NATAL PRESS

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


Na linguagem empresarial, comercial, o termo fornecedor tem um peso muito importante. Representa, na estrutura do negócio, o parceiro que produz mercadorias e serviços para outros parceiros que, por sua vez, detêm meios de acesso ao mercado consumidor. O assunto é vasto, pois envolve não somente os que produzem (muitas vezes desprovidos de estrutura de distribuição), mas também os chamados atravessadores, especuladores, agentes responsáveis pela compra das mercadorias aos produtores e pela venda e entrega delas à rede de lojistas. No entanto, devido à complexidade que rege atualmente o mundo dos negócios – principalmente pelo peso da maquina governamental – o termo ganhou significado mais profundo, agigantou-se e passou a representar um item super importante na engrenagem e escaninho das grandes corporações e das grandes organizações estatais.

Por conta do poderio e da complexidade do mercado fornecedor, as empresas e instituições se obrigaram a montar grandes estruturas para aquisição de produtos e serviços, e suas subseqüentes atividades, como controle de qualidade, de pagamento, de estoque, fiscalização, auditoria... E um mundão de outros elementos de suporte, entre os quais – e principalmente – aqueles voltados ao combate da corrução, este um item responsável pela maioria dos escândalos envolvendo parlamentares, políticos e administradores públicos. Como terceira ponta deste negócio, nem sempre o consumidor sabe que vive à mercê das decisões dessa engrenagem – mas vive. De maneira que, atualmente, ninguém se livra de estar direta ou indiretamente envolvido nessa gigantesca – e nem sempre clara e transparente – rede de relacionamentos interpessoais, além de gestora de uma incalculável montanha de dinheiro.

Entretanto, para os fins a que se destina o conteúdo deste artigo, convém ampliar o conceito, o significado do termo fornecedor. Pois, se fizermos aqui uma análise menos negocial, menos tradicional, e mais sociológica, mais humanista... Enfim, se olharmos para dentro das estruturas familiares, das estruturas sociais, políticas, profissionais, veremos que todos nós fornecemos algo a alguém. Os pais, por exemplo, fornecem aos filhos roupas, alimentos, educação, saúde. Só isso? E onde fica o carinho, a atenção, o zelo, os cuidados, a orientação para a vida, o amor, enfim? Já os empregados fornecem aos patrões o esforço, a dedicação, a seriedade, a honestidade, a competência no desempenho do trabalho que se obrigaram a fazer quando foram contratados. Já os patrões se obrigam a fornecer salário (de preferência em dia), boas condições de trabalho, planos de saúde, vale transporte...

Um homem houve que nos forneceu belíssimos e utilíssimos ensinamentos – e muito amor. Seu nome? Jesus Cristo. Já Hitler forneceu à nação alemã, e por conseqüência a toda humanidade, conceitos carregados de preconceito, ódio, descriminação, sangue, destruição. Fidel Castro ficou famoso pelo fornecimento aos cubanos de perseguição, censura, miséria, paredon e morte. Hugo Chávez legou aos venezuelanos um misto de intranqüilidade, regime ditatorial, incerteza econômica. Há, portanto, homens e homens. E fornecimentos e fornecimentos. Madre Teresa de Calcutá era uma exímia fornecedora de caridade, doação, carinho, amor. Ghandy fez da sua vida um tesouro de fornecimento de amor e louvor ao próximo. Martin Luther King (sem decretos, sem ministérios e sem disparar um tiro) transformou-se em ícone da humanidade no que diz respeito aos direitos humanos e igualdade racial.

E Jesus? Jesus é um caso à parte. Um fornecedor extraordinário. Que extrapola o entendimento humano, que vai muito além da concepção que o homem faz do fornecimento que deve direcionar ao próximo em família, no trabalho, na vida em sociedade. Jesus nos fornece perdão em plena cruz (“Pai, perdoa; eles não sabem o que fazem”); Jesus nos fornece alívio nos momentos de dor (“Vinde a mim todos que estais cansados e sobrecarregados; e eu vos aliviarei”); Jesus nos fornece orientação espiritual direcionada à salvação (“Eu sou o caminho, a verdade e a vida; e ninguém vem ao Pai senão por mim”). E você? Você é um fornecedor. De que tipo? O que está fornecendo aos filhos, amigos, vizinhos, colegas de trabalho? Como eleitor, por exemplo, a quem fornece seu voto? Político corruto em troca de dinheiro? Veja lá! Há homens e homens. Fornecimento e fornecimento. Qual a sua mercadoria?

