NATAL PRESS

Duas datas significativas preparam o espírito dos povos para as comemorações de mais um Natal de Jesus, o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista. Refiro-me ao Dia Internacional da Solidariedade (20/12) e ao dedicado, no Brasil, aos órfãos (24/12).
Quando de Sua primeira vinda visível ao planeta, o Provedor Celeste exemplificou com a própria vida o valor da solidariedade sem fronteiras, sejam elas de idioma, cor da pele, opinião política etc. É Dele também uma postura ecumênica de amparo aos desfavorecidos da Terra.
Refletindo sobre o amplo e irrestrito significado do Natal de Jesus para a LBV e para os que com ela cerram fileiras na construção “de um Brasil melhor e de uma Humanidade mais feliz”, recordo trecho de circular que escrevi em Brasília/DF, datada de 4 de junho de 1997. Faz parte da minha obra “Liderar sob a proteção de Deus”, em preparação.
Dedico a todos os corações de Boa Vontade: (...) Elevemos uma fervorosa Prece ao Cristo, nosso Senhor, porquanto este é o caminho seguro que nos conduzirá à vitória. No Cristo, venceremos! Que queremos nós senão oferecer aos deserdados do mundo uma Ceia Especial que nutra, para todo o sempre, os seus Espíritos sequiosos de um alimento que vem do Alto: Jesus, o Pão que desceu do Céu? E esse Pão que desceu do céu igualmente é Educação e Cultura, Alimentação, Segurança, Saúde e Trabalho com Espiritualidade Ecumênica! Um sonho que nos vem do Cristo de Deus, de forma que o tornemos uma instituição em toda a Terra, para o que precisamos desenvolver um sentido realista, a fim de infalivelmente conduzir multidões pelas estradas da Alma. Isso porque nestes tempos de avançada tecnologia, é urgente que a Humanidade seja mais sensível aos sentimentos generosos, que impulsionam a Fraternidade e a Solidariedade Social, que andam fazendo bastante falta nos dias que correm. (...)
Um Feliz Natal a todos, e um ano-novo próspero em realizações no Bem!

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

Nossa homenagem ao ilustre advogado e extraordinário líder político Nelson Rolihlahla Mandela, que retornou em 5 de dezembro à Pátria Espiritual.
Primeiro presidente negro da África do Sul, governando-a de 1994 a 1999, destemidamente lutou contra o apartheid, desumano regime de segregação racial que, por tanto tempo, infelicitou o extremo sul do continente africano.
Em 18 de julho de 2014, Mandela completaria 96 anos. Foi um ser humano digno de admiração. Prêmio Nobel da Paz em 1993, ele foi condecorado no Brasil, para honra nossa, em 1997, com a Comenda da Ordem do Mérito da Fraternidade Ecumênica, láurea concedida pelo ParlaMundi da LBV, em Brasília/DF.
Aos seus estimados familiares e ao povo sul-africano, as nossas condolências. Madiba, como era afetuosamente chamado, segue o seu ativismo pela causa da liberdade, agora, na condição de Espírito Eterno.
Na sexta-feira, 6/12, uma equipe de reportagem do SBT acompanhou uma aula no Conjunto Educacional Boa Vontade, em São Paulo/SP, sobre a importância de Mandela para a democracia e a Paz.
O respeito às diversas culturas e a vivência fraterna e ecumênica que diariamente despertamos nas crianças ficam demonstrados neste depoimento da aluna Lara Vitória, de 8 anos: “Nós aprendemos desde pequeninos na escola que somos todos iguais e não importa se somos negros, brancos, de outras religiões. O que importa é o Amor que temos uns pelos outros”.

