alt

O Aeroporto Augusto Severo registrou, recentemente, a suspensão de cinco voos domésticos, seguindo uma tendência nacional de queda na demanda de embarques aéreos durante a baixa estação. A Secretaria de Estado do Turismo tem buscado alternativas para compensar essa ação prejudicial ao trade turístico e à economia do Rio Grande do Norte durante o período.

“Ninguém está mais preocupado com essa suspensão de voos do que o Governo do Estado. A Setur não recebeu confirmação oficial dessas suspensões. Mas sabemos se tratar de uma decisão empresarial; uma estratégia para aumentar o valor das passagens, e que a sazonalidade é característica do segmento turístico”, disse o titular da pasta estadual de Turismo, Renato Fernandes.

Ainda na tarde de ontem (21), o secretário contatou o superintendente da Infraero para o Nordeste, Fernando Nicácio para solicitar a intermediação junto às companhias aéreas, na tentativa de se encontrar uma saída consensual para evitar a perda desses voos. “Precisamos entender, também, que o preço do QAV (querosene de aviação) está caro e deve ser reduzido”, acrescentou Renato Fernandes.

Fernando Nicácio prometeu convergir os assuntos com as empresas, em reuniões em Natal, Recife (sede da Infraero NE) e em São Paulo (sede das companhias). Um dos argumentos possíveis é a alta demanda de passageiros mesmo durante a baixa estação. Entre as suspensões estão três voos da companhia TAM (e mais um, antes diário, passou para o sábado e domingo) e dois da Gol.

Nos últimos meses, diversos aeroportos brasileiros têm registrado quedas consecutivas no número de voos. Apenas em fevereiro foram cancelados 47 voos em Fortaleza. Também em fevereiro a TAM parou de operar o destino João Pessoa/Rio de Janeiro. Na manhã da última quarta-feira foram cancelados seis voos do aeroporto de Caixa do Sul (RS). Esses são apenas exemplos recentes que têm ocorrido nas cinco regiões do território nacional.