Públio José – jornalista Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Muito se tem falado atualmente a respeito de custo. É custo a respeito de tudo. Tudo tem seu custo. É custo pra lá, é custo pra cá, numa neurose que não acaba mais. Tinha um custo, muito famoso por sinal, que até saiu de cena: o Custo Brasil. Falava-se nele a todo momento. Os entendidos nesses mistérios, entre os quais economistas, parlamentares, sociólogos, jornalistas, entre outros, enchiam páginas e mais páginas de jornal e revistas debulhando para nós o tão decantado custo. Agora, ao que parece, está meio fora de moda (Ou voltará à ribalta em função do estouro da inflação?) Pois é, tudo tem um custo. Olhando essas coisas todas e de tanto ver a mão de Lula sem o quinto dedo, comecei a imaginar o custo para o Brasil do dedo que falta na mão do nosso ex-presidente. Sabe-se que o ex-metalúrgico perdeu o seu dedo numa prensa – uma máquina industrial. Imagine a dor. Imagine que pensamentos afloraram a sua mente naquele instante.

Certamente que o operário foi prontamente atendido e levado até a um hospital. No leito hospitalar, ou quem sabe na própria residência, depois das visitas, depois que o silêncio se fez, quais pensamentos acorreram àquele – até então – insignificante operário? Poucos têm parado para pensar a respeito desse momento. Mas é importante se indagar. O que aconteceu ali, Lula sozinho, com a sua dor, um sentimento de impotência enorme a lhe invadir o peito? Ódio, mágoa, rancor, desilusão, decepção, frustração? Ou uma nova tomada de posição, uma nova postura frente ao momento doloroso que estava vivendo? A intensidade da dor era maior na carne ou na alma? Como encarar a vida de metalúrgico sem um dedo? Ficaria desempregado? Como aceitar e administrar essa nova realidade? Pensamentos, mil pensamentos. Diz o ditado popular “que o gato, de tanto ser perseguido pelo cachorro, e se vendo sem saída, termina atacando seu agressor”.

Daí será que dá para concluir que Lula – na qualidade de “operário espoliado e explorado pelas elites” – decidiu então atacar? A verdade é que a sua vida não foi mais a mesma. Aquele dedo faltoso, com certeza, começou a incomodar. Suponho até que gerando em sua mente novos planos. Postura inteiramente nova. Será? Mas voltemos a falar a respeito do assunto principal desse papo. O que tem a ver o tal dedo que Lula não tem com essa conversa sobre custo. Com uma grande aceitação popular e um impactante reconhecimento internacional, com as pesquisas sobre sua popularidade, à época, lhe alçando a mais de 83% de aceitação, poucas, acredito mesmo que pouquíssimas pessoas no Brasil estariam preocupadas, àquele tempo, a respeito de quanto isso tudo nos custaria. Um ex-operário assumiu a presidência da república e quanto teremos de pagar por isso? A imprensa estrangeira – principalmente a europeia – se babava de orgulho.

Os líderes políticos – principalmente os de esquerda – se rejubilavam diante de uma nova experiência socialista na América Latina. Avante, companheiro! Mas não é no quintal deles que a subida da cotação do dólar está trazendo sufoco, nem é no bolso deles que está doendo os novos preços da gasolina e dos alimentos. Não é em suas searas que a subida de um ex-metalúrgico ao poder, e a eleição da afilhada Dilma, ocasionou uma tremenda elevação nos índices de corrupção e a perspectiva futura de um tempo de crescimento praticamente zero do Produto Interno Bruto. Ah, um ex-operário no poder! E sem um dedo... Claro que isso teria um custo! Romantismos à parte, é certo que todos estamos pagando por essa experiência ter redundado, à época, em sucesso. Sucesso aparente, ressalte-se. A realidade é que, hoje, estamos chorando esperanças perdidas, desilusão coletiva e um alto preço pelo investimento político feito em Lula.

Mas, atenção. Não estou aqui entrando no mérito da questão, se foi certa ou não, boa ou não, a eleição dele. Mas me deixa interessado saber que influência na vida de Lula teve aquele momento da perda do quinto dedo – e como essa circunstância poderá afetar, para o bem ou para o mal, o destino de milhões de brasileiros. Será que foi naquele momento que ele decidiu perseguir com unhas e dentes a presidência da república? Se foi, já pensou o que pode causar a perda de um dedo? Divagações de lado, o fato é que o Brasil entrou numa aposta muito alta. De Lula veio Dilma. Até aqui desastre, desacerto. Será que o custo de ter feito Lula uma grande liderança redundou em enorme fracasso? Será que tudo não passou de um grande erro? E o dedo perdido que papel tem nisso tudo? Será que um dedo é tão impactante assim? E porque tantas perguntas em função de um dedo? Será que o dedo de Lula merece tanto espaço? Ou não...