NATAL PRESS

 
Eu sempre busquei e busco
Desde a minha mocidade
Valorizar a amizade
Dando sentido ao viver
Entre o dar e o receber
Busco viver o momento
Aumentar o conhecimento
Ser da vida um aprendiz
O que faço e o que fiz
É pra alma um alimento
Eu sempre fui serelepe
Irrequieto, travesso
Viro a alma pelo avesso
Mostro meu interior
Deságuo todo amor
Eu sou e sempre fui assim
Não sei se é bom ou ruim
Ser movido pela emoção
Escancaro o coração
Mostro o que tem dentro de mim
Se me diminuem eu cresço
Vivo o aqui e o agora
Pois é dentro e não fora
Que mora a felicidade
Aliada a simplicidade
Dão a vida direção
Nada na vida é em vão
Tudo tem razão de ser
A melhor forma de viver
É abrindo o coração
Não busque aplausos pra vida
Ser feliz é o que interessa
Planifique e siga sem pressa
Sua forma de viver
O sabor da vida é o saber
Que dá cor à humildade
É o apego a verdade
Que fortalece a razão
E o sorrir com o coração
Demonstra felicidade. (Celso Cruz)


Eu sempre busquei e busco
Desde a minha mocidade
Valorizar a amizade
Dando sentido ao viver
Entre o dar e o receber
Busco viver o momento
Aumentar o conhecimento
Ser da vida um aprendiz
O que faço e o que fiz
É pra alma um alimento

Eu sempre fui serelepe
Irrequieto, travesso
Viro a alma pelo avesso
Mostro meu interior
Deságuo todo amor
Eu sou e sempre fui assim
Não sei se é bom ou ruim
Ser movido pela emoção
Escancaro o coração
Mostro o que tem dentro de mim

Se me diminuem eu cresço
Vivo o aqui e o agora
Pois é dentro e não fora
Que mora a felicidade
Aliada a simplicidade
Dão a vida direção
Nada na vida é em vão
Tudo tem razão de ser
A melhor forma de viver
É abrindo o coração

Não busque aplausos pra vida
Ser feliz é o que interessa
Planifique e siga sem pressa
Sua forma de viver
O sabor da vida é o saber
Que dá cor à humildade
É o apego a verdade
Que fortalece a razão
E o sorrir com o coração
Demonstra felicidade. (Celso Cruz)

 

Mas um feliz acordar

Aqui na Serra da Rajada

Só o silêncio faz zuada

Mexendo no inconsciente

O passado se faz presente

Mostrando sua importância

No café sinto a fragrância

Das lembranças do passado

O meu eu fica inundado

De lembranças da infância

O sol surge sorrateiro

Pássaros cantam em sinfonia

O gado muge em harmonia

Com o som de seus chocalhos

Minha mente faz atalhos

Entre o passado e o presente

Hoje fruto, ontem semente

Minha alma sente-se acolhida

Mostrando que lá fora a vida

É dessa vida decorrente

E nisso um “bença vovô”

Traz-me pra realidade

Percebo a felicidade

Albergada em nosso ninho

No cantar do passarinho

Na imensurável grandeza

Dos braços da natureza

Que acalanta e faz vigília

Na minha amada família

Minha infinita riqueza. (Celso Cruz)

 
O meu sonho de consumo
Era um chapéu de couro
Gastei a pele de um touro
Veja você se pode
Ainda usei uma de bode
Que tinha lá na fazenda
Pra fazer uma emenda
Pois a do touro não deu
Mas um problema se deu
E eu estou pondo a venda
 
Todo dia aparece gente
Pedindo ele emprestado
Eu já estou encabulado
Pois pedem ele pra tudo
Fico sério carrancudo
Mas num tem jeito não
Acho falta de educação
Mas nego aqui acolá
Já foi uru, foi caçuá
Vai terminar em confusão
 
Resolvi: eu vou vender
Não quero mais emprestar
Se pedirem vou negar
Pra evitar uma besteira
Nele guardo minha feira
É um chapéu de cabra macho
Só de coco tem três cacho
Meio saco de farinha
Umas coisas de cozinha
Umas três panelas e um tacho
 
