NATAL PRESS

Marketing de causa: quem ganha?



Por Francisco Neves e Thiago Fernandes *

Muito se ouve falar sobre empresas que fazem Marketing Relacionado à Causa, mais conhecido como Marketing de Causa, mas ainda existem dúvidas sobre qual é o real beneficiário: a companhia que abraça um desafio ou se as pessoas que recebem os resultados desses esforços.

Vale lembrar que a ferramenta é uma forma de alinhar as estratégias de marketing de uma empresa às necessidades da sociedade, e esse alinhamento vai muito além do marketing. Deve envolver toda a organização. Então, respondendo à pergunta inicial, ambos se beneficiam: quem dá e quem recebe.

O que diferencia uma intenção boa ou ruim é se o objetivo é, de fato, legítimo, consistente e sustentável. Estruturar uma ação social visando somente benefícios reputacionais ou lucros, sem que a mesma esteja alinhada à missão da companhia, não vale. E o consumidor percebe isso.

Pesquisa do instituto Ipsos apresentado durante o 2º Fórum de Marketing Relacionado à Causa mostra que cresce o número de brasileiros preocupados com ações relacionadas às causas. Dos 1.200 entrevistados, 78% esperam que as marcas contribuam positivamente para a sociedade, algo que vai além de fornecer bons serviços e produtos.

Um dos exemplos mais longevos de Marketing de Causa é o McDia Feliz. Neste ano, a campanha completa 31 anos e, sem dúvida, ajudou a mudar o panorama do câncer infantojuvenil, através do Instituto Ronald McDonald. A entidade viabilizou a capacitação de profissionais de saúde para o diagnóstico precoce e a criação de ambientes que proporcionam bem-estar às crianças e jovens em tratamento, além de seus familiares. Há três décadas, o índice de cura era de 15% e atualmente pode chegar a 80%. Os cerca de R$ 300 milhões arrecadados ao longo desses anos financiaram milhares de projetos e salvaram muitas vidas.

Um dos grandes fomentadores do marketing de causa, o Instituto Ayrton Senna entrou no McDia Feliz no ano passado e incluiu na campanha um dos maiores desafios do Brasil: a educação. Por meio de doações, recursos de licenciamento e parcerias com a iniciativa privada, o IAS está em aproximadamente 600 municípios, com iniciativas voltadas para os ensinos Fundamental e Médio e que beneficiam mais de 1,5 milhão de alunos todos os anos.

Esse é apenas um dos muitos exemplos de que, quando o Marketing de Causa é feito com seriedade e consistência, toda a sociedade se beneficia.

(*) Francisco Neves é superintendente do Instituto Ronald McDonald e Thiago Fernandes é diretor de Negócios do Instituto Ayrton Senna 

Operação comercializará semijoias, bijuterias e acessórios

 

 Partage Norte Shopping Natal inaugura, na próxima quinta, 22 de agosto, o quiosque My Acessórios. A operação trabalha com peças de todos os estilos, aliando qualidade e bons preços. A marca oferecerá bijuterias, semijoias, peças folheadas e em prata 925.

A marca também tem como diferencial a qualidade no atendimento. No dia da inauguração, todos os clientes receberão um desconto de 10% (em qualquer compra e forma de pagamento) ao apresentar o panfleto que será distribuído na entrada do empreendimento.

“As clientes da My Acessórios sempre pediram muito uma loja na Zona Norte de Natal, então não poderíamos escolher outro lugar, pois o Partage Norte Shopping, além de ter um grande fluxo, está em crescimento constante. Nossa expectativa é atender da melhor forma o grande público da região, de forma segura e confortável e, futuramente, transformar nosso quiosque na loja de maior fluxo da marca”, conta Ilane Cibelle, proprietária da operação.

