"Les sanglots longs / des violons / de l'automne" (Os longos soluços dos violinos do outono) indicavam que a Operação Overlord, a invasão da Europa, teria início em duas semanas. Foram transmitidas no dia 1o. de Junho. As linhas seguintes, "Blessent mon coeur / d'une langueur / monotone" (ferem meu coração com um langor monótono), indicavam que a invasão ocorreria em 48 horas e que a resistência deveria começar as operações de sabotagem, especialmente da rede ferroviária; essas linhas foram transmitidas no dia 5 de junho, às 23:15. Poesia de Paul Verlaine.

Já lá se vão 70 anos. Nesse dia, 150.000 soldados de várias nações desembarcaram na Normandia; cerca de 10.000 perderam suas vidas. Às comemorações ontem realizadas, fizeram-se presentes Chefes de Estado das principais nações que participaram da luta. Uma festa bonita, pois esse dia representa o começo da derrota do nazismo e a vitória final dos Aliados. E a libertação da Europa.

Lembro-me perfeitamente desse dia. Estava no 3o. Ano do Ginásio, no Atheneu. As aulas começaram as sete da manhã e pouco depois, cerca das oito, chegou a notícia do desembarque. As aulas foram suspensas, e fomos todos para o Grande Ponto, onde muita gente se juntava para comemorar a invasão, que ficou conhecida como o Dia D. O serviço de alto-falantes de Luís Romão retransmitia as noticias que vinham da BBC, dando detalhes do desembarque.

Claro, essa invasão não foi surpresa. Esse momento era aguardado por todos. Até para os alemães, que a esperavam e estavam atentos. A grande surpresa foi o local da invasão, a Normandia. Os alemães a esperavam na região de Calais, ponto mais estreito do Canal da Mancha. Hitler chegou a reter batalhões Panzer que poderiam ajudar na luta, certo de que a invasão principal ainda seria em Calais.

Os primeiros dias foram, apesar da surpresa relativa, muito duros. Os Aliados, que esperavam consolidar com rapidez suas posições, levaram mais tempo do que imaginavam para dominar pontos estratégicos da região. O ataque dos pára-quedistas foi mais difícil do que se imaginara e o número de mortos e feridos maior do que o esperado. Apesar dessas dificuldades iniciais, o desembarque foi um sucesso e a derrocada da Alemanha nazista se prenunciava.

Natal, que vivia intensamente a guerra, com tropas americanas e brasileiras em grande quantidade, que viveu dias de blackout e simulação de ataques aéreos e bombardeios de nossas costas por submarinos alemães, comemorou com alegria esse dia. O 6 de junho seria, para nós, o início do fim da guerra. Sabíamos que essa data marcaria também o retorno dos soldados americanos à sua pátria.

Vários livros foram escritos sobre o Dia D. Vários filmes foram feitos. Um dos melhores livros foi “O Dia D”, de Stephen Ambrose. O filme mais famoso – O mais longo dos dias – mostra com realismo todos os momentos da invasão. O site do “YouTube” tem uma enorme quantidade de filmes e documentários mostrando minuciosamente os diversos momentos do acontecimento. Aos curiosos, aos que gostam de história, aos que viveram esse dia, recomendo que vejam, ou revejam, essa ocorrência. Aos mais jovens, que conheçam em mais detalhes a luta que foi a II Guerra Mundial e as dificuldades para libertar a Europa do domínio nazista. Tempos que não podem ser esquecidos.