhe dei pegando boca, queixo e nariz. A última notícia que tive dele, foi que ele estava procurando emprego num circo.

Pois bem, desse dia em diante, os meninos passaram a me respeitar, transei com as filhas das amigas de mamãe que riram de mim, e ainda fui chamado para trabalhar numa peça no Colégio Marista. Tá legal, não era uma grande peça, mas já era um progresso descomunal.
Comecei, também, a explorar alguns dotes que vieram com a força das promessas. E que dotes! Basta dizer que quando fui fazer uma determinada cirurgia, a pele que sobrou serviu pra duas empanadas de circo, deu pra fazer 12 surdos, 16 pandeiros e 30 tamborins pra a Malandros do Samba, sem contar com dois tamancos, um pra Diva Cunha e outro pra Valéria Queiroz.

E hoje, minha vida é essa que vocês conhecem: um sucesso! Participo do Jet da terrinha, dinheiro não falta, vivo nas colunas e blogs sociais, e são incontáveis os convites para peças publicitárias. Mulheres à vontade e tudo o mais.

Epa!!! O despertador tocou. Vou voltar à minha vidinha de sempre. Feliz por estar vivo e com saúde. É isso o que vale. O resto, o vento ou a vida se encarrega de levar.

*Jornalista

AddThis Social Bookmark Button
 

'Saudade, por que não me deixas?' Por Minervino Wanderley

E-mail Imprimir PDF


Saudade, por que não me deixas?

Saudade, por que resolvestes ancorar no meu peito?
Chegastes abarrotada de lembranças amargas e reabristes os armazéns da memória.
Eles que estavam fechados há tempo à espera de cargas de amor. Por menor que elas fossem.
Vá embora!
Por que não procuras outro porto?
Há tantos por aí. Talvez até uns que nunca te abriram as portas.
Será que viestes guiada pela luz amarela da recordação?
Maldito farol!

AddThis Social Bookmark Button
 

"Será que sou 'careta'?" . Artigo de Minervino Wanderley

E-mail Imprimir PDF

Esse pensamento surgiu depois que soube que uma menina de quinze anos colocou silicone nos seios para “dar uma turbinada” e não aprovei a atitude. Puxa! Não é cedo para isso? O corpo dela não está ainda em transformação? É culpa da televisão que mostra a atividade sexual cada vez mais precoce? Ou será culpa da mãe, que concordou com isso? Estou falando concordar, porque pode ser até que a mãe incentive. É verdade. Tem mães que são assim. Querem que as filhas sejam o que elas não conseguiram ser.

Sei lá! Não me considero um cara preso às regras do passado. De forma alguma. Do passado, só guardo as boas lembranças para, vez por outra, dar uma viajada no tempo. Guardo também algumas más lembranças. Essas, somente para que eu me lembre e não cometa os mesmo erros. Só. Com relação às mudanças do nosso cotidiano, adaptei-me perfeitamente. Vivo em paz com isso. O que me deixa encucado – palavrinha antiga, né? – é ver que a infância e adolescência estão cada vez mais se unindo. Do jeito que vai a criança sai da infância direto para as boates e shows da vida. Não tem mais bonecas, nem peladas, nem sonhos de ser uma princesa, nem de ser o galã da rua. Nada.

Porra! Como é bom passar por aquelas fases. Ser criança e não ligar pra porra nenhuma. Ser adolescente e se ligar “naquelas coisas”. Ir para a faculdade e sentir a vida de adulto acenando. Bom demais! Namoros escondidos, beijos roubados - nem sempre -, cinemas, praia, a família em casa, era tudo muito bom. Dei uma volta ao passado danada, não é verdade? Eu sei. Mas é para registrar o quanto é bom lembrar-se disso.

Nos dias de hoje, vejo meninas de quatorze, quinze anos, com corpos cada vez maiores que tentam ficar escondidos por roupas cada vez menores. Vejo, também, meninas que mal chegaram à adolescência já com um bebê no colo. O pai, uma criança também. Esse filho vai ser criado pela avó, é claro. Pois quando se casam, o tempo de casado é menor que o tempo que passaram fazendo a encomenda. Ora, a menina vai querer sair para as baladas e o pai vai por aí em busca de novas mães. Ou mães novas.

Tive um treinador - quando ainda jogávamos futebol de salão – chamado Bel, que dizia quando um zagueiro se metia a sair driblando: “Não adianta forçar a natureza!”. O que Bel queria dizer era que tudo tem seu tempo, sua hora, e seu lugar. Não podemos atropelar a vida. Por mais que se tente, mais na frente vem a resposta. Às vezes muito dura. Portanto, vamos viver de acordo com nossos instintos e criar nossos filhos nessa linha de pensamento. Caso contrário, vamos criar netos.

AddThis Social Bookmark Button
 


Página 1 de 4

Banners

Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Twitter