PEDAGOGIA PELA PAZ
“A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz.” É um trecho do Artigo XXVI da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completou, em 10 de dezembro, 65 anos.
Irmanada a esse preceito, em 22/11, na Lincoln Avenue School, em Orange/New Jersey, ocorreu bela cerimônia de conclusão do programa “Estudantes de Boa Vontade pela Paz”, desenvolvido pela LBV dos Estados Unidos nos colégios norte-americanos. De forma dinâmica e entusiasmada, quase mil alunos participaram da solenidade. A iniciativa visa incentivar a liderança solidária entre os educandos e favorecer um ambiente escolar livre de violência.
Nos últimos dois meses, em parceria, educadores da LBV e professores do local orientaram crianças e adolescentes sobre o tema “conscientizar, compartilhar e ajudar”. Os alunos decidiram, então, pôr em prática um pouco do aprendizado. Promoveram na comunidade, com o apoio de voluntários da LBV, uma campanha de alimentos para ajudar famílias em situação de vulnerabilidade social do Condado de Essex/NJ. Trata-se de exemplar atitude que proporcionou alegria aos atendidos no dia 28/11, feriado de Ação de Graças naquele país.
O embasamento desse esforço dos educadores vem das etapas do MAPREI (Método de Aprendizagem por Pesquisa Racional, Emocional e Intuitiva) — a metodologia de aplicação da Pedagogia do Afeto (para crianças de até 10 anos) e da Pedagogia do Cidadão Ecumênico (a partir de 11 anos), que trabalhamos nas escolas da LBV no Brasil.
Nos Estados Unidos, como em muitos outros países, o problema da violência nas escolas é preocupante. E, segundo me informa o representante da LBV na ONU, Danilo Parmegiani, a Pedagogia da Boa Vontade, com a sua Cultura de Paz, tem obtido relevantes resultados em terras norte-americanas, pois todos percebem os benefícios de conciliar o currículo formal com a experiência da Boa Vontade em ação.
A notícia nos mostra o alcance da Espiritualidade Ecumênica entre os estudantes. Em “É Urgente Reeducar!”, ressalto que ela é o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo vulgar da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Misericórdia, da Moral, da Ética, da Honestidade, do Amor Fraterno.

José de Paiva Netto é jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

Estamos mobilizados na Campanha Natal Permanente da LBV — Jesus, o Pão Nosso de cada dia! Atitude em prol de um Natal mais feliz para famílias em situação de pobreza, amparadas pela Legião da Boa Vontade durante o ano em seus programas socioeducacionais. A iniciativa alcançará ainda pessoas atendidas por instituições parceiras da LBV.
Agradecemos a imprescindível participação do povo, da classe artística, esportiva, da mídia, enfim, gente muito fraterna. Juntos, garantiremos o sucesso desse empreendimento solidário. O bom coração de tantos amigos fica bem expresso nas palavras da respeitada jornalista e empresária Ana Paula Padrão: “Usar a minha imagem a favor de uma bela causa e saber que com isso estou proporcionando um fim de ano melhor para tanta gente que realmente precisa é uma emoção. Esses 30 anos em que fiquei exposta na televisão fizeram com que as pessoas acreditassem em mim, e essa credibilidade é o que eu doo para a LBV e para essas famílias que terão um Natal mais feliz. Por isso, meus colegas e eu estamos participando desta campanha”.

FEIRA DO LIVRO DE BRASÍLIA
Até o dia 1º de dezembro, ao lado da Biblioteca Nacional, os brasilienses podem visitar a 31ª edição da Feira do Livro de Brasília. Sob o lema “Leitura, um direito fundamental”, o evento está diariamente aberto ao público das 10 às 22 horas. O acesso é gratuito. Vale a pena conferir. E é uma satisfação ter minha obra “Jesus, o Profeta Divino”, em seu formato popular, presente nesse espaço cultural. Encontra-se no estande da WRC Livros.

José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

Numa homenagem ao Dia Nacional da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro, e à memória do valente Zumbi, apresento trecho de artigo que preparei para a Folha de S.Paulo em 15/5/1988. Nele enfatizo a necessária prática do Ecumenismo entre as mais variadas etnias:

Zumbi deu o brado que nenhum Domingos Jorge Velho poderia abafar: Liberdade! Dignidade! Somos seres humanos!

Morreu-lhe o corpo. Mas a Alma — quem conseguirá matá-la? — permanece... e se multiplica nas palavras e atos de um Patrocínio, Joaquim Serra, Luís Gama, Salvador de Mendonça, André Rebouças, Castro Alves, Joaquim Nabuco e de tantos outros negros, brancos, mestiços. Se ainda não há democracia étnica dentro de nossas fronteiras — embora o Brasil seja um povo de etnias mescladas, para cuja sobrevivência é essencial estar plenamente legitimada e vivida a sua brilhante mestiçagem —, é porque o espírito de senzala continua grassando. Contudo, é justamente na natureza miscigenada que consiste a sua força.

Voltando ao quadro atual, a situação está mudando. E de onde menos se espera, assistimos à reeleição do primeiro presidente afro-americano da história dos EUA, o dr. Barack Obama. Um grande avanço!