 

Serviço:

Inauguração da My Acessórios no Partage Norte Shopping

Data: 22 de agosto

Endereço: Av. Doutor João Medeiros Filho, 2395 – Potengi;

Telefone: (84) 3674.8200 | 98189.8899 (WhatsApp);

Redes Sociais: @partagenatal

Site: www.partagenatal.com.br

Uma nova versão do sistema para obtenção do Alvará de Funcionamento de empresas está sendo disponibilizada a partir desta segunda-feira (19/08), no Portal Directa Natal. A ferramenta vem para facilitar a obtenção do documento junto à Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb). Agora, os alvarás serão emitidos de forma imediata, caso a atividade se enquadre na modalidade de baixo risco e atenda os critérios estabelecidos na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, sancionada em julho pela Prefeitura do Natal, com o objetivo de criar um ambiente de negócios favorável para a atração de investimentos e geração de emprego e renda.

O sistema desenvolvido por técnicos da Secretaria Municipal de Tributação (Semut), conjuntamente com a Semurb, visa deixar esse ambiente ainda mais simples e prático. De acordo com o diretor de Licenciamento de Obras e Serviços da Semurb (DLOS), André Gomes, essa versão surge para atender a nova Lei, a Medida Provisória 881/2019 e a Resolução 51 do CGSIM, criadas para facilitar a vida do empreendedor. Ele explica que os alvarás provisórios serão simplificados e agilizados e não precisarão passar por uma análise. “Bastará o cidadão preencher os campos, efetuar o pagamento, o sistema vai analisar os dados e vai emitir os documentos de forma automática”, explica. .

Além disso, as empresas que são consideradas de baixo risco vão poder retirar uma Declaração que está isenta de todo tipo de licenciamento. Segundo Gomes, esse documento não é obrigatório. Ele foi criado para certificar que ela se enquadra nessa modalidade. “Em algum momento, o empreendedor vai precisar apresentar um alvará de funcionamento, uma licença ambiental. Como ele não tem, criamos a Declaração para ser um facilitador. O documento é opcional e gratuito, e poderá ser impresso, quando houver necessidade”, ressalta.

Outra mudança é nos Alvarás de funcionamento definitivo, onde não será mais exigido o Habite-se do imóvel como comprovação de atendimento a acessibilidade. Para atender à nova Lei, que indica a apresentação de um laudo técnico, com ART do profissional, atestando que o imóvel atende a norma de acessibilidade, tanto o layout quanto o mobiliário. O modelo desse documento também vai estar na página da Semurb e poderá ser baixado e preenchido. Já para quem tem o Habite-se mais recente, vai fazer só um complemento declarando que o mobiliário e o layout está de acordo com as normas de acessibilidade.

 

A LEI

A Lei Geral da Micro e Pequena Empresa foi desenvolvida para reduzir a informalidade e gerar novas oportunidades de negócios em um ambiente propício ao desenvolvimento e à empregabilidade. Ou seja, propiciar a modernização nas vistorias e fiscalizações, simplificar e uniformizar o registro e a legalização de empresas em vários aspectos pelos órgãos envolvidos na abertura, alteração e fechamento. E, para compatibilizar e integrar procedimentos em conjunto com outros órgãos, garantindo-se a linearidade dos processos e evitando a duplicidade de exigências, por exemplo.

 
Foto: Cícero Oliveira

A UFRN apresentou nesta quinta-feira, 16, proposta à Agência Nacional do Petróleo (ANP) para se tornar a fiel depositária das amostras de rochas retiradas das perfurações de poços de petróleo no Rio Grande do Norte. A ideia apresentada ao Coordenador da Superintendência de Dados Técnicos da ANP, Fernando Gonçalves dos Santos, prevê a construção de uma litoteca para receber este acervo. O espaço deve ser construído em terreno da Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ/UFRN), localizada em Macaíba.

Há algum tempo, geólogos da região souberam que a Petrobras pretendia transferir cerca de 250 mil caixas de “testemunhos” para a Bahia, sendo aproximadamente 20 mil dessas caixas aqui do RN. Acontece que os pequenos cilindros de rocha utilizados como amostras da situação geológica dos campos de produção de petróleo representam material de enorme relevância para a geologia e produção de petróleo e gás.

