Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Não é de hoje que o homem – na busca por vantagens materiais, políticas, profissionais, sociais, familiares – decidiu adotar costumes, hábitos, procedimentos e atitudes para alcançar seus objetivos nem sempre empregando métodos aconselháveis. A História mesmo nos dá conta de um bom número de personagens que atropelaram os chamados “bons costumes” para atingir seus propósitos. É sabido também que existem inúmeras maneiras de tais propósitos serem alcançados. Inicialmente, o que difere o homem esperto do homem sábio é a paciência. A paciência é da essência da sabedoria, enquanto a esperteza tem na pressa, na agitação, na precipitação, na imoderação o “modus operandi” mais apropriado. O termo sábio vem do grego “sofós”, daí gerando “sofia” que significa sabedoria. Tem como características principais a habilidade para agir de maneira acertada.

O vocábulo tem a ver com a inteligência de certas pessoas no sentido de exercitar, mais do que outras, o dom de se proverem de conhecimento de forma mais rápida, mais eficiente, mais racional. O sábio é aquele que tem paciência para aprender a respeito das coisas e inteligência para executá-las corretamente, sempre respeitando a moral, a ética, os costumes. Outra característica do termo é sempre se inclinar para o bem, além de dotar de humildade, respeito para com o pensamento dos outros, gentileza no trato com o próximo e espírito público as pessoas dispostas a se lastrearem nessa concepção. Ao sábio também está reservada a capacidade de enxergar longe, fugindo das implicações do dia-a-dia, não permitindo que dificuldades ocasionais lhe turvem a visão ampla do futuro – isso sem lhe tirar a qualidade de reconhecer seus próprios erros e buscar as soluções com rigor e desassombro.

Já o esperto... Bom, o esperto sempre cai na graça da torcida. Principalmente no Brasil onde os princípios são atropelados e se mesclam de tal forma que ninguém consegue mais enxergá-lo na inteireza de suas (negativas) qualidades. Por aqui até os sábios já concluíram que não tem muita vantagem em ser sábio. O negócio é ser esperto, agir com competência para lograr êxito, mesmo que através de práticas que abusem de atos desonestos, imorais. É bem verdade que em certas ocasiões os sábios podem até ficar (não são) espertos, se valendo da esperteza para, digamos assim, encurtar caminho na busca do que procuram. Porém, dificilmente o contrário acontece. Dificilmente, podemos afirmar que alguns espertos se utilizam da sabedoria para alcançar seus objetivos. Por quê? Pela própria essência, pelas próprias características, pelos propósitos que movem o esperto em todas as direções.

Embora agindo com competência no contexto da esperteza, o esperto sempre se utiliza do logro, da sutileza, da perspicácia, da astúcia, da manha para iludir, para enganar – e, assim, alcançar seus intentos. Por sinal, essa prática tem levado muita gente a convencionar que o esperto é inteligente. Ledo engano. Erra o alvo quem confunde esperteza com inteligência, embora vários estudiosos tratem os dois termos como sinônimos. Porém, na prática, analisando-se os frutos das ações do esperto e das ações do inteligente, vê-se que é grande a distância que os separa. A inteligência – tida como a capacidade mental de raciocinar, de planejar e resolver problemas, de abstrair idéias – tem em seu âmago muito mais afinidade com a sabedoria. Sábios, espertos, Brasil... Sarney, Maluf, Renan e tantos mais... Teremos sábios no Brasil? Ou o Brasil é um país de espertos? Deus meu, acuda o Brasil!!!

Públio José – Jornalista