NATAL PRESS

 

A programação dos blocos e atrações do #Carnatal28 está pronta e você já pode começar a se programar para não perder nem um minuto da folia! Vem ver: 


Quinta-feira - 13/12/2018

Abertura dos portões: 17h 

18h PALCO UBER (na concentração)
18h30  SIIM O BLOCO DO GD - Gabriel Diniz
19h  BURRO ELÉTRICO - Bloco do Magão
19H30  VUMBORA - Bell Marques
           VUMBORA 3ª VOLTA - Rafa e Pipo Marques 
           ESTAÇÃO SKOL - Pedro Lucas 

Sexta-feira - 14/12/2018

Abertura dos portões: 17h

18h  PALCO UBER (na concentração)
18h30  ME ABRAÇA - Durval Lelys 
19h  ÔBAIUNO - Saulo 
19h30  VEM COM O GIGANTE - Léo Santana 
21h30  VUMBORA - Bell Marques 
             ESTAÇÃO SKOL - Fitdance


Sábado - 15/12/2018

Abertura dos portões: 17h 

18h  PALCO UBER (na concentração)
18h30  VUMBORA - Bell Marques 
19h  ME ABRAÇA - Durval Lelys
19h30  BICHO - Ricardo Chaves 
21h30  LARGADINHO - Claudia Leitte
             ESTAÇÃO SKOL - Jammil

Domingo - 16/12/2018

Abertura dos portões: 17h

12h  VUMBORA DAY - Rafa e Pipo Marques 
17h  PALCO UBER (na concentração)
17h30  CORUJA - Ivete Sangalo 
18h30  PSI - Psirico 
19h30  BICHO - Ricardo Chaves

divulgação



Escultor potiguar possui várias obras pelo Brasil e exterior

O artista plástico potiguar Guilherme da Silva Pereira, mais conhecido como Índio, será homenageado hoje (12/12), às 19h, na Câmara de Vereadores de Nísia Floresta, onde receberá a Medalha Nísia Floresta, a mais alta comenda do Poder Legislativo deste município.

Natural de Nísia Floresta (RN), o artista se profissionalizou ao dezoito anos e, desde então, vem construindo grandes obras como o Galo Branco de Dona Neném, símbolo do Folclore e do artesanato de São Gonçalo do Amarante (RN), o pórtico de entrada do Aquário Natal, na Redinha, entre outras. Ao todo, ele  produziu cerca de 3 mil trabalhos. O artesão utiliza como matéria-prima: concreto, argila, pedra sabão e madei ra. Seu universo criativo está intimamente ligado a suas origens e se utiliza de temas como o mar, cultura popular e religiosidade, que nas suas mãos ganhaproporções gigantescas.

Grande parte desse acervo escultórico encontra-se localizado entre as praias de Redinha (Extremoz) e Barreta (Nísia Floresta) e também pelo interior do estado entre as cidades de São José de Mipibu, Passagem, Monte Alegre, Brejinho, Goianinha e São Gonçalo do Amarante. O artista também possui conjuntos de peças es palhadas na Paraíba, Pernambuco e Alagoas.

Entre 2005 e 2015, sua obra ganhou notoriedade e recebeu encomendas para o Sul Sudeste brasileiros e para países como Suécia, Áustria, Portugal e Alemanha. Em Itapoá/SC, Índio esculpiu um caranguejo de dez metros, que é considerado o maior da América Latina.

Durante a passagem pelo Rio Grande do Norte, para receber a homenagem, Índio irá à cidade de Brejinho para produção de mais uma obra. Retornando em seguida para Santa Catarina, onde está produzindo um conjunto de 10 obras.

A trajetória de Elza Soares é sinônimo de resistência e reinvenção. As múltiplas facetas apresentadas ao longo de sua majestosa carreira estão em cena no musical “Elza”, no Teatro Riachuelo. Larissa Luz, convidada para a montagem, e outras seis atrizes selecionadas após uma bateria de testes (Janamô, Júlia Tizumba, Késia Estácio, Khrystal, Laís Lacorte e Verônica Bonfim) dividem a missão de evocar a intérprete, através do texto de Vinícius Calderoni e da direção de Duda Maia. Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet assinam a direção musical e o maestro Letieres Leite foi o responsável pelos novos arranjos para clássicos do repertório da cantora, como ‘Lama’, ‘O Meu Guri’, ‘A Carne’ e ‘Se Acaso Você Chegasse’. O projeto foi idealizado por Andrea Alves, da Sarau Agência, a partir de um convite da própria Elza e de seus produtores Juliano Almeida e Pedro Loureiro.

