NATAL PRESS

descricao descricao descricao

Nada desfavorável àquele Mc Salsicha que muitas vezes engolimos na pressa do dia a dia na casa do 1,99, que barganhar ainda é preciso, é o que temos para hoje. Frio ou quente. E se essa também vai sair no capricho, em breve, veremos. (Já disse, é o que temos na bandeja de oferendas). Afinal, doa a quem doer, o importante participar, ´partilhar`, pinar, sobretudo consumir a boa programação que se tem pela frente. Até mesmo no que podemos gritar de peito aberto na noite adentro: ´´A Morena está no Brasil``, e não mais naquele fim de mundo, vivendo a custa de quem e, tchanan, Salve seo Jorge!

Abre aspas. Coisa que há bem pouco comemoramos eufóricos mais um ´´Dia da Mentira`` por todos os continentes, em Reilândia – esquina com Absulândia Brazilian Now! –,  seria ´fichinha`, mas, ouvi dizer que a data foi estendida e não apenas dentre os nossos politicamente corretos/esquecidos. E com direito a liquidação no saldão do bairro do Brás Paulistano. Exatamente quando, de bom tamanho, o patrão aqui, sempre atencioso, o (idem) e igualmente prestativo seo Gomesvaldo acabou de me ligar, prometendo aumento ´doméstico` e de carteira assinalada tão logo a coisa melhorar! Coisa que devo acreditar e apostar algumas fichas, fazer o que, ir direto pro olho da rua, é? Fecha aspas.

Mas como? Se temos de quebra ainda aquela velha expressão de ´´ir a forra`` tão próximo do almoçá-los antes que nos jantem e que comer o prato frio significa muitas vezes não apenas força do habito, do costume, ou que dançamos conforme a música, não devemos sonegar nem em dó Maior. De fato, e isso é fato. Agora, quanto a saturada desdita em levantar a poeira e dar volta por cima – certamente algo que doloroso/moroso/lacrimoso na vida de muitos – esteja tudo sendo teclado  numa letra só, no costumeiro e (re)badido texto, no país da pouca miséria e da pouca fome, nós também dançamos com os hipopótamos. Rasteira em jacaré, por enquanto, negativo. Falar em Mensalão, novamente no que iria dar o romance ´´Durango Kid`` da Rosemary com o mestre Lula, se o pastor dos Direitos Humanos, o tal Feliciano fica ou não fica em meio a tanto tumulto, ora pois. Detalhe. Não basta preenchermos apenas lacunas com o que é minúsculo debaixo do sol. Nem tampouco com o que cobre um pouco abaixo da cintura da mega Madalena que só não morreu de vontade de ser cortejada na última versão da Fazenda por causa da etiqueta do biquini de bolinha amarelinho.

Pois sim, perguntinha maldosa que rola entredentes por esse labirinto de pesquisas impróprias acerca do ´´Vote limpo`` no espaço global é que, depois de votado, o eleito na classe de recém-assumido-escalado para atuar, vai agir de tal forma, heim? Ou que, o ensinamento ficou há muito e bem para trás que na prática a teoria passou lá na Bahia (tal a antigo força de expressão, claro)? Barbaridades de governo, isto posto, nunca deixarão de ser alheias assim. A vida do próximo, sim, de suma-pruma importância. A minha, o que, sou de paz!

E passa a régua que só de pensar em repetir que não se vive integralmente de meias verdades, de meras picuinhas, tricotagem, quando muitos persistem em empurrar até com a ´´barriga tanquinho``, afinal, como o pit stop caseiro de emissora para emissora é inevitável, sobrevivemos sãos à boa ´´Era Videos-mania``, obrigado por ter me lembrado. Aliás, o que seria mais – então – da nossa pseudo-paciência-sapiência não fosse um passeio gratuito pelo canal Youtube na calada da noite, heim?

Por hoje é só, e é isso aí. Reclamem...
 