TODA A HUMANIDADE É MESTIÇA

Em “Crônicas e Entrevistas” (Editora Elevação, 2000), prossigo defendendo a tese de que toda a Humanidade é, desde os tempos iniciais da monera, uma mescla sem-fim, tornando-se, portanto, sem propósito, qualquer tipo de discriminação, principalmente, no que diz respeito à cor da pele. A inevitável miscigenação humana constitui fato de proporções globais. Vários estudiosos afirmam que, cada vez mais, diminui no mundo o conceito de linhagem pura. Um exemplo dessa constatação vem dos Estados Unidos da América, que criaram um item no seu censo para contemplar os mestiços, que compõem significativa parcela da população norte-americana.

José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

www.boavontade.com

Na felicidade ou na dor, o ser humano jamais está sozinho. Sabendo ou não, crendo ou não crendo, tem Deus por si. No deserto ou nos vergéis, na montanha ou nos vales, na cidade ou nos campos, se, reverente, contemplar o Alto, verá a multidão de estrelas, carregando em seu bojo bilhões de bilhões de vidas.

Com a mesma Fé Realizante que me levou a escrever essas palavras, depois publicadas em meu livro “Como vencer o sofrimento” (1990), gostaria de transmitir fraterna solidariedade ao povo do arquipélago das Filipinas, na Ásia. Nossos Irmãos em Humanidade terrivelmente padecem das consequências da passagem do supertufão Haiyan, na última sexta-feira, 8/11. Atingindo ventos de mais de 300 km/h, a tormenta, considerada uma das maiores já registradas em terra firme, devastou algumas regiões do país. Não é possível ainda precisar o número exato de vítimas. As autoridades estimam em milhares de mortos e desaparecidos.

CARIDADE, FERRAMENTA DE RECONSTRUÇÃO
Especialistas do comportamento humano concordam que, em situações semelhantes, quando a dor nos surpreende de maneira tão cruel, a superação requer postura de coragem. Deixar de lado sentimentos de angústia e revolta é igualmente indispensável.
Aos que acreditam em um poder superior, na Eternidade, essa provação é mais prontamente aceita e realizada. Contudo, mesmo os céticos podem encontrar energia construtiva para dar novo sentido às suas existências. Temos, por exemplo, a caridade, o auxílio ao próximo, como emblemática ferramenta de reconstrução (...).
Nos corações que ficam, a ausência repentina dos que voltaram à Grande Pátria da Verdade é amenizada pela certeza de que o Criador proporciona renovada condição de vida a seus entes queridos, pois os mortos não morrem. E, onde estiverem, necessitam dessa compreensão dos que permanecem na Terra. Consideremos a possibilidade de vida atuante em outras dimensões. O Mundo Espiritual não é uma abstração.

Todos nós, seres humanos e espirituais, somos sempre convocados ao entendimento das realidades mais profundas, a fim de suportar e superar os desafios diários.

SENADOR PEDRO SIMON

Presente na 59ª Feira Internacional do Livro de Porto Alegre, o senador Pedro Simon lançou, na quinta-feira, 7/11, “Fé e Política — de Pedro a Francisco”. Conjuntura nacional, relações entre fé e política, educação são temas desenvolvidos pelo autor.

Grato ao nosso ilustre amigo pela dedicatória que me enviou: “Ao meu grande irmão Paiva Netto, um abraço e as felicitações por toda a sua Obra feita a favor do Bem e da Paz”.


José de Paiva Netto é jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

A Vida continua sempre, e lutar por ela vale a pena.

De vez em quando, surge alguém a falar sobre o suicídio, como se ele fosse uma glória, a do desaparecimento das dores e das perturbações da vida.
No entanto, isso é um grande engano, no qual ninguém deve precipitar-se, porquanto todo aquele que procurar no fim da existência humana o esquecimento de tudo encontrará o supremo despertar da inteligência flagrada em delito, porque, buscando o fim, achará vida e suas cobranças a respeito do que o suicida terá feito com ela.

A morte não é o término da existência humana. Como dizia o saudoso Proclamador da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, Alziro Zarur (1914-1979), “ela não existe em nenhum ponto do Universo”.

Realmente, porque nem o cadáver está morto. Ao desfazer-se, libera bilhões de formas minúsculas que vão gerar outras maneiras de existir.
Você não acredita? Tem todo o direito. Mas se for verídico?! Premie-se, minha amiga, meu amigo, com o direito à dúvida, base do discurso científico, que, na perquirição incessante, continua rasgando estradas novas para a Humanidade.

