É o desdém uma chaga
De quem se presume superior
É o preconceito de cor
Doença de educação
Mas, a grande deformação
Vem a ser a arrogância
Sem nenhuma relevância
Fere a ética e a moral
Se uma coisa me faz mal
São arroubos de petulância

Não confunda a arrogância
Com força ou determinação
Desagua na solidão
Quem sempre assim procede
E nunca se apercebe
E segue sendo arrogante
Sem saber ser tolerante
Torna-se um rei sem coroa
Com más ações seu eu povoa
E tropeça mais adiante

Algo por demais abrasivo
Para ser assimilado
Por isso muito cuidado
Acolha seu semelhante
Como um igual siga avante
Reveja suas ações
Nós temos limitações
Defeito e qualidade
Quem planta a humildade
Sempre colhe afeições.