O espetáculo foi desenvolvido, no momento em que Elza se encontra no auge de uma carreira marcada por reviravoltas e renascimentos. Ao lançar seus últimos dois discos, ‘A Mulher do Fim do Mundo’ (2015) e ‘Deus é Mulher’ (2018), a cantora não somente ampliou ainda mais seu repertório e o imenso leque de fãs, como conquistou, mais uma vez, a crítica internacional, e se consolidou como uma das principais vozes da mulher negra brasileira. ‘O espetáculo é uma grande celebração da mulher. É a vez e a voz da mulher brasileira em cena’, vibra a produtora Andrea Alves, responsável por espetáculos recentemente premiados, como ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, ‘Auê’ e ‘Gota D’Água [a seco]’.

Vinícius Calderoni, autor do texto, chama a atenção para a coletividade presente em todo o processo de criação da montagem. Após ter escrito as primeiras páginas, ele começou a frequentar os ensaios e estabeleceu um rico intercâmbio com Duda Maia e as sete atrizes. ‘Hoje poderia dizer que elas são coautoras e colaboradoras do texto. São sete atrizes negras e múltiplas, como a Elza é. Diante da responsabilidade enorme, eu estabeleci limites de fala para mim, por exemplo, em relação a alguns temas. Limitei a minha voz e disse que não escreveria nada, queria os relatos delas e as opiniões. Pedi a colaboração delas, das experiências vividas por uma mulher negra. Do mesmo jeito que a Duda propôs muitas coisas, as atrizes também tiveram este espaço’, conta o dramaturgo.

Tal processo colaborativo se estendeu para a música, com a participação ativa das atrizes e das musicistas nos ensaios com Pedro Luís, diretor musical, e o maestro Letieres Leite, que liderou algumas oficinas com o grupo no período dos ensaios. O processo gerou ainda duas canções inéditas que estão na peça: ‘Ogum’, de Pedro Luís, e ‘Rap da Vila Vintém’, de Larissa Luz. Se a escolha de Pedro para a função foi referendada pela própria Elza – que gravou e escolheu um verso do compositor para nomear seu último disco –, Larissa já estava envolvida com o projeto desde o seu embrião.

Uma força arrebatadora, mas sem perder a leveza

As atrizes que vão dividir o palco com Larissa passaram por uma série de audições, em um processo que privilegiou a escolha de intérpretes multifacetadas. Em cena, elas se dividem ao viver Elza em suas mais diversas fases e interpretam outros personagens, como os familiares e amigos da cantora, além de personalidades marcantes, como Ary Barroso (1903-1964), apresentador do programa onde se apresentou pela primeira vez, e Garrincha (1933-1983), que protagonizou com ela um dos mais famosos e tórridos casos de amor da recente história brasileira.

Ainda que muitos dos conhecidos episódios da vida da homenageada estejam no palco, a estrutura de ‘Elza’ foge do formato convencional das biografias musicais. Se os personagens podem ser vividos por várias atrizes ao mesmo tempo, a estrutura do texto também não é necessariamente cronológica. Da mesma forma que músicas recentes (‘A Mulher do Fim do Mundo’, ‘A Carne’, ‘Maria da Vila Matilde’) se embaralham aos sucessos das mais de seis décadas de carreira da cantora, como ‘Se Acaso Você Chegasse’, ‘Lama’, ‘Malandro’, ‘Lata D’Água’ e ‘Cadeira Vazia’.

Marcada por uma série de tragédias pessoais – a morte dos filhos e de Garrincha, a violência doméstica e a intolerância –, a jornada de Elza é contada com alegria. Foi este o único pedido da própria cantora:

‘A Elza me disse: ‘sou muito alegre, viva, debochada. Não vai me fazer um musical triste, tem que ter alegria’. Isso foi ótimo, achei importante fazer o espetáculo a partir deste encontro, pois assim me deu base para saber como Elza se via e como ela gostaria de ser retratada’, conta Vinicius, que leu e assistiu a infindáveis entrevistas que a cantora deu ao longo da vida e também pesquisou a obra de pensadoras negras, como Angela Davis e Conceição Evaristo, cujos fragmentos de textos aparecem na peça.