Sabendo disso, o professor Francisco Pinheiro Lima Filho, do Departamento de Geologia e coordenador do Laboratório de Análises Estratigráficas, procurou o reitor José Daniel Diniz Melo para discutir o assunto. Prontamente, Daniel fez contato com a ANP pedindo alguém para discutir sobre esta questão, considerando a enorme estrutura que a UFRN possui neste campo de pesquisa.

Nesta quinta, a Pró-Reitoria de Pesquisa convidou pesquisadores para falar do tema em uma palestra que tratou também da “Atualização da Resolução de Rochas e Fluidos da ANP e Projetos Litotecas da União”, realizada no Núcleo de Processamento Primário e Reuso de Água Produzida e Resíduos (Nupprar). Fernando Gonçalves teve acesso à reivindicação da Universidade e se comprometeu em levar os argumentos à agência reguladora e à Petrobras.

Para ele, a UFRN, por ser um polo regional em desenvolvimento de pesquisa nas áreas de petróleo e gás é capacitada tecnicamente e uma parceira importante para sediar uma litoteca neste formato. “Já existe muita coisa em andamento, um projeto estruturado e ideias sedimentadas, além da união de vários grupos dentro da universidade com este foco e acho que a gente vai conseguir caminhar neste projeto”, destacou.

Foto: Cícero Oliveira

O professor Francisco Pinheiro disse ter ficado otimista com a reunião, pois as palavras de Fernando Gonçalves vão ao encontro daquilo que foi discutido com o reitor José Daniel, no sentido de manter as amostras de rochas no RN. “Muito importante que este acervo de rochas da bacia potiguar fique aqui, cedido para a pesquisa e o ensino, e seja também usado para facilitar a instalação de novas empresas (petrolíferas), pois temos toda a expertise e tecnologia dentro da Universidade e podemos estar a serviço dessas empresas, permitindo um conhecimento maior sobre essas rochas, a evolução de nossa bacia e dando condições para que se possa explorar e produzir mais petróleo”, destacou.

Nova fase de exploração
Quando mudou o foco da produção de petróleo no Brasil, a Petrobras reduziu drasticamente o interesse em manter a exploração de petróleo em terra, sobretudo nas regiões de campos maduros, como é o caso do Rio Grande do Norte. Isso representou uma redução de R$ 11 bilhões para os cofres públicos dos estados nordestinos.

Para amenizar essa perda, o governo federal criou o Programa de Revitalização das Atividades de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural em Áreas Terrestres (REATE) que permite a exploração desses campos maduros por empresas privadas.

Acontece que muitas destas empresas não têm a mesma tecnologia e expertise das grandes exploradoras de petróleo. É aí onde entra a UFRN e a litoteca proposta à ANP. Para Francisco Pinheiro, inicialmente, manter o acervo de “testemunhos” aqui permitirá que a Universidade seja catalisadora para que grupos de pesquisas internos e de outras instituições, como o IFRN, possam atuar de forma integrada no estudo dessas rochas, visando o aumento no fator de recuperação da bacia madura de exploração de petróleo.

Isso, segundo Francisco, trará aumento nos royalties da exploração do combustível fóssil, aumentando os investimentos em diversos setores e permitindo nova dinamização da economia do Estado. “Tudo que a UFRN puder fazer para aumentar o fator de recuperação dos campos maduros vai impactar na produção de petróleo”, disse, lembrando que, apesar das empresas privadas estarem chegando, a Petrobras continuará atuando no RN.

No que diz respeito à parte acadêmica, Francisco Pinheiro destacou que Universidade, na maioria das vezes, tem o conhecimento, mas não as amostras físicas retiradas dos reservatórios, que, geralmente, ficam de posse das empresas petrolíferas. Neste novo formato, este material ficará todo depositado aqui no RN. “Isso pode oportunizar a criação de cursos de graduação voltados ao estudo desses “testemunhos”, incrementar disciplinas na pós-graduação, ter cursos de especialização e treinamentos para profissionais”, completou.