– Garçom, a conta! O que, como? Tem que pagar o couvert artístico pelo simples prato de macarrão? Mas não apenas (e só) à base de alho e óleo...
Celso Fernandes, jornalista, escritor. Colunista de Moda, TV e Literatura. Assessoria de imprensa. Blog: http://modarougebatom.blog.terra.com.br
Follow me: http://twitter.com/celsocolunista

• Nada a querer bater sempre na mesma tecla do ´´enter`` (o controle remoto jamais pode ser deixado de lado, favor não esquecer, acaso a tendinite avançada) que no mundo televisivo atual sobrevivemos mesmo de ´´tira teimas``, do refúgio abusivo do ´´Quem Copiou de Quem``, ´´Pegadinhas`` insossas, por que não acudir à vertente do pós pago no assunto que vai semi- fresquinho e logo mais abaixo além do pau do macarrão: ´´Sorria, você está sendo redimensionado``.

• E já sobre aquele outro tipo de nó – claro – feito o nó cego da minha gravata, que não desata, é vero. Picuinhas, my friends, picuinhas. Até mesmo na maleta do passa ou repassa do Show do ½ Milhão e ½ e que roupa suja, oras essa, roupa suja hoje em dia lavamos todos os dias em casa, na Express Comunitária, no programa do João Kleber, no Ratinho, no Faustão e onde puder adotar o cobiçado sabão ´Omo Total` em liquidação! A vida alheia, não esquecer, desde que não seja a minha, mesmo que no disfarce do criado-mudo ´usadão`, queremos devorar ao pé da letra! E remoa a quem remoer...

• Coisa que se regra é regra, tripulantes de bombordo e de estibordo estirados à beirada das poltronas que se cubram em ficar horas infindas, beijando o ´´santo`` (para quem não sabe, procure saber como é) não esqueçamos do manjado desenho do bicho encrenqueiro, o Pica Pau em primeira pessoa, em frente ao aparelho de tevê, esbravejando: ´´Mas antes da próxima notícias, a mensagem do nosso patrocinador``. E se cabe ainda aquela espremida de uma suposta/humorada ´´gase-fraldas`` (ops) de que ´´há males que continuam vindo sempre na mesma direção``, dúvidas por quê? Quanto ao D de Dolores, ora, ora, ora... Picuinhas, my friends! The books on the table...

• Pois sim, uma bem pequenininha feito aquela que se as paredes tinham apenas ouvidos – e não é só coisa de novela global, não –, ganharam olhos e narizes pontiagudos, e também o ´´faro fino`` até por baixo das portas, vou apertar o que, heim? Qual a ´´Torre de Pizza`` de Absulândia Brazilian Now!, pós recente invasão indígena em Plenário atrás de novas reivindicações, aguardamos novos pastores ´´Felicianos`` pelo próspero projeto dos nossos ´astros` e politicamente corretos em megas operações às vésperas da Copa e eleições de 2014. Claríssimo, sob os pilares daquela honrada casa, certo? Que vivem apregoando em cima do vote limpo – com ou sem Odd – que tudo está em 99,9% dos casos emergenciais, às 1001 maravilhas. E que durante a pré-exibição antecipada dos ´´Jogos do 13 Erros Estrelado``, só para lembrar no mundo dos esquecidos, já que somos o resultado daqueles em quem votamos... do que comemos, ora, ora, ora. Fome (quase) zero! Sem terra, só não futura Martelândia...

• De modo que a nossa TPT – Tensão Pré Televisiva – continua de vento e polpa na série dos inéditos enlatados/reciclados na data de vencimento lá em baixo, pela hora da sorte, diga-se lá, e de passagem (só de ida) que o poder da miopia podemos deixar um pouco de lado, afinal fazer vista grossa não é fazer vista curta. Tudo bem? E enfim, resumindo mais dessa nossa pseudo-opereta da semana, uma vez que a vida da gente não pode ser resumida em uma única nota só – ainda que daquela caseira: ´´Help! Salvem as metáforas!``

PS: Ah!, ia me esquecendo (vivo esquecendo das coisas talvez pelo peso da idade), algo que talvez na ponta do martelo de borracha, ´´aquele que não tiver pecado, que atire o primeiro tomate que baixo no alto preço``. Ou que se não for por essa nem por outra: ´´Picuinhas, my friend!`` Pontos sem nós, ora, ora, ora... (os) Damos além no fundo dos bolsos...