Públio José é jornalista

No Gorgias, Sócrates/Platão diz: “Portanto, o orador que nada entende, convencerá melhor que o conhecedor, caso se dirija a pessoas que não entendem (do assunto) mais do que ele. Será que um orador entende mais que o médico?

Um momento de reflexão, para examinar os dizeres de Nossapresidenta:
"Tem gente que fica falando que não vai sair a refinaria Abreu e Lima. São aves de mau agouro, aves de mau agouro que estão erradas. Porque nós vamos fazer a refinaria Abreu e Lima e logo, logo ela vai estar processando seus 230 mil barris por dia, e isto vai significar não só um ganho aqui para Pernambuco, mas para o Brasil, porque esta será a primeira refinaria em 33 anos no nosso país".

Qual o truque, se é que existe um?
É apenas uma bravata. Ninguém em sã consciência torce contra. Talvez algum espírito de porco vá perguntar: Quando será esse logo, logo e quanto isso vai custar? Falar em projetos sem mencionar datas e custos serve para um discurso de palanque. É sonhar com os olhos abertos.

A pedra fundamental da refinaria Premium II foi lançada no dia 28 de dezembro de 2010, no apagar das luzes do governo Lula. A área para a implantação da refinaria fica no Complexo Industrial do Porto de Pecém (CIPP). A unidade deverá produzir diesel com baixo teor de enxofre, querosene de aviação, nafta, gás de cozinha e bunker (combustível de navio).
Um dia!

A refinaria Premium II tem previsão de ficar pronta em dezembro de 2017, com capacidade para processar 300 mil barris diários de petróleo. Mas nós somos autossuficientes há muito tempo!
Fica claro que para a maior parte do eleitorado não faz sentido dizer que é possível fazer mais e melhor. Que as condições macroeconômicas estão passando por um processo de degradação. Que nesse ritmo, os salários poderão perder a corrida – sempre perdem – com uma inflação que mostra os dentes.

Enquanto medidas populistas – cujo custo se acumula e um dia terá de ser pago – mantém o bolso razoavelmente cheio, qual a possibilidade de alguém não achar que o governo é ótimo e bom – com margem de erro de 2% para cima ou para baixo como declamam os locutores de telejornais.

Existe algum segredo em expor a imagem flamejante de Nossapresidenta, bradando desafios em direção a um inimigo imaginário? Nenhum.
Desenvolve-se o tal sentimento de ‘cidade sitiada’. “O inimigo está à espreita. Vamos combate-lo. Venceremos.” Venceremos quem? Os poderosos. As elites reacionárias...
Ah, bom. Quem são esses seres satânicos? (melhor evitar essa referência a Satã.) Não importa. Talvez sejam pessoas comuns com o defeito de querer fazer contas, diferentemente dos geradores de números que indiquem que o superávit primário é isso e a previsão do pibão, aquilo.

No fundo, esses seres nocivos querem – na sua grande maioria – o bem do Brasil. É claro que a luta pelo pudê possui protagonistas de baixíssima qualificação, para empregar um eufemismo. Mas daí, ter de engolir uma retórica triunfalista o tempo todo, é dose.

Alexandru Solomon, empresário, escritor. Formado pelo ITA em Engenharia Eletrônica e mestrado em Finanças na Fundação Getúlio Vargas, autor de ´Almanaque Anacrônico`, ´Versos Anacrônicos`, ´Apetite Famélico`, ´Mãos Outonais`, ´Sessão da Tarde`, ´Desespero Provisório` , ´Não basta sonhar`, ´Um Triângulo de Bermudas`, ´O Desmonte de Vênus` (Ed. Totalidade), ´Bucareste`, ´Plataforma G` e ´A luta continua` (Ed. Letraviva). Livrarias: Saraiva (www.livrariasaraiva.com.br), Cultura (www.livrariacultura.com.br), Loyola (www.livrarialoyola.com.br), Letraviva (www.letraviva.com.br). | E-mail do autor: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
http://blogdoalexandrusolomon.blog.terra.com.br

