NATAL PRESS

         Quando estamos em nossa cidade temos uma maneira de viver e de se locomover.  Quando viajamos, alguns mantêm o mesmo modus vivendi. Eu gosto de mudar.

         Aqui tenho carro e o utilizo bastante. Atualmente disponibilizei para um filho social fazer Uber e tenho andado também de ônibus e de carona, mas independente disso, quando dirigindo tenho uma direção contemplativa. Internalizei amor pela vida e busco em cada olhar, em cada andar e em cada deslocar a extração do cotidiano, a visão dos movimentos diversos e a própria essência de nossa existência material.

         Explico melhor, a distração, a abstração ou alheiamento do que acontece a nosso redor, joga no lixo, desperdiça um universo de cenas, visuais e eventos interessantes que acontecem a todo o momento e em todo canto.

         Perceba andando ou parado em sinais e engarrafamentos, que animais estão por perto, comendo, subindo árvores, acompanhando companheiros, seres humanos ofertam serviços e muitos são engraçados, agradecem rezando, outros são rudes, uns alegres, têm os divertidos, cheios de manias, além da própria natureza com céu azul, chuva, ventos, temperaturas etc.

         A vida na verdade é uma produção cinematográfica viva e em constante dinâmica, passe a observar tudo a seu redor como um filme, como gravações e viaje em cada detalhe, em cada acontecimento, em casa movimento.

         Quando viajo, então, voltando ao “x” da questão, prefiro o ônibus, primeiro pela altura, nos possibilitando um olhar sobre a cidade e seus habitantes de cima, segundo ele vai parando o que nos dá uma oportunidade sem paralelo de observação da polis de camarote. Tem ainda a possibilidade de ver as pessoas comuns, aquelas que muitas vezes não nos relacionamos.

         Nos ônibus surgem do nada religiosos, vendedores, ladrões, dondocas, prisiacas, estudantes, bem vestidos, maracatus, figuras bem interessantes e diferentes, oportunizando a um olhar mais atento, uma gama enorme de tipos muito apreciados sob o prisma da curtição sem preconceito, e sem julgamento negativo.

         Cada vez mais amo viver, circular, observar, em todo canto e em todo lugar existe algo para se ver, para se deleitar, claro que as negatividades estão à espreita e não é nada bom experienciar situações assim, mas mesmo assim, elas existem e segundo os espíritas, acontecem conosco e no entorno como consequência de alguma lição que devemos passar ou karma que temos que quitar.

         Viver, olhar, circular, estar neste planeta, seja de qual categoria ele for, estar tendo esta maravilhosa oportunidade de estar vivo na matéria, depois livre da carne mais fluído para voar, volitar, transitar por dimensões e mundos outros, já percebeu o quanto devemos ser gratos por termos nos tornado um atma, uma alma, um espírito, uma unidade cósmica, um cidadão planetário?

         Exerçamos nossa cidadania cósmica com muita boa energia e na absorção necessária e positiva do amor, busquemos encher o nosso tanque com esse combustível para poder com ou sem asas distribuir amor por onde possamos estar.

         Luzzzzzzzzzzzzzzz.

 

Flávio Rezende aos vinte e sete dias, mês sete, ano dois mil e dezessete. 10h35. Natal/RN, Brasil, Planeta Terra, Universo.



Twitter