Projeto
Segundo a Pró-reitora de Pesquisa, Sibele Pergher, coordenadora da reunião de hoje, após entendimento com a ANP, o próximo passo é conversar com a Petrobras para buscar, por meio de parceria, investimento para criação da litoteca. “O primeiro passo é o investimento de infraestrutura e o segundo o projeto de pesquisa e desenvolvimento, considerando os especialistas interessados em utilizar este acervo”, destacou.

Pergher quer definir ainda neste ano o projeto de infraestrutura para que seja iniciado ainda no ano que vem, só então passará para o segundo passo. Segundo ela, já houve um entendimento com a Escola Agrícola de Jundiaí, com intermediação do Reitor José Daniel Diniz, em relação ao terreno, o que facilita a condução do projeto. No que diz respeito a parte da pesquisa, a litoteca existente na UFRN será usada como base para o início dos trabalhos no novo espaço a ser construído.

 

 

Os profissionais que atuam como motoristas de aplicativos de mobilidade, como é o caso do Uber e 99 Pop, já podem se formalizar como Microempreendedor Individual (MEI) e escolher a profissão que corresponde à atividade desenvolvida. O Comitê Gestor do Simples Nacional decidiu criar um CNAE específico para a categoria, que antes, para se registrar, era obrigada a escolher opções de ‘Outros transportes rodoviários de passageiros’. Agora, esses profissionais podem ser classificados como ‘Motorista de Aplicativo Independente’. De acordo com informações da Cooperativa de Profissionais de Aplicativo Potiguar (Coopap), existem na Grande Natal cerca de 7 mil pessoas que atuam nessa atividade.

A alteração da resolução 140, de maio do ano passado, foi publicada no Diário Oficial da União do último dia 8. Esse dispositivo trata do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional). A gestora do MEI no Sebrae-RN, Ruth Suzana Maia, explica que a nova profissão ainda não foi atualizada no Portal do Empreendedor e, por isso, quem pretende se registrar nessa categoria precisar aguardar a inclusão. “Quem já se formalizou em categorias diferentes do CNAE 49299/99, precisa fazer a migração. A alteração pode ser feita no Portal do Empreendedor”.

 

“Vamos passar ter segurança sem sermos chamados de clandestinos. Nossa regulamentação veio e agora temos o CNAE.

Com isso, temos uma grande janela aberta na nossa profissão”

Anísio Barbosa - Presidente da Coopap

 

De acordo com o presidente da Coopap, Anísio Barbosa, somente entre 15% e 20% dos motoristas que desenvolvem essa atividade na Grande Natal estão formalizados e acredita que a inclusão da profissão no Simples Nacional vai impulsionar o registro, principalmente depois a atividade está sendo regulamentada na capital potiguar. “Vamos passar ter segurança sem sermos chamados de clandestinos. Nossa regulamentação veio e agora temos o CNAE. Com isso, temos uma grande janela aberta na nossa profissão”, destaca Anísio Barbosa. Segundo informações do Simples, o RN tem 1.272 negócios enquadrados nas categorias de outros transportes de passageiros, cuja parte significativa esteja relacionada a motoristas de aplicativos, e nesse caso precisa alterar o número da atividade principal.

Ao se tornar um MEI, o motorista terá algumas vantagens, entre elas a cobertura previdenciária e poderá emitir nota fiscal. Enquadrado nessa categoria jurídica, o motorista de aplicativo garante a cobertura previdenciária com auxílio-doença, aposentadoria por idade ou invalidez e auxílio-maternidade, entre outros. Ao se tornar um Microempreendedor Individual, os profissionais pagarão mensalmente um imposto fixo de R$ 54 e poderão abrir conta corrente empresarial. O faturamento máximo da categoria é de R$ 81 mil anualmente, o equivalente a R$ 6.750 por mês.