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Esta é uma das citações mais conhecidas da Bíblia. Faz parte de um dos mais belos momentos vividos pelos discípulos na companhia de Jesus. A essência de seu discurso envolvia a questão da ansiedade das pessoas, já naquele tempo, com a sobrevivência, com o vestir, o ter, o exibir. Na sua palavra, Jesus exortava os presentes no sentido de não se angustiarem tanto com as necessidades do dia a dia. Muito sabiamente, Jesus já preparava as pessoas daquele tempo – e dos tempos atuais – a respeito da importância de preservar sua qualidade de vida, não permitindo a ocupação da mente com pesos em excesso nem com uma configuração de vida super avaliada nas coisas materiais. Aliás, Jesus também deu uma certa importância às demandas materiais de nossas vidas, deixando bem claro, porém, de que nossa preocupação com essas coisas deveria caminhar até um certo limite. A partir daí...

As palavras de Jesus lastreiam também uma afirmação de fé. No momento em que fez essa afirmação era verão na Palestina e nos campos, rigorosamente, não havia lírio algum. Jesus tencionava, assim, puxar pela mente das pessoas, fazendo-as lembrar de que, apesar da geografia árida, seca que elas tinham diante de si, existia sempre a perspectiva de um tempo de beleza, de fartura, de provisão. Ou por outra: mesmo quando a vida está em baixa, com predominância da dor, da incerteza, da amargura, existe sempre a perspectiva de surgir o outro lado da medalha. E, através da fé, um novo tempo poderá ser alcançado. À frente de Jesus as pessoas estavam confusas. Como enxergar lírios belíssimos, de uma textura luxuriante, em meio à secura de um período de verão? Ou como enxergar uma nova realidade de vida diante da escravidão materializada na presença do senhorio romano?

“Olhai os lírios do campo!” Ao fazer tal afirmativa, Jesus queria enlarguecer nossa visão, ampliar nossos horizontes. Sabe-se que no campo existem armadilhas contra a vida. As aves de rapina, os répteis, os rigores do inverno, o calor inclemente do verão. Os predadores, os animais de grande porte, as ervas daninhas... Apesar disso tudo, os lírios também surgem, emoldurando com sua beleza uma nova realidade. O problema é quando o campo – em síntese, na ótica de Jesus, uma alegoria da vida, do mundo – é visualizado somente através das grossas lentes do negativismo gratuito. Apesar de todas as adversidades da vida, há sempre a presença de algo belo a ser visto, focalizado, priorizado. E que, diante de um vastíssimo leque de sentimentos que a vida nos impõe, tais como o egoísmo, o individualismo, a soberba, a arrogância, há sempre a chance de cultivarmos o belo, o frutífero, o substancial, o edificante.

Ao que tudo indica, a planta que Jesus nomeou em seu discurso como lírio é hoje conhecida com o nome científico de “anemone coronária”. Tinha uma haste de uns 40 centímetros e pétalas vermelhas, púrpuras, azuis, róseas ou brancas. Como se vê, algo de uma beleza realmente estonteante em meio à aridez do solo palestino. Segundo relatos históricos era uma planta de floração comum na região, florescendo próxima ao tempo da colheita do feno. Devido à sua beleza, já era usada em larga escala na decoração dos ambientes requintados, bem como nas casas simples dos moradores do campo. Era, por assim dizer, um referencial de beleza, de nobreza, de excelência decorativa. Uma planta que realmente fazia a diferença. É nesse ponto que quero destacar o eixo sobre o qual gira o ensinamento de Jesus. Fazer a diferença. Priorizar sentimentos nobres sobre o negrume dos valores cultivados atualmente.

Há momentos na vida em que a mente se fecha. O horizonte divisado vai somente um pouco além das agruras do dia a dia. O belo da vida se perde diante da feiúra do contexto da existência. É preciso romper essa linha divisória que demarca a tristeza da alegria, a angústia da paz, o caos da ordem, da serenidade, da esperança. Quando o campo da existência está recheado de abutres, répteis e ervas daninhas, é necessário se crer que, mesmo num campo assim, a semente do lírio está lá, latente, pronta a brotar – a se fazer presente. A irradiar a vida com a variedade de suas cores, a emergir bela, firme, altaneira em meio à aridez da geografia social da atualidade. “Olhai os lírios do campo” é em sua essência uma receita inteligente de vida. Ou por outra, uma concepção ideal de vida para quem deseja enxergar a realidade atual como algo mais do que um mero passar de dias. Vai olhar?

