Eu invejo a liberdade
Gozada pela poesia
Ela tem autonomia
Inclusive do poeta
Ela se porta inquieta
Ele se vai e ela fica
Nem o tempo a erradica
Viaja por corações
Desnuda as emoções
Do livre não abdica

Imortaliza o belo
Respiração de pensamentos
Transborda dos sentimentos
Buscando a liberdade
Sempre guarda lealdade
E é da alma a expressão
Desentende-se com a razão
Se tomada por amor
Chega a dar cheiro e sabor
As coisas do coração

A poesia não envelhece
E dá brilho a lembrança
Viaja pela esperança
De mão dadas com o sonhar
Alimenta-se do amar
Se espalha com o bem querer
Amenizando o sofrer
Como um sussurro que acalma
Sua morada é na alma
E o seu amante, o viver.