Serviço:
www.rn.agenciasebrae.com.br
http://www.rn.sebrae.com.br 
http://www.facebook.com/SebraeRN 
http://www.twitter.com/SebraeRN 
Call Center: 0800 570 0800
Agência Sebrae de Notícias (ASN RN): (84) 3616-7911 

Entre os dias 12 e 18 de agosto, repórteres de Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Ceará e Distrito Federal vão conhecer o potencial turístico da Rota Natal e Litoral
 
Com a finalidade de promover o destino Rio Grande do Norte em alguns dos maiores veículos de comunicação do Brasil, o Sebrae, por meio do projeto Investe Turismo RN – Rota Natal e Litoral, em parceria com o Ministério do Turismo (MTur), Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR), a Secretaria de Turismo do Estado (SETUR), a Empresa Potiguar de Promoção Turística (EMPROTUR) e a Associação Brasileira de Hotéis (ABIH-RN) está promovendo uma press trip para jornalistas nacionais. 
 
Entre os dias 12 e 18 de agosto, repórteres de Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Ceará e Distrito Federal vão conhecer o potencial turístico de algumas das praias mais famosas do RN. Para tanto, o grupo percorrerá os municípios de Natal, Extremoz, Parnamirim, Nísia Floresta, Tibau do Sul, Canguaretama e Baía Formosa. Além de desfrutar das praias, hotelaria e gastronomia da capital potiguar, o grupo vai participar de um dos maiores eventos culturais do estado, o Fest Bossa & Jazz, na Praia da Pipa.
 
“A participação de veículos nacionais, que atingem estados com grandes públicos emissores para o RN, como o Estado de São Paulo, o Estado de Minas e o Correio Braziliense é crucial para reforçar a divulgação do destino. Ao mesmo tempo estamos com representantes de jornalistas daqui do Nordeste, dos estados do Ceará e de Pernambuco, que também possuem um público emissor, principalmente quando falamos de eventos consolidados como o Fest Bossa & Jazz”, afirma a secretária de turismo, Aninha Costa.
 
Para o gestor do projeto Investe Turismo do Sebrae RN, Yves Guerra, a realização de uma ação como essa é o resultado do esforço de diversos parceiros. “A press trip visa fortalecer a Rota Natal e Litoral nos principais mercados nacionais beneficiando principalmente os pequenos negócios do setor de turismo. Essa primeira ação foi mais focada no Litoral Sul, mas, em breve, pretendemos realizar uma segunda press trip que contemple outros municípios e que seja mais focada no Litoral Norte”, enfatiza. 
 
O programa Investe Turismo RN – Rota Natal e Litoral prevê ações de investimentos, incentivos a novos negócios, acesso ao crédito, marketing, inovação e melhoria de serviços, visando preparar e promover a competitividade dos destinos envolvidos. Ao todo, serão investidos R$ 200 milhões em todo o Brasil. Somente no estado, serão aplicados inicialmente R$ 1,3 milhão.

 

O cabelereiro e técnico capilar Maciel Vitor, em parceria com a Amakha Paris, estará participando nos dias 25 e 26 de agosto da Natal Hair 2019, uma feira regional de negócios que tem como objetivo apresentar aos profissionais da área da beleza, marcas nacionais e internacionais de produtos, equipamentos e serviços. O evento será realizado no Centro de Convenções de Natal.

Durante a feira, Maciel Vitor estará num stand, devidamente estruturado, apresentando e fazendo demonstração de toda linha capilar da AMAKHA PARIS, uma marca nacional nova no mercado, que conta com uma excelente linha profissional para salão de beleza, tais como pó descolorante, escova progressiva, botox capilar e produtos para todos os tipos de tratamentos capilar. A linha capilar Home Care traz shampoo detox, shampoo hidratante, máscara matizadora, máscara reparadora, máscara hidratante, máscara líquida, finalizador e muito mais.

Além de apresentar os produtos, a AMAKHA PARIS estará oferecendo uma imperdível oportunidade de negócio para salões e profissionais da área.