Pense no fato de que, se o que afirmamos aqui for realidade, Você encontrar-se-á, após um pseudoato libertário (o suicídio), terrivelmente agrilhoado (ou agrilhoada). Achar-se-á em uma situação para a qual, de jeito algum, estava preparado, ou preparada. Para quem apelar se, de início, afastou de si todos os entes queridos e alegrias que teimava em não ver?! Naquele momento, tardiamente, gostaria de voltar a enxergá-los. E, somente à custa de muitas orações, que Você, talvez, jamais, ou raras vezes, tenha proferido na Terra, perceberá, num gesto de humildade, uma luz que se lhe acendam nas trevas. Apenas desse modo poderá reencetar, depois de muitas dores, cobradas por seu próprio Espírito, uma caminhada que se terá tornado mais áspera.

Como se diz aqui, na Religião Divina, “o suicídio não resolve as angústias de ninguém”; portanto, nem as suas.
Meu Irmão, minha Irmã, a Vida continua sempre, e lutar por ela vale a pena. Por pior que seja a escuridão da noite, o Sol nascerá, trazendo claridade aos corações.
Ainda mais, se passarmos os olhos pelo redor do nosso dia a dia, veremos que existem aqueles, seres humanos e até mesmo animais, em situação mais dolorosa, precisando que lhes seja estendida mão amiga. Não devemos perder a oportunidade de ajudar. Àquele que auxilia não faltará nunca o amparo bendito que lhe possa curar as feridas.
Viver é melhor.

Não há morte em nenhum ponto do Universo

Fui buscar no primeiro volume da coleção, de minha autoria, Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, o seguinte trecho, por bem apropriado:
Dois de Novembro é o chamado dia dos mortos.

Certa feita, um repórter perguntou-me se costumava orar por eles. Respondi-lhe: Naturalmente. Sentimos saudade daqueles que nos antecederam no caminho da grande Pátria Espiritual, o Mundo da Verdade. Lembremo-nos dos parentes e amigos com muito carinho. Compreende-se a saudade, mas não convém alimentar tristeza, porque isso perturba o Espírito da pessoa amada. Eles estão mais vivos do que nunca. Nada morre. Basta ver que o cadáver, que vestiu o Espírito, também se transforma em vida. A morte é um boato. O saudoso jornalista, radialista, poeta e escritor Alziro Zarur ensinava que “não há morte em nenhum ponto do Universo”. Deus não é morte. É Vida. E Vida Eterna. O próprio Jesus revelou aos Seus discípulos que o Pai Celestial universalmente governa seres imortais. E arrematou: “Por não acreditardes nesta realidade, viveis equivocadamente”. Aqueles que amamos não morrem jamais, mesmo já se encontrando no Mundo Espiritual. Muitos permanecem ao nosso lado, ajudando-nos; outros podem estar precisando de nossas preces. Oremos por eles, para que, quando chegue a nossa vez, alguém ore por nós, e agradeçamos a Deus por ser Deus de vivos. Os mortos não morrem.

Pascal (1623-1662) já definira: “A imortalidade da Alma tem para o homem tamanha importância, interessa-lhe tão profundamente, que é preciso ter perdido toda a sensibilidade para ser-se indiferente ao seu conhecimento”.

José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

O problema do mundo não é primordialmente o pecado, mas a carência de Amor que o gera. “Deus é Amor”, definiu João, Evangelista e Profeta, o Discípulo Amado do Divino Mestre, em sua Primeira Epístola, 4:16: “E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é Amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele”.

No filme “Irmão Sol, Irmã Lua” (1972), de Franco Zeffirelli, há uma cena antológica: na ocasião em que recebeu, em Roma, Francisco de Assis (1181-1226), o Papa Inocêncio III (1160-1216), profundamente comovido pela presença e pelas palavras de “Il Poverello”, quase que em êxtase exclamou: “Erros podem ser perdoados. Nossa obsessão com o pecado original nos faz muitas vezes esquecer nossa inocência original!”.

Jesus trouxe aos povos a correta visão do Pai Celeste: Caridade, Fraternidade, Compaixão, Solidariedade e também a perfeita Justiça, porque, sem ela, vigora a impunidade, fomentadora da corrupção que estabelece o caos.

