Eu nunca entendi direito
O que é felicidade
Se é na simplicidade
Que ela faz sua morada
Pra matar essa “charada”
Eu resolvi pesquisar
Fui pruma mesa de bar
Um sorria, outro cantava
A cada um que passava
Eu resolvi perguntar

Agora, como entender
Essa tal felicidade
É muita subjetividade
Veja a pergunta que fiz
Como se sente feliz?
Responda como quiser
A resposta que vier
Eu computo por inteiro
É simples, é ter dinheiro
Respondeu uma mulher

Uma outra ia passando
E também quis responder
É perder peso, emagrecer
Foi a resposta que deu
Um bêbado ouviu e respondeu:
É pinga, de copo cheio
É minha ex com um cabra feio
Nisso uma loura com um Iphone
Um litro de silicone!
Gritou levantando um seio

Me assustei com um grito
De um bêbado no balcão
Feliz só teve Adão
Pois ele não teve sogra!
Quase a pesquisa malogra
O bêbado estava agressivo
Um outro, calmo, emotivo
Disse: ele não sabe o que diz
Que eu saiba pra ser feliz
Não é preciso ter motivo

Por isso #boraserfeliz
Colabore, compartilhe
Busque o caminho e trilhe
Não importa de onde vens
Se queres, podes e tens
Direito à felicidade
Não importa a idade
Vale o aqui e agora
Pois já sabes onde ela mora
Juntinho à simplicidade. (Celso Cruz)