‘Apesar de uma força arrebatadora, Elza tem muita leveza. É divertida. Mais do que nos pedir qualquer coisa, deixou claro que sua história é marcada por uma força absurda de viver. Que, apesar de tudo, tem garra, tem amor, tem opinião’, completa a diretora, que comandou o grupo por oito horas diárias de ensaio, durante os últimos três meses.

A sintonia de um encontro teatral

‘Elza’ marca o encontro da dramaturgia de Vinícius Calderoni com a direção de Duda Maia, dois nomes que se destacaram no recente panorama teatral brasileiro. Pela direção de ‘Auê’ (2016), estrelado pela Cia. Barca dos Corações Partidos, ela conquistou os prêmios Shell, Cesgranrio e Botequim Cultural de Melhor Direção, além dos prêmios APTR e Cesgranrio de Melhor Espetáculo e o Bibi Ferreira de Melhor Musical Nacional. Enquanto isso, Vinicius já ganhou o Prêmio Shell de Melhor Autor por ‘Ãrrã’ (2015), o APCA por ‘Os Arqueólogos’ (2016) e coleciona outras indicações e troféus por espetáculos da companhia Empório de Teatro Sortido, que lidera ao lado de Rafael Gomes.

Em paralelo à carreira de escritor, Vinícius é também músico – ele integra a banda 5 a seco e tem dois discos lançados – e ator. A experiência musical foi determinante no processo de criação do texto. ‘Desde pequeno quis ser letrista, gostava de escrever letras de canção. Quando escrevi o musical, eu me guiei pela sensação de letrista, escolhendo o tamanho das frases e a sonoridade rítmica delas’, conta o autor.

Já Duda trouxe todo o seu reconhecido trabalho corporal para o desenvolvimento da linguagem da encenação. ‘Eu e corpo somos uma coisa só, ele é minha religião. Para mim, não existe palavra sem corpo, a dança é meu começo, meio e fim. Esse grupo de atrizes é muito forte, elas mergulharam de cabeça nessa ideia’, ressalta a diretora.

A sintonia entre eles e Pedro Luís (diretor musical) foi determinada por uma característica fundamental no trabalho dos três: a escuta e a participação das intérpretes. ‘Foi um processo de ensaios muito vivo, em que partimos do princípio que a voz não é nossa, é das atrizes. Fizemos este trabalho para elas e a partir de propostas delas também. Precisamos olhar para o grupo, para a troca’, conta Duda, ressaltando que tudo só foi possível graças à parceria com a Sarau, produtora capitaneada por Andrea Alves.

Nos últimos anos, a Sarau foi responsável por grandes momentos do teatro nacional, como as montagens de ‘Gonzagão – A Lenda’, ‘Ópera do Malandro’, ‘Auê’ e ‘Suassuna – O Auto do Reino do Sol’, da Cia. Barca dos Corações Partidos, e ‘Gota D’Água [a seco]’, dirigida por Rafael Gomes e protagonizada por Laila Garin. Sempre comprometida com a cultura nacional em seus mais variados aspectos, a produtora também assina a direção do Festival Villa-Lobos e do Toca, evento que teve a primeira edição neste ano e trouxe a canção brasileira para o centro da discussão, através de shows gratuitos, oficinas e debates.

FICHA TÉCNICA

Elenco:

Janamô

Júlia Tizumba

Késia Estácio

Khrystal

Laís Lacôrte

Verônica Bonfim

Atriz Convidada: Larissa Luz

 

Direção: Duda Maia

Texto: Vinícius Calderoni

Direção Musical: Pedro Luís, Larissa Luz e Antônia Adnet

Arranjos: Letieres Leite

Idealização e Direção de Produção: Andréa Alves

Cenário: André Cortez

Figurinos: Kika Lopes e Rocio Moure

Iluminação: Renato Machado

Visagismo: Uirandê de Holanda

Design de Som: Gabriel D'Angelo


SERVIÇO

MUSICAL ELZA

Dias 12 e 13 de janeiro 
Sábado às 21h e Domingo às 20h

Classificação etária: 14 anos
Duração: 120 minutos

Teatro Riachuelo (Av. Bernardo Vieira, 3775 / Natal – RN)
www.teatroriachuelonatal.com.br

 

Se programe que próximo sábado tem Mercado das Pulgas! A edição deste mês acontece no dia 15 de dezembro, na Praça Cívica de Natal, no bairro Petrópolis, das 15h às 21h. Na programação tem rock, diversão, gastronomia e muito mais. Além de lazer garantido você pode antecipar as compras de Natal e ano novo e ainda exercer o consumo consciente e criativo com a variedade que o Mercado das Pulgas oferece. O evento faz parte do “Natal em Natal” e a entrada é gratuita!

