Poetema :: Alexandru Solomon

Cartas que escasseiam


Fico sem notícias, não é fato raro

Aguardando cartas, resta esperar

Que de certa forma irá infirmar

O que já pressinto, através do faro.

Mas neste momento, fruto do progresso,

Toda residência tem computador.

Então , já vislumbro o meu salvador,

Já que simplifica tanto o processo.

Paira na lembrança uma velha história.

O dono de um burro tentou inovar,

Uma nova dieta tentou implantar.

Com aquele burro, procurou a glória.

A ração diária foi diminuindo.

Se tivesse lido Maquiavel, talvez

Teria feito todo o mal de uma vez.

Iludiu-se vendo o burro resistindo.

Reduziu a zero, como desejado,

Já se preparava pra comemorar.

Foi fatalidade ou, então, azar,

Encontrar o burro morto, estirado.

Vendo o desastre, lamentou decerto

Já que a experiência decorria bem,

Tudo andava certo, a menos de um porém

Que pôs tudo a pique, mesmo estando perto.

*Do livro ´´Desespero Provisório´´

Alexandru Solomon, formado pelo ITA em Engenharia Eletrônica e mestrado em Finanças na Fundação Getúlio Vargas, autor de ´´Almanaque Anacrônico´´, ´´Versos Anacrônicos´´, ´´Apetite Famélico´´, ´´Mãos Outonais´´, ´´Sessão da Tarde´´, ´´Desespero Provisório´´, ´´Não basta sonhar´´, ´´Um Triângulo de Bermudas´´, ´´O Desmonte de Vênus´´,(Ed. Totalidade), ´´Plataforma G´´, ´´Bucareste´´ e ´´ A luta continua´´ (Ed. Letraviva). Nas livrarias Cultura e Siciliano. E-mail do autor: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..