Públio José – jornalista

(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

O silêncio é uma atitude estranha. Na maioria das vezes, apresenta-se como demonstração de humildade, de submissão, de renúncia. Em outras, deixa transparecer o verniz da covardia, da omissão. Mas não deixa de ser um comportamento contraditório, polêmico até. Jesus, por exemplo, deu conotações edificantes ao silêncio. Utilizando-se dele, deixou Pilatos maravilhado e seus acusadores totalmente desnorteados, sem terem o que dizer. Calado, ele eternizou um momento em que o esperado, de sua parte, era que falasse, argumenta-se, se defendesse das acusações injustas que lhe imputavam. Do episódio saiu engrandecido. O seu silêncio rasga os séculos até os dias de hoje como elemento de sabedoria, de renúncia, de negação de si mesmo. Já outros personagens... Estes, pelo silêncio, fugiram do desconforto de falar e deram péssimo testemunho com essa atitude. 

Um livro de um escritor cristão trata do assunto de forma interessante. Com o título “O Silêncio de Adão”, ele trata da paralisia cerebral e da inércia comportamental que acomete a grande maioria dos homens nos cruciais momentos de decisão. E constata que duas atitudes se destacam no universo masculino. A primeira delas é o silêncio simplesmente. Covarde, omisso, pegajoso – e, o que é pior, contagiante. Acontece na ocasião em que se faz necessária a prática do falar em defesa de uma causa, em defesa de alguém e – para não se prejudicar – o homem foge, se cala, se omite. A segunda atitude se traduz na incorporação, pelo homem, da figura do machão, que, não tendo o que falar, não tendo destreza mental para argumentar, opta pelo clássico gesto de usar da violência, de esmurrar a mesa. Em ambas as situações ele dá adeus ao diálogo e fecha a porta ao desabrochar de uma nova realidade.

Com este enfoque, “O Silêncio de Adão” trata, enfim, da inclinação histórica que o homem vem apresentando através dos tempos para fugir de suas responsabilidades. O primeiro grande exemplo que o livro apresenta é o de Adão. Sim, o Adão da Bíblia, o primeiro homem. Pela narrativa bíblica, Deus fez de Adão o detentor de todo o plano divino para a humanidade. Só exigiu que Adão e Eva, ela criada posteriormente, não comessem da árvore do bem e do mal. A exigência foi feita especificamente a Adão. Certamente já sabendo disso, a serpente procura Eva para tentá-la na desobediência a Deus, convencendo-a a comer do fruto da árvore. O interessante é que Adão estava presente ao episódio e em nenhum momento se pronunciou contrário ao assédio da serpente a Eva. Fez pior. Além de se omitir, de se calar, concordou com a mulher e comeu do fruto da árvore proibida.

Porque Adão de calou? Porque não esbravejou contra a invasão da serpente ao território mental de Eva, terreno que, pelas instruções claras de Deus, teria que preservar? Ao que tudo indica, Adão se curvou ao auditório constituído tão somente de duas pessoas, ao invés de argumentar com as instruções das quais era possuidor. Também através de outro exemplo bíblico, o livro mostra um homem que se utilizou da truculência para resolver uma situação que tinha tudo para ser equacionada pelo diálogo. Trata-se de Caim, o assassino de Abel. Na narrativa bíblica consta apenas um convite de Caim a Abel para irem, juntos, ao campo. Lá, ele matou o irmão sem dar nenhuma chance ao diálogo. Foi a típica atitude de quem, não tendo disposição para se utilizar da fala, preferiu dar “um murro na mesa” para deixar bem claro que o mais forte fisicamente tinha o controle da situação. Será?