No livro “Os Mensageiros”, do Espírito André Luiz, na psicografia de Francisco Cândido Xavier (1910-2002), lemos explicação de Alfredo, administrador de um Posto de Socorro no Plano Espiritual, que diz: “Enquanto não imperar a lei universal do amor, é indispensável persevere o reinado da justiça”.

É evidente que, quando me refiro à Justiça, não estou tratando de oportunismo nem de vingança, porquanto esses são a mais completa negação daquela. Nesse sentido, o famoso escritor e libretista italiano Pietro Metastasio (1698-1782) declarou: “Sem piedade, a justiça é crueldade. E é fraqueza a piedade sem justiça”.

De minha parte, também, tantas vezes tenho ponderado que — premiar quem não merece é crime.

A mensagem do Cristo Ecumênico é eterna, mesmo quando demore a tornar-se realidade. “Passará o Céu, passará a Terra, mas as minhas palavras não passarão” (Evangelho de Jesus segundo Lucas, 21:33), pois Ele divinamente apregoa o Amor do Novo Mandamento como a definitiva solução para os males que afligem a Humanidade: “Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos. Não há maior Amor do que doar a própria Vida pelos seus amigos” (Evangelho segundo João, 13:34 e 35 e 15:13).

Nesta oportunidade, a todos convido para participarem da sessão solene comemorativa do 24o aniversário do Templo da Boa Vontade, sábado próximo, 26, às 17 horas. Mas, por toda a semana, haverá festividade. O TBV fica no SGAS 915, Lotes 75 e 76. Para outras informações, acesse www.tbv.com.br/24anos
O DFTV, 1a edição, da Globo, esteve, em 21/10, no TBV, onde realizou excelente reportagem. Nossos agradecimentos.

CONJUNTO EDUCACIONAL BOA VONTADE
Com muito prazer, estive na sexta-feira, 18/10, na Supercreche Jesus e no Instituto de Educação que mantemos na capital paulista. Visitei as novas instalações da biblioteca Bruno Simões de Paiva, onde o Grupo de Instrumentistas e o Coral Ecumênico Infantojuvenil Boa Vontade interpretaram músicas de seu repertório, incluída uma composição na Língua Brasileira de Sinais (Libras).
Agradeço às crianças, jovens e educadores pelo carinho com que me receberam. A alegria estampada em cada rosto é uma demonstração de que vale a pena lutar por um Brasil melhor e uma Humanidade mais feliz.
José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

Quinze de outubro, Dia do Professor! Um Ser, uma Causa, cujo nobre propósito esclarece criaturas, edifica bons cidadãos. Aos dedicados educadores, idealistas de vulto de nossa Pátria, os parabéns da LBV! E realmente eles precisam de melhores salários.

No mesmo espírito de elucidar seres humanos, o Templo da Boa Vontade (TBV), até o fim do mês, apresenta uma iluminação diferenciada em apoio à campanha internacional Outubro Rosa, que evidencia a importância da prevenção do câncer de mama.

Durante 31 dias, no Brasil e no exterior, o rosa, a cor do laço que simboliza a luta contra a doença, é estampado em monumentos, prédios públicos, pontes, igrejas, estabelecimentos comerciais, enfim, uma rede de solidariedade se forma em torno do tema, levando as pessoas a expressarem sua adesão das mais criativas formas. Assim tem feito também a Super RBV de Comunicação (rádio, TV — canal 20 da SKY —, imprensa e internet).

Realizar periodicamente exames preventivos é uma providência que deve nortear a todos. Segundo o Ministério da Saúde, “o câncer de mama é a segunda causa de morte entre mulheres. Somente no ano de 2011, a doença fez 13.225 vítimas no Brasil”. A detecção precoce, com o exame clínico da mama e a mamografia, pode salvar muitas vidas.

O TBV, que completa seu 24º aniversário em 21 de outubro, reúne neste mês um número ainda maior de peregrinos que desejam usufruir de sua mística de esperança alimentada pelo Ecumenismo Total. Ocasião, pois, modelo para milhares de visitantes adquirirem mais conhecimentos quanto aos imprescindíveis cuidados com a saúde do corpo.

Diariamente, às 18 horas, na Hora do Ângelus, no Templo da Paz, estamos dedicando uma oração às famílias que lutam contra o câncer de mama. Venha compartilhar sua Fé nesse ato de Caridade Espiritual.

O Templo da LBV fica no SGAS 915, Lotes 75 e 76. Para outras informações, ligue: (61) 3114-1070 ou acesse www.tbv.com.br/24anos.