A próxima edição conta com stands como a Cervejaria Artesanal, Comida portuguesa e francesa, oficina de confecção de brinquedos lúdicos, Cafeteria, sebos, brechós, artes plásticas, colecionáveis e antiquários. Para os amantes de carros que fizeram história, haverá também exposição de automóveis antigos: Fusca e Gurgel.

E não para por aí! A diversão e o riso estão garantidos com a presença da Tropa Trupe no espetáculo “A Fuga do Espelho”. A parte musical ficar por conta do Trio Rock formado por Giancarlo Vieira (Voz, violão e gaitas) e Moisés Lima (Violão, gaitas e voz) e Ângelo Magalhães (percussão). No repertório, clássicos dos Beatles, Rolling Stones, Bee Gees, Elvis, Pink Floyd, Dire Straits, Bob Dylan, entre outros grandes nomes da história do Rock e Blues.

Ainda na música, presença confirmada da Mobydick. Banda potiguar com 17 anos de existência na estrada do rock com repertório cheio de influências também nos Rolling Stones, Beatles, Raul Seixas, Barão Vermelho, Creedence e U2. Formam o grupo os músicos Glay Anderson – violão e voz; Renato Cazzolli – baixo e voz; Wellington Júnior – bateria e Hugo Albuquerque – guitarra.

O Mercado das Pulgas de Natal conta com o patrocínio do Natal em Natal, Prefeitura do Natal, através da Lei Djalma Maranhão, da Unimed Natal, Uniodonto Rio Grande do Norte, Espacial Auto Peças. Apoio: InterTv; e realização da Natal Cultural.

 

Serviço

Mercado das Pulgas – Dezembro de 2018

Local: Praça Cívica – bairro Petrópolis

Data: 15 de dezembro de 2018

Horário: das 15h às 21h

Entrada gratuita

Laíne Paiva

 

Fotos dos mais variados estilos, histórias e cores irão ilustrar os espaços do Memorial Câmara Cascudo. A II Exposição Coletiva Multiverso Fotográfico, promovida pelo único curso superior de Fotografia do Rio Grande do Norte, faz parte da disciplina de Conclusão de Curso. O evento conta com vernissage hoje (07/12) às 19h. A exposição segue gratuita e aberta ao público, de segunda a sexta-feira, até o dia 28 de dezembro das 9h às 17h.

A Exposição contará com produções de 17 alunos concluintes do Curso de Fotografia da UnP, integrante da rede Laureate. O evento tem o objetivo de possibilitar aos estudantes a exposição do seu modo particular de ver o mundo, através das lentes. Dessa maneira, evidenciando todo aprendizado adquirido ao longo da trajetória acadêmica.

Os temas, pensados por cada um dos universitários, surgiu de interesses pessoais ou profissionais, como é o caso da aluna Laíne Paiva, que com o trabalho “Fendas: depois das lágrimas o sorriso”, retratou a história de superação de Maria do Socorro que aos 69 anos, conseguiu realizar o sonho de usar batom devido a uma correção labial.

“Para mim foi de gratificante a realização desse trabalho pelo fato de poder compartilhar com outras pessoas, através de imagens, a história de Maria do Socorro. Além de mostrar também o conhecimento adquirido ao longo da minha formação e ter a oportunidade de possivelmente apresentar a minha exposição”, declarou Laíne.
A Graduação de Fotografia da UnP é pioneira no estado. Lançada em 2015, alcançou conceito 4 na avaliação do MEC devido à qualidade e infraestrutura do curso.  No mercado de trabalho, são muitas as possibilidades que envolvem a prática da fotografia dentro dos segmentos jornalístico, publicitário e de marketing.