Fiz doação a um amigo
Que é músico e é cantor
Exímio compositor
Ele anda aperreado
Pois ficou meio apertado
Mas eu soube de uma fonte
Que ele não quer que conte
Mas eu digo por onde ando
Que o nome dele é Ivando
E o sobrenome é Monte. (Celso Cruz)

NATAL é um estado de espírito
Muito mais que uma data
Traduz na medida exata
O nascer de uma nova esperança
É o aliar-se com a mudança
Conjugação do verbo sonhar
É o exercício do amar
De maneira fraternal
Renove-se pois é NATAL
Deixe o amor desabrochar

Cante, dance, sorria
Ser feliz é o seu papel
Liberte o Papai Noel
Do seu tempo de criança
Vá até onde a mente alcança
Viaje pelo irreal
Ser feliz é atemporal
Abuse da simplicidade
E curta a felicidade
Que emana do NATAL

Distribua mais abraços
Presenteie com o coração
Irmão amigo, amigo irmão
Não canse de conquistar
Disponibilize-se pro amar
Dando ao mundo mais cor
Deixe o coração se expor
Seu eu fugir da razão
E curta a feliz emoção
De um NATAL com amor.

FELIZ NATAL! (Celso Cruz)

"Um acordar na Rajada".Por Celso Cruz

Mas um feliz acordar

Aqui na Serra da Rajada

Só o silêncio faz zuada

Mexendo no inconsciente

O passado se faz presente

Mostrando sua importância

No café sinto a fragrância

Das lembranças do passado

O meu eu fica inundado

De lembranças da infância

O sol surge sorrateiro

Pássaros cantam em sinfonia

O gado muge em harmonia

Com o som de seus chocalhos

Minha mente faz atalhos

Entre o passado e o presente

Hoje fruto, ontem semente

Minha alma sente-se acolhida

Mostrando que lá fora a vida

É dessa vida decorrente

E nisso um “bença vovô”

Traz-me pra realidade

Percebo a felicidade

Albergada em nosso ninho

No cantar do passarinho

Na imensurável grandeza

Dos braços da natureza

Que acalanta e faz vigília

Na minha amada família

Minha infinita riqueza. (Celso Cruz)


Currais Novos do ciclo do gado
Do ciclo do algodão
Do ciclo da mineração
De um povo simples e ordeiro
Do destemido vaqueiro
Do valoroso agricultor
Terra do minerador
De uma forte gastronomia
Do bem viver, da alegria
Da amizade e do amor

Rica em arte e cultura
De um povo autêntico e verdadeiro
Alegre e hospitaleiro
Amante do bem servir
É desde o seu existir
Uma Progressista cidade
Terra da prosperidade
Orgulho do Seridó
Nascida no Totoró
Berço da felicidade. (Celso Cruz)

Um coração Infartado


Eu fui abrir para ver
Um coração infartado
Tinha medo aprisionado
Tinha manchas de ingratidão
Resquícios de solidão
E muito choro contido
Mágoas de ente querido
Um amortecido saber
A vontade de viver
É que não vi, tinha fugido

Por isso bebo, jogo e danço
Extravaso a alegria
Persigo no dia-a-dia
A vontade de viver
Eu não quero é padecer
Do medo de ir embora
Ponho a tristeza pra fora
Pois se a vida Deus me deu
Meu destino faço eu
Vivo o aqui e o agora

Confesso sou sonhador
Sou preso a esperança
Só quem busca é quem alcança
Essa tal felicidade
Busco na simplicidade
Ser empático, dar atenção
Ser amigo, ser irmão
Tento viver o momento
E sempre ouvindo atento
O que me diz o coração

Alicerçado na amizade
Me solto, tento voar
Não é utópico sonhar
Dou asas á imaginação
Demonstro satisfação
Com o pouco conquistado
Eu valorizo o passado
Não o deixo adormecido
E sempre tenho agradecido
Ao que a vida tem me dado

Se é complicado ser simples
Ser simples é mais complicado
O que a vida tem me dado
Não é muito, é o bastante
Sou feliz e sigo avante
Vivo preso a liberdade
Procuro ter humildade
Sou simples não me envergonho
Persigo meu maior sonho
Viver na felicidade.



Twitter