OTAVIO FRIAS FILHO
Na quinta-feira, 10/10, na capital paulista, o jornalista Otavio Frias Filho, diretor de redação da “Folha de S. Paulo”, recebeu personalidades, colegas de profissão e amigos para uma sessão de autógrafos de “Cinco peças e uma farsa”.

O trabalho literário apresenta-nos mais um pouco da obra dramatúrgica do autor que, segundo a sinopse, “pratica com virtuosismo uma variedade grande de registros, da tragédia à farsa, passando por variantes do drama (...)”.

Grato ao ilustre escritor pela dedicatória que me endereçou em um exemplar: “Para Dr. Paiva Netto, com o abraço cordial do Otavio Frias Filho”.


José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

Temos uma boa notícia para comemorar este ano no Dia da Criança, 12 de outubro. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) comunicou que, entre 2000 e 2013, foram reduzidos em um terço os casos de trabalho infantil no mundo. O número de crianças e adolescentes (de 5 a 17 anos) que trabalham caiu de 246 milhões para 168 milhões.

Ao abrir oficialmente a 3ª. Conferência Global sobre Trabalho Infantil, que ocorreu em Brasília/DF, de 8 a 10 de outubro, a presidenta Dilma Rousseff informou que o Brasil reduziu, entre 2000 e 2012, em 67% o número de crianças envolvidas em trabalho infantil, um ritmo superior ao da média mundial de 36%.

Naturalmente, muito resta por se fazer no que diz respeito à proteção dos pequeninos e em diversas outras frentes de luta pela melhoria das condições de vida das criaturas humanas.

Na revista “Globalização do Amor Fraterno”, que enviamos à ONU em 2007, apresentei, no meu artigo “Oito Objetivos do Milênio”, trechos de uma entrevista que concedi ao jornalista Paulo Parisi, em 1981. Comento que nunca como agora se fez tão indispensável unir os esforços de ecologistas e seus detratores, assim como trabalhadores, empresários, economistas, o pessoal da imprensa (escrita, falada e televisionada, e, agora, eu incluo a internet), sindicalistas, políticos, militares, advogados, cientistas, céticos, ateus, religiosos, filósofos, sociólogos, antropólogos, artistas, esportistas, professores, médicos, estudantes ou não (bem que gostaríamos que todos os jovens, as crianças, e os idosos também, por que não?!, se encontrassem nos bancos escolares), donas de casa, chefes de família, barbeiros, manicures, taxistas, varredores de rua e demais segmentos da sociedade, na luta contra a fome e pela conservação da Vida no planeta. O assunto tornou-se dramático, e suas perspectivas, trágicas. Pelos mesmos motivos, urge o fortalecimento de um ecumenismo que supere barreiras, aplaque ódios, promova a troca de experiências que instiguem a criatividade mundial, corroborando o valor da cooperação sócio-humanitária das parcerias, como, por exemplo, nas cooperativas populares em que as mulheres tenham forte desempenho, destacado o fato de que são frontalmente contra o desperdício. Há realmente muito que aprender uns com os outros. O roteiro diverso comprovadamente é o da violência, da brutalidade, das guerras, que invadem lares por todo o orbe. Alziro Zarur (1914-1979) enfatizava que as batalhas pelo Bem exigem denodo. Simone de Beauvoir (1908-1986), escritora, filósofa e feminista francesa, acertou ao afirmar: “Todo êxito envolve uma abdicação”.

Resumindo: cada vez que suplantarmos arrogância e preconceito, existirá sempre o que absorver de justo e bom dos componentes desta ampla “Arca de Noé”, que é o mundo globalizado de hoje. Daí preconizarmos a união de todos pelo bem de todos, porquanto compartilhamos uma única morada, a Terra. (...)

ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE IMPRENSA

Ocorreu na terça-feira (8/10), no Plenário Ulysses Guimarães da Câmara dos Deputados, em Brasília/DF, uma homenagem aos 80 anos da Associação Paulista de Imprensa (API).

A sessão solene, convocada pelo presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Eduardo Alves, atendeu a requerimento proposto pelo deputado Arnaldo Faria de Sá.

Com grande honra, recebi no ensejo o título honorífico comemorativo dos 80 anos de fundação da entidade. Grato aodr. Sérgio de Azevedo Redó, presidente da API, aos seus diretores e conselheiros por essa distinção.