Esse comportamento também pode ser facilmente observado nos dias de hoje. No casamento, então, nem se fala. Quantos lares desfeitos, destruídos pela fuga, pela covardia, pela indisposição de falar, de dialogar, de enfrentar, da parte do homem, situações de conflito. Pelo exemplo de Adão, nessas ocasiões, só resta, ao universo masculino, duas soluções: ou se cala, se omite e vai embora, consumando a separação, ou dá um murro na mesa e vence a situação pela truculência, pela violência, pela lei do mais forte. E vence? Será vitorioso um homem que só sabe resolver suas questões pela violência, pela força? Essa, lamentavelmente, é a herança que o primeiro homem nos deixou. Como antídoto, temos a herança que o segundo homem nos legou, Jesus. Este sim, o Adão perfeito. Que tal conhecê-lo, para passar a praticar o silêncio que edifica e a fala que constrói?

(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

O título deste artigo mais parece título de filme B de Hollywood, do tipo “O Ataque das Abelhas”, “Piranha Assassina”, “O Ataque das Aranhas”, “Cobras Em Seu Banheiro” e obras semelhantes. Mas é tão somente a constatação do surgimento de uma considerável quantidade de traças a atanazar nossas vidas neste período chuvoso. Agora, em função do inverno, chama à atenção a forte presença das traças no nosso espaço doméstico. De repente, você abre o armário de roupas e está lá um monte de traça no bem bom, causando grandes transtornos. Tirando a paciência, danificando tecidos – enfim, roendo, roendo e roendo sem parar. Aí me indaguei: pra que serve a traça? Será que somente para aquela atividade ininterrupta de se agarrar em paredes, de habitar fundos de gavetas e lugares úmidos e penumbrosos à procura de tecidos e papéis? Se for somente para isso, que vidinha insípida, sem graça!
Creio existir um grande vácuo, um grande lapso, enfim uma grande dívida da Ciência para conosco, em não ter pesquisado ainda as qualidades (negativas ou positivas. Positivas?) da traça. Pelo menos até hoje eu desconheço algum estudo, alguma investigação científica sobre tal inseto. E veja que todos os dias os cientistas descobrem possibilidades interessantes nos elementos mais absurdos da Natureza. Então, por que sobre a traça não se diz nada, não se descobre nada? Diante de bases tão escassas de observação, fui ao dicionário. Lá, está escrito que a traça “é a designação comum a insetos ápteros, da espécie lepisma, que se constitui praga doméstica atacando livros e roupas”. Até aí nada de admirar. Traça é isso mesmo. Bronca! Agora, impressionado fiquei com a frase final do dicionário sobre o temível áptero: “aquilo que destrói pouco a pouco”. Ah, bicho malvado, perverso, cruel...
Aí, desse devaneio biológico, passei a olhar o cenário, o horizonte do ambiente político brasileiro. E vi, nele, gente muita parecida com a traça. Políticos que – apesar de malvados, perversos, cruéis, como ela – não destroem, de uma tacada só, o ambiente que habitam. Não, eles não arrasam de repente o lugar que os acolhe. Feito traças, eles vão destruindo pouco a pouco, agarradinhos às paredes, gavetas e armários dos espaços legislativos, executivos, judiciais, buscando vantagens, adulterando regras, princípios, valores. À procura de papéis e tecidos que configuram a base legal, econômica, social e administrativa do país, grudando neles, para, dali, auferir seus ganhos absurdos, ilegais, imorais. Como a traça, tais personagens também agem na sombra, ao abrigo da luz. Não ocupam posições em campo aberto, nem aceitam a prática transparente da discussão, do embate de ideias diante de todos.
Suas negociatas e falcatruas necessitam de ambiente penumbroso, longínquo aos fachos de luz da Lei, da Moral, da Ética. Ah, quão perversos são para o país tais bandidos! E o pior: vivem travestidos de bons moços. Os tempos passam e eles não mudam, não desistem. Estão sempre lá, roendo, fuçando, se alimentando do que não lhes pertence. Para o combate à traça a solução é simples. Vassoura e espanador, acompanhados de limpa móveis e detergente – pronto. Beleza! Mas, na luta contra as traças de paletó e gravata, o buraco é mais embaixo. Denúncias pela Imprensa, investigações, CPIs, inquéritos de toda ordem – e nada. Eles permanecem agindo como traça, nas sombras, roendo, roendo, engordando, ganhando sempre. O voto contra eles, numa próxima eleição, poderia até ser uma medida de eficaz assepsia. Mas o que fazer se o eleitor também tem seus momentos de traça? Pobre do nosso paletó...



Twitter