Celso Fernandes, jornalista, escritor. Colunista de Moda, TV e Literatura. Assessoria de imprensa. Blog: http://modarougebatom.blog.terra.com.br
Follow me: http://twitter.com/celsocolunista
www.facebook.com/celsocolunista

Nada de tão menos revelador de podermos dizer – e somar!, entenda-se, algo que pela ´´Lei da Nova Ortografia Rapidez das Redes Sociais`` 24 horas D/N – que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, grande descoberta a minha!, então, ´game over` para o nome do jogo do aplaudido BBB´13 (mas que, infelizmente, não cheguei a assistir nenhum episódio menos inédito). Exatamente quando, idem, já adianto de bom tamanho que não precisamos também mais à essa altura do campeonato da expiação de 1001 câmeras apostas na aclamada Casa mais Vigiada do Brasil, enfim, batizar ganhadores e finalistas do pré-paredão-paredásso. Principalmente o nome daquela musa Escarlett que fatiou a parcela MAIOR da bufufa que agora não é mais alheia nem do patrocinador. É dela, que fique com ela, e clique final!

E se podemos afirmar que temos uma nova ´milionária` em cena para as futuras passarelas, Milionários e José´s Ricos que façam fila na roleta de apostas para inéditas – eu disse inéditas, no bom sentido da palavra, contratações extra globais. Business my lady! E se não haveria, ora, ora, ora... Pois sim, podem filmar, fotografar, babarem à vontade, que em 2014, ano da Copa, que por aqui indica estar deveras ´russa`, no ano que vem tem mais. E quando, idem, por ordem de bilhetinho anônimo pousado de ´via aéreo` aqui na minha mesa redonda de pixachões, chega a pergunta: ´´Quando é que vão eliminar o Pedro Bial?``, ops. Claro que em nome da nossa santa malvadeza em questão.

Coisa que se no frigir dos ovos bem remexidos além do confessionário, o ´chá de trepadeira`, ops, de choradeira imperou, haja listão de afinidades e tempestades criadas em baldes d´água! Porque barrados no baile, quanto menos no Palácio da Fartura, lá, agora desmontado, por aqui hoje relaxamos e gozamos. O resto deixamos para as emissoras nível concorrência, que pegam carona na notinha que já está ´passada` (ou seria daquela vencida, no prazo de boa audição) do que foi com o o que será o amanhã de manhã. Bem cedinho só para quem passou a noite às claras, ansioso por olheiras. E só não vamos experimentar beijar a boca do sapo para evitar um suposto mau hálito (da famosíssima halitose) na esperança do bicho virar príncipe encantado.

Mas como ia dizer (o que mesmo, heim?) e que por certo algumas personagens fictícias projetadas para o mundo televisivo ainda são aquelas que podem fazer parte quem sabe do jogo Hamlet, de William Shakespeare, porém, sem nunca deixarem de ser meigas, rebeldes, desejadas, convenhamos: ´´quando flagradas por xeretas e paparazis de plantão muitas vezes são aquelas que surgem principalmente com o que manda a proibição – o que é proibido (com o que era) tem um sabor todo especial, inspiremos. O que não custa lembrar em uma outra breve linha, que mesmo com a evolução dos tempos, mundo cibernético, webcans caseiras, plantão ´facesmania` aos montões, algumas delas continuam sonhadoras no tempo. E o que é melhor, se passando por autênticas ´Ophelias`, inventando moda, dando o banho de sorrisos e artifícios quando a gente pede bis.