Os visitantes do Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte terão a oportunidade de assistir uma tarde tipicamente Argentina com o Café Quarteto, que vai se apresentar em uma Tarde de Tango no Parque da Cidade”, neste domingo (09). A apresentação começará às 15 horas, no auditório. “Será uma tarde com os tangos mais famosos, numa tarde quente e animada, explorando a música da América Latina”, garante o violoncelista Haziel Cândido, integrante do grupo.

Café Quarteto é um tradicional quarteto de cordas, em atividade desde o ano de 2015, formado por jovens residentes em Natal/RN (Edmarcos Costa, Malu Sabar, Geraldo Junior e Haziel Cândido) e foi criado sem vínculo com as disciplinas da grade curricular da UFRN. O grupo tem o propósito de aprimorar a técnica camerística e performática e tem como objetivo principal, a pesquisa e o resgate da música erudita brasileira, com enfoque na música do movimento Armorial, e tem atuado neste cenário. No seu repertório contém uma paleta de compositores da música Standard de Câmara como também de compositores contemporâneos. Conta com o apoio acadêmico do compositor e professor da UFRN, Danilo Guanais. Atualmente é vinculado à UFRN como um grupo de extensão dedicado a projetos de pesquisa da universidade.

Nesta sexta-feira (07), a magia natalina invade o Partage Norte Shopping, com a Caravana de Natal da Coca Cola. A carreata conta com cinco caminhões iluminados com luzes natalinas, que vão desfilar pela Cidade, levando o Papai Noel e a Mamãe Noel, além do famoso urso polar. Os veículos ficarão estacionados em frente ao Deck do empreendimento, a partir das 17h, permanecendo no local por 1 hora, para que os presentes possam tirar fotos com os personagens.

 

Serviço:

Caravana Coca Cola

Data: 07 de dezembro de 2018;

Horário: 17h;

Entrada: Gratuita;

Local: Estacionamento do Partage Norte Shopping Natal;

Endereço: Avenida Doutor João Medeiros Filho, 2395 – Potengi;

Telefone: (84) 3674-8200 | 98189.8899 (WhatsApp)

Redes Sociais: @partagenatal

Sitewww.partagenatal.com.br

Vinicius Fernandes/Cosern/Divulgação

Patrocinado pela Cosern há 18 anos, por meio da Lei Estadual Câmara Cascudo de Incentivo à Cultura, dentro da Política de Patrocínios do Grupo Neoenergia, estreou e segue até o dia 12, em Mossoró, o espetáculo teatral "Oratório de Santa Luzia".

Carinhosamente chamado pelos mossoroenses de “O Oratório”, a peça conta a vida e o martírio de Santa Luzia, padroeira do município, e este ano tem a direção de Marcos Leonardo, que também assina o figurino, coreografia de Roberta Schumara, texto de Erismar Cunha e a atriz e bailarina Sofia Maria no papel principal.

Em 2016, a Cosern recebeu uma homenagem especial dos organizadores do “Oratório”, entregue ao Diretor Presidente Luiz Antonio Ciarlini pelo Padre Flávio Augusto Forte Melo como forma de agradecimento à Distribuidora potiguar pelo apoio recebido ao espetáculo dado ao longo de quase duas décadas. "Esteja certo de que sem a presença da Cosern seria muito difícil contar essa bela história há tantos anos", disse o religioso.

O "Oratório de Santa Luzia" será encenado até o dia 12, véspera do encerramento da Festa de Santa Luzia em Mossoró, sempre após as novenas das 19h30.

 

Sobre a Cosern

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), empresa do Grupo Neoenergia, é sexta maior distribuidora de energia elétrica do Nordeste em número de clientes e a quinta em volume de energia fornecida. Presente nos 167 municípios potiguares, a Cosern tem uma área de concessão de 53 mil quilômetros quadrados.  A empresa atende 1,4 milhão de clientes (3,5 milhões de habitantes).

Em caso de falta de energia, a COSERN orienta:

• Enviar um SMS para 26560, informando apenas o número da sua conta contrato. Para facilitar, salve-a no bloco de notas do seu smartphone;

• Baixar o aplicativo da COSERN, utilizar a função “Falta de Energia” para agilizar o atendimento; ou

• Telefonar para o 116.

DICAS DE SEGURANÇA COSERN

Não faça ligações clandestinas de energia elétrica. Além de crime, o “gato” coloca em riso a vida de quem faz e de quem está próximo. Denuncie a irregularidade de forma anônima no 116 da Cosern.