Sobre Maciel Vitor: empresário e cabelereiro - proprietário do salão A&M Cabeleireiros -, exerce a profissão há 18 anos e há 11 se especializou como técnico capilar, ministrando seminários, workshops e curso profissionais. Especialista em alisamento, colorimetria, tricologia e cosmetologia capilar, Maciel já atuou como supervisor técnico em grandes marcar de cosméticos nacionais e internacionais

Clodoaldo Damasceno

 

 

Por: Redação

 
Os melhores queijos regionais produzidos em nove estados serão selecionados no Rio Grande do Norte, durante o 15º Encontro Nordestino do Setor de Leite e Derivados (Enel) com o Concurso de Queijos Regionais do Nordeste. Realizado pelo Sebrae e a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais  (EPAMIG), a seleção acontecerá nos dias 6 e 7 de agosto no Parque de Exposições Aristófanes Fernandes, em Parnamirim. O objetivo é reconhecer e valorizar os queijos produzidos no Nordeste brasileiro, premiando as empresas e produtores que se destacarem dentre os concorrentes em diversas categorias.

As inscrições podem ser feitas através da página do XV Enel no site www.rn.sebrae.com.br até o dia primeiro de agosto e poderão participar do concurso produtores e queijeiros artesanais, mesmo os que estão em fase de regulamentação ou indústria de laticínio que possua inscrição estadual, desde que a produção esteja localizada nos estados do nordeste do Brasil. Os inscritos concorrerão nas categorias Queijo de Coalho Artesanal, Queijo de Manteiga Artesanal, Queijo de Coalho Industrial, Queijo de Manteiga Industrial, além do destaque especial de queijos de leites variados e outros tipos de produtos.

Os vencedores receberão, além de certificados, medalhas de ouro, prata e bronze de acordo com a classificação na competição. “Acreditamos que teremos no concurso do Enel os melhores queijos regionais produzidos no Nordeste, região que tem tradição secular e que goza de enorme reputação na produção do leite e seus derivados”, afirma o gestor de projeto Leite & Genética do Sebrae-RN, engenheiro agrônomo Acácio Brito.

As amostras dos queijos concorrentes serão avaliadas com base em critérios como aspecto geral, consistência, textura e sabor. Além das peças de queijos entregues para o concurso, os concorrentes terão que disponibilizar outras duas amostras de mesmo tamanho e teor, para as atividades do espaço gastronômico do ENEL, onde serão realizadas oficinas com os queijos e produtos lácteos e também o Concurso da Mesa Artística de Queijos.

O julgamento do concurso será realizado no segundo dia do Encontro Nordestino do Setor de Leite e Derivados – ENEL e a premiação ocorrerá no último dia do evento no Parque Aristófanes Fernandes. Os produtos inscritos no concurso que não atenderem aos padrões mínimos de qualidade podem ser desclassificados pela comissão julgadora. A expectativa dos organizadores é que haja uma participação efetiva de produtores e laticínios dos estados nordestinos que têm tradição na produção dos queijos regionais do tipo coalho e manteiga, principalmente.

MESA ARTÍSTICA - Um concurso de mesa artística inspirado nos concursos de tábuas de queijos realizados em países europeus será destaque no Enel. O evento tem como principal objetivo a valorização dos queijos produzidos nos estados nordestinos, que têm grande tradição na fabricação produtos regionais.

A competição acontecerá no dia 7 de agosto sob a curadoria da Chef Adriana Lucena, dentro do Espaço Gastronômico do ENEL,  que também busca valorizar os profissionais da gastronomia local. Os concursos realizados nos países europeus são bastante concorridos por Chefs, desde o México à Coréia do Sul e Japão, como o que ocorreu recentemente em Tours, durante o Mondial du Fromage, na França.

O Concurso Mesa Artística de Queijos terá apenas 10 vagas e para participar o candidato deve acessar o site www.rn.sebrae.com.br aonde encontra-se o regulamento e a ficha de inscrição. “O nosso propósito com este concurso é valorizar não só o queijo como um alimento ou um ingrediente, mas sobretudo a cultura alimentar de um povo, a preservação do produto terroir com suas características e sabor típicos da nossa região”, afirma a chef e curadora do concurso.