Celso Fernandes, jornalista, escritor. Colunista de Moda, TV e Literatura. Assessoria de imprensa. Blog: http://modarougebatom.blog.terra.com.br
Follow me: http://twitter.com/celsocolunista
www.facebook.com/celsocolunista

Nada menos de impróprio ou a querer lembrar de ter lido numa das entrelinhas da Mãe (ou seria mesmo Pai?)-internet – e como se ela não fosse, velozmente, novidade, ó, santa rebelde hermano Francisco, ops – daquilo que é alheio, é nada melhor ainda... juntamente com aquela famosa ´´refeição`` que muitas vezes comemos fria a qualquer hora do dia/noite, infortúnios veem sempre de bandeja. Tudo bem?

Sem formar grandes filas, porém, só de poder atravessar grandes fronteiras e senão mais que poder falar mal na língua que a terra um dia há de comer – o nariz achatado que não se finja de esquecido, só para reforçar na baila do assunto – o importante também é da gente não se afastar muito do que envolve uma boa confusão. Se caiu o balão ou que alguém tenha escorregado na maionese caseira em dia de churrasco de confraternização no sítio do ´´chefe``, patavinas, alguns tipos de entretenimentos são por demais bem vindos. Com a mão, ora pois, firme na roda. ´´Sentiu a firmeza maldosa na, idem, não menos estranheza? Ou que por – não menos, eu disse ´não menos`, só para rechear o nosso ´´L`` no sadio da linguíça –, não foi à toa que por obra e ´ordem` do destino de terem combinado as inseparáveis amigas do ´´trampo``, a saber, a Elisa, a Elisete e a Elisabete, na mesma cor do biquíni amarelinho!`` No sítio do chefe, claro. Exatamente quando o passeio de fazer vistas grossas jamais passa tamanho despercebido até com o pobre ´´fundo de garrafa`` do seo Altamires, que me perdoe o leitor na observação da oferenda da frase em questão.

Mas como dizia... (o que ia dizer mesmo, heim) que tem coisas na vida – em matéria de parceria nem se fala, ´´o que é meu é meu, o que é seu é meu, podemos negociar?`` – que é melhor pingar do que secar, cabe um avant popoli que atrás vem brócolis? Não abrir ou quanto violar o lacre antes do próximo carnaval é o que pode fazer com que o indivíduo morra de curiosidade até no marca passo no observatório das atenções, wow! Coisa que no glorioso mundo virtual ouvi dizer que os mais fanáticos do ´´Bloco das Boas e Más Atenções`` vem fazendo sucesso na hora extra além do uso do dedo mindinho, aplaudimos pelo congelamento do que mesmo?. Aquele, do seu vizinho. Hã? Pegou.

No mais, como afirmam, ´´confirmam`` e ´´compartilham`` as pesquisas de ´´boca de rua`` que a Dilma ultrapassou muito além dos 70% do eleitorado, se tudo der certo sua reeleição vai ser batata – não importa a grossura da casca lulística, o importante ainda é sabermos descascar o pepino, cuidar da perereca para que o sempre saltitante populismo cresça e continue, saltando nos seus pulos, e vou lá eu querer perder tempo em ´ver, ouvir, plantar e opinar` em frente à telinha se querem comer uma vez mais a cabeça do Maluf na tal da bandeja de oferendas? Pois sim, hoje, e somente hje, vou atentender a milhares de ½ dúzia de pedidos do que disse lá pelos idos anos 90´s nesta mesma coluna semanal – só que por outros canais, timbrados, óbvio – que não é só helicóptero que voa! Não mais mais que, como dizia um velho amigo de escola versão anos 80´s, o Rogério: ´´é a maldade do povo!`` E, não mais que, como sita-se mesmo que é a maldade do povo... Vai que o novo e bom Francisco comece a distribuir ´selinhos` hermanos (known!) além da Cristina Kirchner, por aí...

– Heim? Como, o que disse? Se sou eu, seu olhos e ouvidos ´´face``, tamanho a te ajudar – a ver, pensar ouvir, compartilhar, e, falar – , modéstia..



Twitter