O projeto Cine Verão – Festival de Cinema da Cidade do Sol realizará a sua segunda edição na praia de Ponta Negra, um dos principais cartões postais da cidade, nos dias 30 e 31 de janeiro. Idealizado pela produtora cultural Nathalia Santana da Pinote Produções, o festival – que tem como objetivo principal contribuir com a difusão do trabalho realizado pelos profissionais do audiovisual potiguar – foi um sucesso na sua primeira edição atraindo potiguares e turistas, dando grande visibilidade aos filmes apresentados. Como na edição anterior, nos dois dias de evento, o espaço estará aberto para receber os profissionais e amantes do cinema e pessoas dispostas a curtir um programa cultural gratuito e divertido.

As inscrições para filmes estão abertas até o dia 16 de dezembro através do formulário disponibilizado no site www.pinoteproducoes.com/cineverao . Poderão se inscrever no 2º Cine Verão filmes com duração máxima de 20 minutos, finalizados a partir de janeiro de 2017. Na noite do dia 30 serão exibidos os curtas que irão compor a Mostra Cine Verão Poti (obras de realizadores potiguares e rodados no estado do RN) e na noite do dia 31 serão exibidos os curtas que irão compor a Mostra Cine Verão Brasil (obras realizadas por brasileiros de outros estados). Haverá votação popular e análise do júri especializado para eleger os curtas vencedores da Mostra Competitiva Cine Verão Poti, já a Mostra Cine Verão Brasil não é de caráter competitivo.

Além das exibições de curtas metragens o festival tem uma programação formatada por debates, apresentações musicais com shows e djs, sessões de lançamento e encontro com os diretores locais das obras exibidas na atual edição.

O projeto Cine Verão é uma realização da Pinote Produções, com o patrocínio da Prefeitura do Natal, Programa Djalma Maranhão e Hospital do Coração. Conta ainda com o apoio da Rádio Jovem Pan, Sollar Comunicação, Top Gráfica, Sopro, Tisck, Quintau, RN Bottons, Astral Sucos, Poti Restaurante, Chocolateria Sandra Maia e Marmitíssima.

SERVIÇO:

2º CINE VERÃO – Festival de Cinema da Cidade do Sol

Dias 30 e 31 de janeiro, quarta e quinta-feira, a partir das 16h

Orla da praia de Ponta Negra – Natal/RN (Deck em frente ao Astral Sucos)

Acesso gratuito

Inscrições e informações: www.pinoteproducoes.com/cineverao

Feira acontece de 06 a 09 e tem oficinas de cultivo gratuitas

 

A partir desta quinta-feira (06) até domingo (09), a capital potiguar recebe a “Exposição Rosas do Deserto”, no Hiper Bompreço – Capim Macio, com unidades à venda a partir de R$ 10. Uma ótima oportunidade para presentear nas confraternizações de final de ano, além de colorir e alegrar os ambientes.

 

A mostra tem entrada gratuita e fica aberta das 8h às 20h (de 06 a 08) e das 9h às 15h (dia 09). Como sempre acontece em todas as edições, a organização da mostra vai promover duas sessões gratuitas da Oficina de Cultivo no sábado (08), sendo a primeira às 9h30 e a última às 15h30. Para quem quer cultivar a espécie, essa é uma ótima oportunidade, pois, apesar de exuberante e singular, a rosa do deserto requer muitos cuidados específicos.

 

Nativa de ambientes áridos do norte da África e do Oriente Médio, a rosa do deserto se tornou ‘vício’ para muitos ao redor do mundo e se adaptou muito bem ao clima tropical do Brasil, onde a demanda por esse tipo de flor tem crescido e se fortalecido através de pequenos e médios produtores. Nessa edição a feira conta com a realização do Rosa do Deserto de Pernambuco. Os valores variam de R$ 10 a R$ 50 e as mais caras, a partir de R$ 150.

 

Serviço

Exposição Rosas do Deserto de Natal

Data: 06 a 09 de dezembro de 2018

Local: Hiper Bompreço - Av. Engenheiro Roberto Freire, 2824 - Capim Macio

Horário: 8h às 20h (dias 06, 07 e 08) / das 9h às 15h (no dia 09)

Oficina gratuita

Sábado (08) – 9h30 e 15h30



Twitter