NATAL PRESS

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)



Há um ditado popular que assegura existir para cada mulher um homem. Por mais feio, fedorento, desdentado, desajeitado, pobre, burro, tapado, grosso, ignorante, que alguém seja, ou, por outra, com qualquer atributo (ou desatributo) que possua, dificilmente alguém – seja homem ou mulher – fica desacompanhado. É como se para cada fechadura houvesse uma chave.  Adaptando esse raciocínio ao campo político, pode se afirmar que para cada ideologia existe uma plateia correspondente. A História não nos deixa mentir. Ao longo do tempo, reis, imperadores, generais, mandatários, enfim, de qualquer índole, sempre contaram com (muitas vezes numerosíssimos) seguidores. Não à toa, pode ser relembrado aqui o episódio ocorrido em 18 de novembro de 1978 na Guiana, quando o líder religioso Jim Jones levou à morte centenas de pessoas, a maioria por envenenamento.


O argumento? O de que a “terra mãe” (os Estados Unidos), se transformara no império do Satanás – com isso, mantendo-as confinadas na selva da Guiana até a morte. Já Adolf Hitler conduziu a nação alemã à prática de crimes horrendos com base na pureza da raça ariana. Ora, ora! Para cada louco uma plateia; para cada ideologia – por mais ilógica – multidões dispostas a dar-lhe crédito. Nesse contexto, a América do Sul também não fica atrás. Sob o manto de uma tal “revolução bolivariana”, a Venezuela está sentindo de perto o péssimo negócio que fez ao dar ouvidos a Hugo Chávez. Seu período no poder coincidiu com o boom consumista mundial, com as exportações de petróleo trazendo fartos recursos a Venezuela – e a ele altíssimos índices de popularidade. Tanto dinheiro o elevou à líder regional, em condições até de enxergar a implantação do bolivarianismo em outros paises.


No Brasil, várias vertentes de partidos de esquerda – órfãos de profetas e gurus em razão da queda do Muro de Berlim, da derrocada da União Soviética e de outros acontecimentos semelhantes mundo a fora – entregaram-se de corpo e alma às teses chavistas, tentando, de todas as maneiras (algumas até ao arrepio da lei), implantá-las em solo brasileiro. E os frutos resultantes? No Brasil, um desastre. A mistura de lulopetismo com bolivarianismo deu no que deu: inflação alta, baixo crescimento, corrupção incontrolável, entre outras mazelas – Petrobrás no destaque. Na Venezuela, o sucessor de Hugo Chávez, Nicolás Maduro, deu de cara com outra realidade econômica – e está levando o país à bancarrota. A China não é mais o dragão devorador de commodities e petróleo como antes, fato que fez seus preços descerem a ladeira, muito em função da produção de petróleo americano extraído de xisto.


Em vista de tal realidade, e pela não priorização em infraestrutura, a Venezuela escorrega em direção ao caos social e econômico com o qual o bolivarianismo não sonhava, embora, paradoxalmente, Maduro tenha sido reeleito presidente (diz a oposição em eleições vergonhosamente fraudadas), e ainda conte com simpatizantes suficientes para continuar a tomar as mais loucas atitudes. Enquanto isso, a inflação dispara, o crescimento é zero, o desabastecimento de gêneros de primeira necessidade se generaliza, incluindo papel higiênico – e Maduro nem, nem. Quem faz crítica é taxado de traidor da pátria, a liberdade de Imprensa inexiste e o Parlamento e o Judiciário endossam toda tipo de patifaria. Recentemente, em verdadeiro tour, visitou a China tentando recursos para tapar o rombo. Será que a China lhe deu dinheiro pra comprar papel higiênico? Trágico. Ou será ridículo?


Públio José – jornalista



Twitter