PADRE FÁBIO DE MELO

“Onde houver um ser humano realizado, nele Deus estará revelado. Queiramos isso. Sempre. Até o fim. O fim que nunca tem fim.” Essa clara consciência do propósito da vida está na mais recente obra do padre Fábio de Mello, “Quem me roubou de mim?”. Agradeço-lhe a generosa dedicatória que me enviou em um exemplar: “Ao grande Paiva Netto, permaneçamos unidos! Com carinho, Fábio de Melo”.

José de Paiva Netto — Jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com

Um levantamento da Academia Brasileira de Neurologia, ficamos sabendo que de 1999 a 2008 houve no país aumento descomedido do número de vítimas da doença de Alzheimer. Os óbitos saltaram de 1.343 para 7.882, caracterizando um acréscimo de quase 500%. Outro dado que chama a atenção aponta para o fato de que a maioria deles é de brancos e da Região Sudeste.
No programa “Viver é Melhor!”, da Boa Vontade TV (canal 23 da SKY), a especialista em gerontologia, pedagoga e diretora da Associação Brasileira de Alzheimer do Estado de São Paulo, Fabiana Satiro de Souza, abordou as causas e as formas de tratamento.

TABUS E DIAGNÓSTICO
Em seus comentários iniciais, destacou que a doença tem sido cercada de muitos tabus: “Existem famílias que não querem nem contar para vizinhos que o parente está com Alzheimer. As pessoas já pensam na enfermidade numa fase avançada e acabam se esquecendo de que, no início, o doente tem muita coisa boa para viver e realizar”.
Ela também comentou o estigma que o idoso carrega por não possuir uma memória tão ativa quanto antes: “Na verdade, se eu me esquecer de alguma coisa é porque estou estressada, mas se o ancião esquece é porque ele está senil. O idoso já possui raciocínio um pouco mais lento, uma natural perda de memória, mas isso é muito mais acentuado numa demência, e ela vem sempre agregada a alguns distúrbios de comportamento, que acabam nos mostrando a característica específica da doença”.
O diagnóstico, segundo a especialista, é feito por exclusão, ou seja, elimina-se a possibilidade de serem outras doenças, a exemplo da depressão ou mesmo de distúrbio da tireoide: “A família é um dos principais mecanismos para ajudar num diagnóstico, porque ela é que vai apontar para o médico quais sintomas estão aparecendo naquele idoso. Essa percepção de que ele está esquecendo raramente vai partir do paciente”.

QUALIDADE DE VIDA
Fabiana Satiro enfatizou que “um dos principais métodos para desacelerar a progressão da doença é a informação. Ela é aliada dos medicamentos e dos tratamentos multiprofissionais. Os familiares e todos aqueles que estão em volta do paciente necessitam conhecer sobre a enfermidade. Tendo o maior número de informações possível, com certeza, a terapêutica será mais adequada. Sendo um mal neurodegenerativo e sem cura, vai progredir, mas pode ser de uma forma mais lenta. Com isso, você ganha um paciente com uma melhor qualidade de vida por muito mais tempo”.
Ao lado da medicação, que é fundamental, existe o tratamento não medicamentoso. A médica explica: “Quanto menos coisa o paciente fizer, mais rápido a doença vai progredir. Além da medicação, a gente vai trabalhar a adequação do ambiente, um treino de memória, criar estratégias para que ele tenha a independência preservada por mais tempo. Em tudo ele vai precisar da supervisão de alguém. O problema é que o ‘ajudar’ é confundido com o ‘fazer por’. Com o tempo ele vai tendo cada vez mais problemas para ficar sozinho”.

MANTER-SE ATIVO
Sobre a prevenção, a também pedagoga Fabiana Satiro esclareceu: “Mesmo que você tenha uma predisposição, se praticar ao longo da sua vida atividade física e intelectual, se ingerir uma boa alimentação, conseguirá retardar a manifestação da enfermidade”.
Nossos agradecimentos à especialista em gerontologia, pedagoga e diretora da Associação Brasileira de Alzheimer do Estado de São Paulo, Fabiana Satiro de Souza, por elucidar o tema. Outros dados podem ser obtidos pelo site www.abrazsp.org.br.
Que lição essa misteriosa doença nos oferece? A de que a dor deve ser corajosamente encarada. Se dela tentarmos fugir pelo atalho do faz de conta, perderemos o caráter sublime de seus ensinamentos.
José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor.
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. — www.boavontade.com



Twitter