Serviço:
http://www.rn.agenciasebrae.com.br
http://www.facebook.com/SebraeRN
http://www.twitter.com/SebraeRN
Call Center: 0800 570 0800
Agência Sebrae de Notícias (ASN RN): (84) 3616-7911

         Os débitos de cerca de 440 contratos de fornecedores de bens e serviços cujos valores se limitam a R$ 20 mil serão priorizados para pagamento pelo Governo do Estado para quitação dentro de 90 dias, o que resultará na retirada de cerca de 50% dos contratos de dívidas existentes. A medida foi tomada entre Governo e fornecedores durante reunião do Comitê de Relacionamento com os Fornecedores de Bens e Serviços ao Poder Executivo (COREF), realizada no Gabinete Civil.

         A Controladoria Geral apresentou o perfil detalhado da dívida do Estado com seus fornecedores de bens e serviços. Com relação ao montante devido, o controlador geral do Estado, Pedro Lopes, informou que até o dia 31 de dezembro de 2018, as dívidas eram de R$ 790 milhões, sem incluir os débitos referentes aos empréstimos consignados. Desse total, R$ 259 milhões são referentes a empenhos inscritos em restos a pagar não processados e impossibilitados de serem reconhecidos como obrigação, visto que não foram precedidos de liquidação pelo órgão de origem. Cerca de R$ 180 milhões foram pagos, restando ainda R$ 351 milhões para quitação. Diante do perfil apresentado, com cerca de 440 processos de dívidas com valores de até R$ 20 mil, o comitê chegou ao consenso de priorizar esses pagamentos dos atrasados aos fornecedores de bens e serviços.

         A governadora Fátima Bezerra reforçou a importância de o governo ter instituído o comitê para discutir os problemas com os fornecedores, informando que, com base em um calendário previamente firmado, o Estado pretende quitar totalmente todas as dívidas. “Reforço o empenho do governo em quitar as dívidas existentes a fim de melhorar o relacionamento do Estado com os setores empresariais, bem como, incrementar economia do nosso Estado”, ressaltou.

         Segundo o secretário-chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves, mantendo-se a realização dos pagamentos mediante ordem cronológica o intuito do Governo do Estado é encontrar uma solução para as dívidas anteriores ao exercício de 2019, visto que a gestão está impossibilitada de apresentar, hoje, uma proposta de pagamento para as demais.

         O comitê é composto por representante dos seguintes órgãos: Secretaria de Planejamento e Finanças (SEPLAN), Secretaria de Administração (SEAD), Procuradoria-Geral do Estado (PGE), Controladoria-Geral do Estado (CONTROL), Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN), Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do RN (FCDL), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN (FECOMERCIO) e Federação da Agricultura do RN (FAERN).

O Outback Steakhouse foi selecionado como uma das melhores empresas para se trabalhar na segunda edição do Best Place To Work, ranking do Infojobs que classifica as empresas com base nas avaliações dos usuários na plataforma. Nesta edição foram mais de 4 milhões de comentários analisados no período de janeiro a dezembro de 2018.

“Estamos muito felizes com o reconhecimento, nós sempre nos preocupamos em tornar a experiência de trabalho dentro de nossos restaurantes a mais agradável possível. O Outback é uma marca gerida por profissionais que são apaixonados por momentos especiais, por servir bem e encantar cada vez mais seus clientes. O reconhecimento de um ranking que leva em consideração a opinião dos nossos funcionários reafirma que estamos no caminho certo, nossas pessoas são a nossa prioridade”, relata Tatiana Tafuri, diretora de Recursos Humanos da Bloomin’ Brands, grupo detentor da marca Outback Steakhouse.

Inspirado na Austrália, o Outback está presente em mais de 22 países entre América, Ásia e Oceania. No Brasil são 99 restaurantes, em 39 cidades e com mais de 10 mil funcionários. Desde que chegou ao Brasil em 1997, a marca é conhecida pelo atendimento descontraído e próximo dos clientes, pelos sabores únicos de cada um de seus pratos e drinks, pela inovação ou pelo ambiente aconchegante.



Twitter